CP08 – Movimentos Sociais

Coordenação

Angela R. Paiva (PUC-RJ)
Maria da Glória Gohn (UNICAMP)

O Comitê de Pesquisa Movimentos Sociais estuda, analisa e interpreta os protestos e movimentos sociais, da atualidade ou do passado, no Brasil e no mundo, a partir de três eixos: 1) as experiências emergentes nos últimos anos no país (incluindo sua diversidade interna e regional), e as recentes mobilizações e movimentos em várias partes do mundo, na luta pela democracia, contra reformas estatais e a perda de direitos. Neste caso focaliza principalmente os movimentos associados ao ciclo de protestos que marcou 2019 como ‘o ano que o povo saiu às ruas’, fechando a década como a do ciclo de uma nova “geopolítica da indignação global”; 2) a análise histórico-comparativa e processual das mobilizações e movimentos contemporâneos tanto em seu contraste com experiências e momentos anteriores no tempo, como na consideração dos acúmulos, inflexões e possíveis rupturas diante de atores, matrizes sociopolíticas, ideológicas e discursivas tradicionais; 3) os desafios teórico-metodológicos oriundos das novas experiências e os limites e possibilidades da literatura sobre ações coletivas e movimentos sociais para compreender o cenário contemporâneo. Neste sentido, este eixo estimula também pesquisas que realizem balanços sobre a literatura já produzida sobre os movimentos sociais, no Brasil e em outras partes do globo. Em síntese, O CP se propõe a acolher pesquisas e papers sobre movimentos já clássicos ou recentes; tanto nacionais, internacionais ou transnacionais, em atos de protestos contra as reformas estatais, os acordos internacionais, a luta pela democracia e contra a perda de direitos sociais, políticos e culturais. Acolhe também pesquisas sobre os movimentos no campo educacional (secundaristas, coletivos de jovens nas universidades e outros novíssimos movimentos autonomistas), assim como movimentos de diversos perfis e campos de atuação -como os movimentos conservadores que proliferam na atualidade. O CP também estará atento e aberto para o estudo e reflexão das novas formas de resistência no campo político-partidário e cultural, com a atuação de coletivos que buscam mudanças via a área parlamentar, a partir de articulações de grupos da sociedade civil. A meta principal é a troca de experiências acadêmicas dos pesquisadores do campo, estimulando o debate sobre os novos desafios teórico-metodológicos que estes movimentos e outras formas de ações coletivas de protestos demandam nas análises.

Apoiadores

Angela Maria Alonso (USP)
Claudio Luiz de Camargo Penteado (Universidade Federal do ABC)
Cristhiane Falchetti (USP)
Euzeneia Carlos (UFES)
Irlys Alencar Firmo Barreira (UFC)
Flavia de Faria Moreira da Silva (Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales – EHESS/IIAC) e USP)
Fernando Cardoso Lima Neto (PUC-Rio)
Heribert Schmitz (UFPA)
Jonas Marcondes Sarubi de Medeiros (CEBRAP)
José Eduardo Leon Szwako (IESP/UERJ)
Lígia Helena Hahn Lüchmann (UFSC)
Lucas Milhomens Fonsêca (UFAM)
Maria Antonia de Souza (UEPG e UTP)
Maria Arlete Rosa (UTP)
Marcelo Marques (UFES)
Monika Dowbor (UNISINOS)
Paulo Edgar da Rocha Resende (UVV-Espírito Santo)
Paulo Henrique Martins (UFPE)
Paulo José Duval da Silva Krischke (UFSC)
Pedro Henrique Campello Torres (USP)
Taísa de Oliveira Amendola Sanches (PUC-Rio)
Vera Schattan P. Coelho (CEBRAP)

Comitês de Pesquisa