Educação e pandemia, o que mudou na escola?

Publicado em 31 de maio de 2021

Por Sueli Guadelupe de Lima Mendonça (UNESP-Marília) e
Danyelle Nilin Gonçalves (UFC), coordenadoras do Comitê de Pesquisa Ensino de Sociologia da SBS.

Nest post, as autoras traçam um retrato dos desafios a serem enfrentados pela Educação diante do impacto da pandemia do Covid-19.

O ano de 2020 será marcado como um ano em que o mundo foi forçado a desacelerar.  Desde que em dezembro de 2019, a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou um relatório no qual indicava o surgimento de uma série de casos de pneumonia de origem desconhecida na província de Wuhan, na China, os países passaram pouco a pouco a ficar em estado de alerta.

Ao longo dos primeiros meses de 2020, praticamente todos os países do globo instituíram decretos para reduzir ou proibir a circulação de pessoas, o que implicava a suspensão de atividades corriqueiras e o confinamento em suas casas como forma   de barrar a curva ascendente de contágios.

Entendia-se que a proibição de atividades presenciais nesses espaços   diminuiria ou retardaria as taxas de contágio e morbidade, à semelhança do que ocorreu na gripe espanhola (1918-1920) e na gripe asiática (1957-1958), quando fechar escolas foi responsável pela diminuição de 90% da morbidade. Já no século XXI (2004-2008), essa estratégia foi responsável por diminuir em 50%  a mortalidade durante a epidemia de gripe que afetou  os EUA.

Após algumas semanas do início do aumento de casos no Brasil e consequentes instalações de decretos estaduais de restrições de circulação, muitas escolas da educação básica públicas e privadas e instituições de ensino superior, sobretudo particulares, implantaram ensino remoto para que  seus alunos não ficassem sem aulas. Com o passar dos meses, as universidades públicas também foram adaptando seu ensino a esse formato.

Os professores precisaram transformar suas disciplinas para essa modalidade, o que  incluiu, dentre tantas coisas, preparar um espaço físico adequado para a transmissão das atividades (algo que nem todos possuíam), aprender a usar as plataformas virtuais, para que os encontros acontecessem, e  incrementar o uso de redes sociais, a fim de continuar orientações e acompanhamento de alunos.

A pandemia impôs mudanças às formas de sociabilidade, em especial à escola por meio das atividades remotas, trazendo novos elementos que demandam acesso e domínio às chamadas Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC), bem como a constatação da precariedade da infraestrutura da instituição (prédio e equipamentos), abalando as relações sociais no cotidiano escolar. Da relação presencial ao advento das atividades remotas, tanto aluno como professor foram inseridos num contexto desconhecido, instável e sem orientações e ferramentas necessárias para enfrentar o desafio, tendo sido obrigados a encontrar eles mesmos as soluções para prosseguir as atividades. Assim, professores tiveram que comprar equipamentos para possibilitar que as aulas acontecessem (novos computadores, iluminação, tripés, mesas etc.). A situação mais grave, no entanto, foi destinada às famílias que precisaram adquirir celulares, tablets, notebooks e internet adequada para que seus filhos pudessem assistir as aulas. Isso, obviamente, muitas vezes não foi possível, tendo sido amplamente divulgado casos de alunos usando internet em vias públicas, em cima de árvores ou de professores andando dezenas de quilômetros para entregar atividades aos discentes. Muitas dessas reportagens exaltavam o heroísmo de seus atores, sendo muito pouco críticas à situação em si.

As aulas diretamente mediadas pelas mídias digitais, das mais simples às mais sofisticadas, passaram a ser o cotidiano de alunos e professores, que envidaram esforços para o estabelecimento de uma nova relação com o conteúdo escolar.

Uma das manifestações mais presentes no período da pandemia foi a explicitação da desigualdade social, que solapa as tentativas dos grupos sociais mais vulneráveis de manter relações com a escola. Considerando as tímidas ações do poder público frente ao acirramento da pandemia, problemas — em que a escola agia como apoio às medidas contra a vulnerabilidade social, como merenda escolar — se agravaram, quando somados à crise econômica com crescimento do desemprego e adoecimento nas famílias, que se sentiram obrigadas a garantir um equipamento para que seus filhos assistissem aulas. Precisam de celular, mas não têm o que comer, forçando muitos alunos, de diferentes idades, a procurarem e engrossarem as fileiras do trabalho informal, diminuindo ainda mais as chances de continuarem na condição de alunos.

Os professores também sofreram impactos profundos com a intensificação e aumento da jornada de trabalho, sem controle de tempo sobre o trabalho profissional e a vida privada. As atividades remotas criaram um novo cotidiano, onde trabalho é casa e casa é trabalho, se perdendo o demarcador de tempo e espaço entre jornada de trabalho e descanso, impactando sobretudo a vida das mulheres docentes.

Docentes que atuavam em escolas mais vulneráveis tiveram o desafio adicional de manter um elo com seus alunos, que dependem objetivamente das condições de sua família de garantir o acesso ao celular com internet, sendo que muitas famílias limitadas ao uso de um único telefone, disponível somente quando o responsável retorna do trabalho já tarde da noite. As plataformas, que precisaram aprender a lidar, bem como o aumento do controle da escola, intensificaram seu trabalho, exigindo muito mais de si. Houve também a necessidade de atualizar suas ferramentas de trabalho para diminuir seu stress no uso de equipamentos que não comportavam a demanda das atividades digitais, ou uma internet frágil frente a intensidade exigida. Isso implicou novos gastos com os meios necessários para a realização de seu trabalho, sem apoio do poder público.

O fato de terem sido, pela força das circunstâncias, obrigados a usar os meios virtuais, criou em muitos docentes dúvidas acerca do ensino remoto e um sentimento de desconfiança da utilização de plataformas, tanto porque os alunos não têm acesso, mas também por não acreditarem nos aspectos pedagógicos da proposta e por dificuldades com os recursos tecnológicos.

Durante a pandemia, vários foram os casos de professores demitidos sumariamente ou que tiveram suas turmas reduzidas e agregadas incidindo diretamente nos salários.

O trabalho remoto, com tudo o que implica em termos de preparação de aulas nesse formato, aprendizagem de novas linguagens e as dificuldades decorrentes desse processo, impactou a carga de trabalho. A pesquisa realizada em 2020 por Gonçalves, Lima Filho e Freitas (2020) com quase 6000 docentes do ensino infantil ao ensino superior, revelou que a maioria dos docentes (57,6%) sinalizou que estava trabalhando mais naquele momento do que em sua condição normal pré-pandemia.

Paralelo ao aprofundamento da desigualdade social, as grandes empresas ligadas às grandes plataformas dominaram o mercado e aumentaram seus lucros, tendo a hegemonia do setor e dificultando às tecnologias livres e públicas de terem espaço nessa nova e desmedida demanda digital.

A perda de referências das atividades de estudo e de trabalho presenciais, bem como a inserção das atividades remotas no cotidiano das instituições escolares, aliadas aos impactos maiores da pandemia, já revelam como consequência o agravamento de dois problemas estruturais: o aumento da desigualdade social e a evasão escolar.

Dados do relatório da Unicef apontam que 1,38 milhão de alunos brasileiros entre 6 e 17 anos (3,8%) abandonaram as instituições de ensino em 2020 e 4,12 milhões de alunos (11,2%), mesmo estando matriculados nas aulas online, não receberam nenhuma atividade escolar.

 Os impactos negativos da pandemia sobre a educação estão sendo explicitados, mas ainda serão vistos nas próximas décadas, indicando a necessidade das Ciências Sociais de se debruçarem para desvelar a essência desse novo processo de sociabilidade, seus problemas e desafios.

Referências:

CARVALHO, M. P. de. Ensino, uma atividade relacional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 11, p.17-32. 1999.

GONÇALVES, Danyelle Nilin; LIMA FILHO, Irapuan Peixoto; FREITAS, Rafael de Mesquita Ferreira. Educação superior em tempos de pandemia: uso de tecnologias e condições de trabalho de docentes  In FROTA, Francisco Horacio da Silva;  FROTA, Maria Helena de Paula; SILVA, Maria Andréa Luz da. (orgs.). O impacto do COVID-19 nas políticas públicas [livro eletrônico]. 1. ed. — Fortaleza, CE : Edmeta Editora, 2020. UNICEF. Enfrentamento da cultura do fracasso escolar- Reprovação, abandono e distorção idade-série. Disponível em www.trajetoriaescolar.org.br

Blog SBS

Facebook SBS

A Sociedades Brasileira de Sociologia, em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina, tem o prazer de apresentar mais uma programação SBS Aula Aberta "Metodológicas".As aulas acontecerão entre os dias 06 e 15 de junho, inteiramente voltadas para métodos e técnicas de pesquisa em Sociologia.Quer participar? Faça sua inscrição pelo link bit.ly/3PJwKeT e garanta seu certificado!Siga a SBS nas redes sociais e acompanhe a divulgação dos links de cada atividade.Esperamos tods lá! ... See MoreSee Less
Veja no Facebook
📣 CHAMADA PARA EDITOR | A International Sociological Association (ISA) está procurando um novo editor para sua revista online "Global Dialogue".Acesso todas as informações da chamada em: globaldialogue.isa-sociology.org/As inscrições estão abertas até 3 de junho de 2022. ... See MoreSee Less
Veja no Facebook
O SBS Memória de hoje, traz um pouco da vida e da obra de Roseli Rocha dos Santos.✏️ COMO ESCREVER UMA BIONOTA: As contribuições deverão ser encaminhadas em formato Word para sbsmidia@gmail.com, com o nome e vinculação institucional do/a autor/a. Os membros da comissão farão uma revisão/normatização do material recebido e irão encaminhar para a publicação. O biografado deverá ter 65 anos ou mais.O texto deverá conter no máximo 5500 caracteres ou aproximadamente 1000 palavras, o que perfazem até três laudas, sem as referências bibliográficas resumindo as principais informações sobre o/a biografado/a: data e local de nascimento e morte (quando for o caso), dados da formação acadêmica e da vida profissional, redes e contextos intelectuais, contribuição para o campo de estudo, pesquisa, e outras atividades relevantes. Ao final, incluir seleção de até cinco itens bibliográficos – do/a biografado/a). Preferencialmente, agregar uma foto.As bionotas serão disponibilizadas no site da SBS na aba SBS-memória/ Retratos: sociólogas e sociólogos brasileiros e divulgadas semanalmente em nossas redes sociais. Posteriormente comporão a coletânea de e-books "Retratos: sociólogas e sociólogos brasileiros".📌 Acompanhe às divulgações semanalmente!www.sbsociologia.com.br/project/roseli-rocha-dos-santos/⬇ Baixe o e-book "Retratos: Sociólogos e Sociólogas Brasileiras":www.sbsociologia.com.br/sbs-memoria/sbs-memoria-retratos/ ... See MoreSee Less
Veja no Facebook
📌Mais uma mesa imperdível do "Ciclo Pierre Bourdieu e o Brasil": 26/05, às 10h!A mesa intitulada "A Sociologia da Economia" conta com a participação de Marie-France Garcia-Parpet (CSE/CESSP), Antônio José Pedroso Neto (UFT) e Marcelo Sampaio Carneiro (UFMA). A mediação: Maria Jardim (UNESP)Marque na agenda! ... See MoreSee Less
Veja no Facebook

Twitter SBS

📣 CHAMADA PARA PROPOSTAS DE GTS | VIII Simpósio Internacional Desigualdades, Direitos e Políticas Públicas, organizado pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (PPGCS-UNISINOS).
Link do edital: https://bit.ly/3FsgnPm

O SBS Memória de hoje, traz um pouco da vida e da obra de Barbara Freitag-Rouanet.

📌 Acompanhe às divulgações semanalmente!
https://www.sbsociologia.com.br/sbs-memoria/sbs-memoria-retratos/

⬇ Baixe o e-book "Retratos: Sociólogos e Sociólogas Brasileiras":
https://www.sbsociologia.com.br/sbs-memoria/sbs-memoria-retratos/

#ArticulacaoDasCiênciasSociais
Baixe a nota em pdf: https://projetominasmundo.com.br/maquinacoes/minasmundo-e-sociedades-cientificas-em-defesa-da-serra-do-curral/

📌 Marquem na agenda! Dia 05/05, às 18h, temos mais uma mesa do "Ciclo Pierre Bourdieu e o Brasil".
O tema dessa vez é "A Sociologia da Educação e o Legado de Pierre Bourdieu"
📺 A atividade será transmitida pelo canal da SBS no YouTube.

POST NOVO NO BLOG DA SBS!
Por Por Svetlana Ruseishvili (UFSCAR/Coordenadora do InterMob – Grupo Interdisciplinar de Estudos das Migrações e Mobilidade).
https://www.sbsociologia.com.br/eslavos-na-europa-desigualdades-socioeconomicas-e-generificadas-e-o-deslocamento-forcado-ucraniano

Mais [+]