Desigualdade ambiental e saneamento básico: um olhar a partir de uma Reserva Extrativista na Amazônia

Publicado em 8 de outubro de 2021

Por Cláudia de Fátima Ferreira Pessoa (UFPA/Núcleo de Pesquisa Ação Pública, Território e Ambiente) e
Carla Cilene Siqueira Moreira (UFPA/Núcleo de Pesquisa Ação Pública, Território e Ambiente).

Neste post trazemos um pouco mais da série dos premiados no Sociólogos do Futuro do 20º Congresso Brasileiro de Sociologia. Cláudia Pessoa e Carla Moreira discutem sobre a desigualdade ambiental a partir do acesso ao saneamento básico no território da Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu, localizada no litoral do estado do Pará.

 

Fonte da imagem: http://radio.ufpa.br/index.php/universidade-multicampi/plano-de-manejo-da-resex-caete-taperacu/

A motivação de analisar a desigualdade ambiental a partir da observação acerca do acesso ao saneamento básico em uma Unidade de Conservação na Amazônia, deve-se a experiências anteriores de pesquisa de cunho teórico sobre desigualdades, no âmbito do Programa Institucional Voluntário de Iniciação Científica, da Universidade Federal do Pará. O primeiro plano de trabalho teve início em agosto de 2018 e focalizou pesquisa bibliográfica sobre desigualdades sociais.

No ano de 2019 a temática ambiental foi inserida ao trabalho, articulando a categoria de desigualdade ambiental e Reservas Extrativistas, se alinhando ao Projeto de Pesquisa ao qual os planos de trabalho estavam inseridos. O projeto intitulado “Território, Participação e Ação Pública em Unidades de Conservação” estava sob a coordenação da Professora Tânia Guimarães Ribeiro, da Faculdade de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia, da Universidade Federal do Pará.

A pesquisa de campo prevista para o primeiro semestre de 2020 teve de ser suspensa, devido às medidas de isolamento social para conter a pandemia de COVID-19. Dessa forma, a metodologia foi repensada. Para contemplar, mesmo parcialmente, o objetivo proposto, adotou-se a revisão bibliográfica de trabalhos sobre a região, levantamento e análise de dados quantitativos em relatórios sobre saneamento, atas de reuniões e o plano de manejo da Unidade de Conservação.

As Reservas Extrativistas compreendem um dos tipos de territórios considerados prioritários para conservação da biodiversidade e dos modos de vida tradicionais das populações residentes. Segundo o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC), as Reservas Extrativistas (RESEX) são áreas utilizadas por populações extrativistas tradicionais, cuja subsistência baseia-se no extrativismo e, complementarmente, na agricultura de subsistência e na criação de animais de pequeno porte. Têm como objetivos básicos: proteger os meios de vida e a cultura dessas populações e assegurar o uso sustentável dos recursos naturais da unidade.

Esses objetivos têm seu alcance ameaçado quando não se garantem outros direitos básicos, através da execução de políticas públicas. Nesse sentido, entende-se que o saneamento básico é um direito fundamental que pode atuar na melhoria das condições de vulnerabilidade socioambiental ao qual as populações tradicionais podem estar expostas

Por serem territórios que legal e juridicamente estão inclinados ao uso equilibrado dos bens comuns da natureza por aqueles e aquelas que o habitam e bem como, pela sociedade de um modo geral, acredita-se que a abordagem acerca do saneamento básico, pode reunir elementos que permitam uma melhor observação da questão da desigualdade ambiental dentro de uma UC, por ter em seus princípios tanto o melhor ordenamento do ambiente como a possibilidade de agregar maior qualidade de vida à sociedade.

A Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu, objeto de análise da pesquisa, está localizada no município de Bragança, litoral do estado do Pará, e possui uma área aproximada de 42.489017 hectares, cerca de 20% da área total do município. Foi decretada legalmente no dia 20 de maio de 2005. É constituída de 08 pólos, representações de base comunitária/extrativista no Conselho Deliberativo da Resex, e 67 comunidades.

Figura 01 – Localização da Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu

Fonte: ICMbio, 2018

Por sua vez, o município de Bragança pertence à Mesorregião do Nordeste paraense e à Microrregião Bragantina. Compreende uma área de 2091,76 Km². De acordo com a Plataforma do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE Cidades), em 2019 a população estava estimada em 127.686 habitantes, com 92.406 residindo em área urbana e 35.280 na área rural.

O acesso ao saneamento no município é crítico em todos os serviços. De acordo com o Painel do Saneamento Brasil, do Instituto Trata Brasil (2018), 85,1% da população não possui acesso a água.  46,37% não acessa o serviço de manejo de resíduos sólidos, e na área rural do município esse déficit sobe para 81,63%, mas é sobre o esgoto sanitário que está o pior índice, 98,95% da população não tem o esgoto coletado (PARÁ, 2020a).

As dificuldades vivenciadas por esse município permitem a indagação sobre esse cenário na RESEX, alocada na sua parte rural. Ao considerar que, segundo a Lei nº11.445/2007, o saneamento básico é composto por quatro eixos, a saber, infraestrutura e instalações operacionais de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, drenagem e manejo de águas pluviais, limpeza e fiscalização preventiva das respectivas redes urbanas.

Pode-se dizer que o município de Bragança conta com uma cobertura precária dos três primeiros eixos de serviços. E isso pôde ser identificado no Plano de Manejo da RESEX Marinha Caeté Taperaçu, que reúne queixas da população quanto aos serviços de saneamento básico, principalmente sobre o manejo de resíduos sólidos. As reivindicações referem-se ao acúmulo de lixo, e seu despejo por carros de coletas em locais impróprios. Nas Atas do Conselho Deliberativo de 2011, em que se discutia o abastecimento de água em comunidades da RESEX, há relatos de problemas no micro abastecimento proposto a duas comunidades, seguido da questão de resíduos gerados por catadores de caranguejos. As ações de educação ambiental também eram constantemente reivindicadas pelas comunidades da RESEX.

Além disso, a ausência de um sistema de canalização básica somado ao acúmulo de lixo, desmatamento, lançamento de esgoto tem comprometido a qualidade das águas superficiais e subterrâneas do Rio Caeté, bacia hidrográfica que banha a Resex. A privação de um serviço adequado de esgotamento sanitário e de água potável pode comprometer a reprodução material desses grupos devido à contaminação dos recursos naturais.

Figura 02 – Rio Caeté

Fonte: Acervo do Núcleo de Pesquisa Território, Participação e Ação Pública, 2019

Como o caso da RESEX Marinha Caeté-Taperaçu evidencia, a desigualdade ambiental se relaciona com o acesso e oferta dos serviços básicos, uma vez que em áreas de maior privação socioeconômica se concentram a falta de investimento em infraestrutura de saneamento, a ausência de políticas de controle dos depósitos de lixo tóxico, a moradia de risco, entre outros fatores, concorrendo para más condições ambientais de vida e trabalho (ACSELRAD, MELLO e BEZERRA, 2009).

Dessa forma, observa-se que a realidade do território da RESEX Caeté-Taperaçu é atravessada pela desigualdade ambiental, uma vez que o município ao qual pertence não é assistido de forma satisfatória por serviços de saneamento. E isso consequentemente impacta na Unidade de Conservação. Esse contexto, por sua vez, reflete um quadro de déficit mais amplo, que assola o estado e a região amazônica como um todo[1].

As consequências geradas pela precariedade do saneamento básico levam as populações a criarem estratégias independentes, que podem gerar riscos à saúde e comprometer sua relação com a natureza. São condições estruturais que se estendem a territórios protegidos, e comprometem o objetivo primário da conservação ambiental, e atingindo de modo desigual as populações.

No contexto das Reservas Extrativistas criadas nos territórios amazônicos, Freitas (2018) aponta que os principais programas políticos voltados a esses territórios, não consideraram prioritárias as políticas públicas essenciais como educação, saúde, saneamento básico e incentivo aos sistemas de produção, dentre outras. Os três entes federativos não estabeleceram um diálogo para efetivação de projetos e/ou programas que atendessem a comunidade, e que os elementos naturais se sobrepõem a elementos sociais, em níveis de importância.

A institucionalização da Resex reconheceu o direito das populações tradicionais de habitarem seus territórios, entretanto, se voltam a esses grupos os desafios de conviver com políticas ineficientes ou mesmo, com a ausência de políticas. Reforçamos que os elementos necessários à melhor qualidade de vida devem ser aprimorados, tanto na RESEX como no município de Bragança, a fim de amparar a conservação do ambiente e dos bens comuns.

 

Referências Bibliográficas

ACSELRAD, H.; MELLO, C. C. A.; BEZERRA, G. N.. O que é Justiça Ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

FREITAS, Josimar da Silva. Conflitos entre sobrevivência familiar e conservação ambiental em Reservas Extrativistas da Amazônia. 2018. Tese (Doutorado em Ciências Socioambientais), Universidade Federal do Pará. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido. 2018

PARÁ. Plano de Saneamento Básico Integrado do Estado do Pará. Relatório do Rio Caeté (Volume XII). Belém. 2020a. Disponível em:  https://drive.google.com/file/d/1LYKUDqdnWUUfODWAflipI6QmAJipKJ4i/view

PARÁ. Plano de Saneamento Básico Integrado do Estado do Pará. Relatório do Pará (Volume I). Belém. 2020b. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/17ppJx4VUyB3-sPVZO-bc1dKnvU_iQg_V/vie

 

[1] Por exemplo, o estado do Pará tem 54,54% de sua população sem abastecimento de água e 92,97% sem esgotamento sanitário. A carência piora na área rural, onde 99% da população não possui esgotamento sanitário e 79,35% estão sem abastecimento de água (PARÁ, 2020b).

 

Blog SBS

Facebook SBS

Hoje, às 18h30, temos a sessão 02 do Colóquio SBS no 45º Encontro Anual da ANPOCS: "A Sociologia numa era de transformações digitais".Coordenação: Edna Castro (UFPA/SBS).Expositores: Rafael Grohmann (UNISINOS), Bruno Cardoso (UFRJ), Pablo Ornellas Rosa (UVV)Debate: Leopoldo Waizbort (USP)Não perca!www.youtube.com/watch?v=MWs6DI9hC7g ... See MoreSee Less
Veja no Facebook
No SBS Memória de hoje, trazemos hoje um pouco da vida e da obra de Luiz Antônio Cunha.SOBRE O PROJETO:O projeto SBS Memória, Sociólogos e Sociólogas Brasileiras, objetiva criar um acervo de “bionotas” – breve descrição bio-bibliográfica - de profissionais, que se destacam ou se destacaram na construção do campo da Sociologia no Brasil e de sua institucionalização. As bionotas pretendem celebrar a memória e a trajetória desses profissionais, protagonistas desse processo. Assim, nessa fase do projeto, estão sendo recebidas/publicadas bionotas de sociólogas/os 70 anos+.Convidamos a todos(as) a participarem do projeto, enviando propostas de bionotas para sbsmidia@gmail.com📌 Acompanhe às divulgações semanalmente!www.sbsociologia.com.br/project/luiz-antonio-cunha/⬇ Baixe o e-book "Retratos: Sociólogos e Sociólogas Brasileiras": www.sbsociologia.com.br/sbs-memoria/sbs-memoria-retratos/ ... See MoreSee Less
Veja no Facebook
Colóquio SBS: A Sociologia numa era de transformações digitais Sessão 1. Sociologia e conectividade digital 🗓️ 19/10, 18:30📺 Assista ao vivo: youtu.be/BAO8NAsh_EM ... See MoreSee Less
Veja no Facebook

Twitter SBS

PUBLICAÇÃO NOVA NO BLOG DA SBS!
Panorama SBS | Neste post, trazemos um pouco mais da série dos premiados no Sociólogos do Futuro do 20º Congresso de Sociologia. Confira o trabalho de Daphiny Carneiro Sodré Mendonça:
https://www.sbsociologia.com.br/o-trabalho-de-artistas-de-rua-em-goiania-uma-perspectiva-sociologica/

Hoje, às 18h30, temos a sessão 02 do Colóquio SBS no 45º Encontro Anual da ANPOCS: "A Sociologia numa era de transformações digitais".
Não perca!
https://www.youtube.com/watch?v=MWs6DI9hC7g

No SBS Memória de hoje, trazemos hoje um pouco da vida e da obra de Luiz Antônio Cunha.
📌 Acompanhe às divulgações semanalmente!
https://www.sbsociologia.com.br/project/luiz-antonio-cunha/
⬇ Baixe o e-book "Retratos: Sociólogos e Sociólogas Brasileiras": https://www.sbsociologia.com.br/sbs-memoria/sbs-memoria-retratos/

Logo mais, "Colóquio SBS: A Sociologia numa era de transformações digitais"
Sessão 1. Sociologia e conectividade digital

🗓️ 19/10, 18:30

📺 Assista ao vivo: https://youtu.be/BAO8NAsh_EM

Mais [+]