A ética em pesquisa com seres humanos: desafios e novas questões

Márcia Grisotti

Resumo


Nesse artigo, procura-se analisar os desafios e novas  questões origina- das na aplicação, em ciências humanas e sociais, dos dispositivos de regulação ética  na pesquisa com  seres  humanos. Em primeiro lugar, problematiza-se a universalidade do termo  ‘ética’ e suas  consequên- cias para  a pesquisa; em segundo, contextualiza-se o debate sobre  os processos sob os quais  a ciência constrói os objetos  do conhecimento e ressaltam-se os fatores  internos e externos envolvidos na produção dos fatos científicos, tanto  no momento de sua descoberta quanto no de sua justificação, aos quais  se aplicam os procedimentos éticos;  em terceiro, exploram-se, através de algumas experiências de pesquisas em ciências sociais, os limites e os impasses para  seguir  o protocolo tal  como  concebido pela  Comissão Nacional de  Ética  em  Pesquisa (Conep)

Referências


BOURDIEU, Pierre (1989), O poder simbólico. RJ: Difel

BOURDIEU, Pierre (2004), Os usos sociais da ciência. Por uma socio- logia clínica do campo científico. São Paulo: Unesp.

CALLON, Michel (1986), “Some Elements of a Sociology of Transla- tion: Domestication of the Scallops and the Fishermen of St Brieuc Bay”. In: LAW, John (org.). Power, Action and Belief: A New Sociol- ogy of Knowledge. London: Routledge & Kegan Paul, pp. 196-233.

CIHODARIU, Miriam (2012), “Narratives as instrumental research and as attempts of fixing meaning. The uses and misuses of the concept of ‘narra- tives’”. Journal of comparative research in anthropology and sociology, v. 3, n. 2, pp. 27-43.

DINIZ, Débora (2008), “Ética na pesquisa em ciências humanas – novos desafios”. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, n. 2, pp. 417-426.

FASSIN, Didier (2006), “The End of Ethnography as Collateral Damage of Ethical Regulation?” American Ethnologist , 33, 4, 522 - 24.

KOOCHER, Gerald P. et al. (2010), “How Do Researchers Respond to Per- ceived Scientific Wrongdoing? Overview, Method and Survey Results”. Na- ture 466, pp. 438-440.

KUHN Thomas S. (1970), The Structure of Scientific Revolutions. (2ª ed.). Chicago: University of Chicago Press.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve (1997), Vida de Laboratório. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

LATOUR, Bruno.; CALLON, Michel (1991), La science tellequ’elle se fait. Paris: La Découverte.

MATTEDI, Marcos A.; GRISOTTI, Marcia; SPEISS, Maiko R.; BENNERTZ, Rafael. (2009). “A coperformação das ciências e da sociedade: Entrevista com Michel Callon”. Revista Política & Sociedade, v. 8, n.14, pp. 383-408.

MERTON, Robert K. (1949), Social Theory and Social Structure. New York: The Free Press.

MOL, Annemarie; LAW, John (2002), Complexities: social studies of knowl- edge practices. Durham, North Carolina: Duke University Press.

NUNES, João Arriscado (2011), “Sobre a ética (e a política) da investigação social em saúde”. Sociologia on line, n.3, pp. 167-188.

RADLEY, Alan; BILLING, Michael (1996), “Accounts of health and illness: Dilemmas and representations”. Sociology of health and illness, vol. 18, n.2, pp. 220-240.

ROMANO, Roberto (2002), “Ética, ciência, universidade. Entrevista com Roberto Romano”. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v.6, n. 10, pp. 97-110.

WEBER, Max [1979 (1922)], Sobre a teoria das ciências sociais. Lisboa: Presença.

.................

http://dx.doi.org/10.20336/rbs.98

DOI: 10.20336/rbs.98


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index