A húbris bioética: rumo a uma polícia epistemológica?

Flavio Edler

Resumo


Este artigo propõe uma  reflexão sobre o conflito entre  o Sistema CEP/ Conep  e os pesquisadores em Ciências Humanas e Sociais (CHS), que tem  barrado o avanço das  pesquisas em nossa  área.  Para atingir esse objetivo, proponho um itinerário que parte  de uma  avaliação sobre  a organização do trabalho intelectual e a emergência dos instrumentos de regulação profissional no mundo contemporâneo. Em seguida, me aproximo dos arranjos próprios ao mundo acadêmico, com suas  ten- sões, conflitos e acomodações, alcançando, por fim, o âmago da atual controvérsia.

Referências


ABBOTT, Andrew. (2001), The chaos of disciplines. Chicago: Univer- sity of Chicago Press.

__________. (1988), The system of professions. An essay on the division of expert labor. Chicago: The University of Chicago Press, 1988.

ACORDÃO DO STF HABEAS CORPUS N. 82.424/RS http://stf.jusbra- sil.com.br/jurisprudencia/770347/habeas-corpus-hc-82424-rs

BAUMAN, Zygmunt. (2003), Modernidade Liquida. Rio de Janeiro: Ed. Zahar.

BECK, Ulrich. (1997), “A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva”. In GIDDENS, Anthony et. all. Moderniza- ção reflexiva. São Paulo: Ed. Unesp.

BURKE, Peter. (2012), História e teoria social. São Paulo, 3ªed: Ed. Unesp.

DARNTON, Robert. (1986), O grande massacre de gatos. Rio de Janeiro: Ed. Graal.

DE MASI, Domenico. (2014), O futuro chegou. Rio de Janeiro: Ed. Casa da Palavra.

DOSSE, François. (1999), A história à prova do tempo: da história em migalhas ao resgate do sentido. São Paulo: Ed. Unesp.

FREIDSON, Eliot. (2001), Professionalism, the third logic: on the practice of knowledge. Chicago: University of Chicago Press.

FREUND, Julien. (1973), Les théories des sciences humanines, Collection SUP. Paris: Presses Universitaires de France.

GREENE, Jeremy A.; PODOLSKY, Scott H. (2009), “Keeping modern in medicine: Pharmaceutical promotion and Physician education in postwar America”, Bull Hist. Med. 83, 2, pp. 331-377.

GIDDENS, Anthony. (2002), Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

HELLER, Agnes; FEHÉR, Ferenc. (1998), A condição política pós-moderna. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira.

HOCHMAN, Gilberto. (1994), “A ciência entre a comunidade e o mercado: leituras de Kuhn, Bourdieu, Latour e Knorr-Cetina”. In: PORTOCARRERO, Vera (org.). Filosofia, história e sociologia das ciências. Abordagens con- temporâneas. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

HOSSNE, William S. (2014), “O papel do Bioeticista no Brasil”. In: POR- TO, Dora et. all.(org). Bioética, saúde, pesquisa, educação. Brasília, vol. 1: CFM/SBB.

KNORR-CETINA, Karin. (1982), “Scientific communities or transepistemic arenas of research? A critique of quasi-economic models of science”. SSS, v. 12, n. 1, pp. 101-130.

KOSELLECK, Reinhart. (2006), Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

LEPETIT, Bernard. (1998), “Sobre a escala na história”. In: REVEL, Jaques (org.). Jogos de escala: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

LÖWY, Ilana. (1994), “Fleck e a historiografia recente da pesquisa biomédi- ca”. In: PORTOCARRERO, Vera (org.). Filosofia, história e sociologia das ciências. Abordagens contemporâneas. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

MARKS, Harry M. (2000), “Trust and mistrust in the marketplace: statistics and clinical research, 1945 – 1960”. History of Science, 38, pp. 343-355.

PICKERING, Andrew. (1992), Science as practice and culture. Chicago: The University of Chicago Press.

POLANYI, Michael. (1962), “The republic of science: its political and economic theory”. Minerva, 1,pp. 54-74.

RUESCHEMEYER, Dietrich. (1986), Power and the division of labour. Stanford: Stanford University Press.

SCHRAMM, Fermin Rolland. (2005), “Pesquisas em ciências sociais: aspectos epistemológicos e bioéticos”. Cadernos de Ética em Pesquisa, IV, (16), pp. 8-15.

SHAPIN, Steven. (2008), The scientific life. A mora history of a late modern vocation. Chicago: The University of Chicago Press.

TROMPETTE, Pascale; VINCK, Dominique. (2009), “Revisiting the notion of boundary object”. Revue d’Anthropologie des Connaissances, v. 3, n.1, pp. 3-25.

WEBER, Max. (1982), “Os três tipos de dominação legítima”. In: COHN, Gabriel (org.). Weber: Sociologia. São Paulo: Ed. Ática.

.................

http://dx.doi.org/10.20336/rbs.95

DOI: 10.20336/rbs.95


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index