A ética em pesquisa nas ciências humanas e o imperialismo bioético no Brasil

Luiz Fernando Dias Duarte

Resumo


A tensão desencadeada no Brasil desde 1996 pela pretensão do Conselho Nacional de Saúde de controlar a ética  em pesquisa também nas  ciências humanas e sociais, além  das  biomédicas que  lhe  incumbia acompanhar por  força  da  legislação, é mais uma  cena de combate entre  esses dois conjuntos de saberes que se opõem  desde o surgimento das  primeiras ciências “morais” ou  “do  espírito”, no  século XIX – aprofundando o confronto entre  os  saberes herdeiros do  fisicalismo iluminista e os  que emergiram no  bojo  da  reação  filosófica romântica. É útil  para a compreensão do enfrentamento atual  conhecer os fios histó- ricos  desse  processo e as estruturas ideológicas (teórico-metodológicas) que  o animam, particularmente os da  emergente e ambiciosa bioética – que  inspira diretamente as regulamenta- ções  atuais do  CNS  e o sistema CEP/Conep  de  avaliação das pesquisas “envolvendo seres  humanos”.

Referências


ARÁN, Márcia; PEIXOTO JÚNIOR, Carlos Augusto. (2007), “Vulnera- bilidade e vida nua: bioética e biopolítica na atualidade”. Revista de Saúde Pública, v. 41, n. 5, pp. 849-857.

BARBOSA, Swedenberger do N. (2009), A Bioética no Estado Brasi- leiro: situação atual e perspectivas futuras. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública. Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade de Brasília.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS, (2005), Disponível em http://unesdoc.unesco.org/ images/0014/001461/146180por.pdf. Acessado em 14/10/2014

DESCOLA, Philippe; PÁLSSON, Gísli. (1996), Nature and Society. Anthropological perspectives. Londres: Routledge.

DUARTE, Luiz Fernando D. (1993), “Os nervos e a Antropologia Mé- dica norte-americana: uma revisão crítica”. Physis. Revista de Saúde Coletiva, v. 3, n. 2, pp. 43-73.

DUARTE, Luiz Fernando D. (2004), “A Pulsão Romântica e as Ciências Humanas no Ocidente”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 19, n. 55, pp. 5-18.

DUARTE, Luiz Fernando D. (2012), “O paradoxo de Bergson: diferença e holismo na antropologia do Ocidente”. Mana. v.18, n.3, pp.

-448

DUARTE, Luiz Fernando D. (2014), “Práticas de poder, política cientí- fica e as ciências humanas e sociais: o caso da regulação da ética em pesquisa no Brasil”, História Oral, v. 17, n. 2.

GUSDORF, Georges. (1974), Introduction aux Sciences Humaines. Paris: Ophrys.

KOTTOW, Miguel. (2008), “História da ética em pesquisa com se- res humanos”. RECIIS –R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde. Rio de Janeiro, v. 2, Sup.1, pp.Sup.7-Sup.18, Dez. https://www.google.com.br/searchnewwindow=1&biw=1280&bih=586&q=hist%C3%B3ria+da+%C3%A9tica+em+pesquisa+com+seres+huma nos&oq=%C3%A9tica+%2B+pesquisa+hist%C3%B3ria&gs_l= serp.1.0.0i8i30l3.18850.23069.0.27088.17.14.0.0.0.2.758.2495.2-2j2j0j1j1.6.0....0...1c.1.53.serp..13.4.1911.lr_7WmGV7GM

LUNA, Naara. (2005), “Natureza humana criada em laboratório: biologização e genetização do parentesco nas novas tecnologias reproduti- vas”. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, v. 12, n. 2, pp. 395-417.

MALINOWSKI, Bronisław. (1961 [1922]), Argonauts of the Western Pacific. Nova York: E. P. Dutton & Co.

MINAYO, Maria Cecília S.; GUERRIERO, Iara Coelho Z. (2014), “Re- flexividade como éthos da pesquisa qualitativa”. Ciência & Saúde Co- letiva, 19(4), pp. 1103-1112

RABINOW, Paul. (1999), “Artificialidade e Iluminismo: da sociobiolo- gia à biossociabilidade”. In: RABINOW, Paul. (org.). Antropologia da Razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

RABINOW, Paul; ROSE, Nikolas. (2006), “O conceito de biopoder hoje”. Política & Trabalho. Revista de Ciências Sociais, n. 24, Abril, pp. 27-57.

ROSE, Nikolas. (2013), “Biopolítica no século XXI”. In ROSE, N. (org.). A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus.

RUSSO, Jane; PONCIANO, Edna T. (2002), “O Sujeito da Neurociên- cia - da naturalização do homem ao re-encantamento do mundo”. Physis: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, pp. 345-373.

RUSSO, Jane; VENANCIO, Ana Teresa A. (2006), “Classificando as pessoas e suas perturbações: a “revolução terminológica” do DSM III”. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. IX, pp. 460-483.

SAHLINS, Marshall. (1977), The Use and Abuse of Biology: An An- thropological Critique of Sociobiology. Ann Arbor: University of Michigan Press.

SARTI, Cynthia; DUARTE, Luiz Fernando D. (orgs.) (2013), Antropolo- gia e ética: desafios para a regulamentação. Brasília: ABA Publicações.

SCHRAG, Zachary M. (2010), Ethical imperialism: Institutional re- view boards and the social sciences, 1965–2009. Baltimore: Johns Hopkins University Press.

SHELDRAKE, Rupert. (1988), The Presence of the Past. Morphic Res- onance and the Habits of Nature. Londres: Collins

U.S. DEPARTMENT OF HEALTH & HUMAN SERVICES. (2014), Code of Federal Regulations. Human Subjects Research. § 46.102 Definitions. http://www.hhs.gov/ohrp/humansubjects/guidance/45c- fr46.html#46.110

VAN DEN HOONAARD, Will C. (2011), The seduction of ethics: Transforming the social sciences. Toronto: University of Toronto Press.

VIDAL, Fernando. (1994), “La Place de la Psychologie dans l´ordre des sciences”. Revue de Synthèse, v. IV, n. 3-4, pp. 327-53.

.................

http://dx.doi.org/10.20336/rbs.90

DOI: 10.20336/rbs.90


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index