Sociologia do Trabalho no Brasil hoje: balanço e perspectivas

Maria Aparecida Bridi, Ruy Braga, Marco Aurélio Santana

Resumo


O presente artigo  busca traçar  o panorama sobre  as principais discussões e temáticas de  in- vestigação do trabalho e da classe  trabalhadora no cenário brasileiro das últimas três  décadas, organizando-o em três partes. Na primeira, delineamos o debate em torno  da crise  do trabalho, as transformações no trabalho e suas  configurações, bem como o debate sobre  o sindicalismo e as implicações para  esse campo de investigação. Na segunda parte, destacamos os novos  temas abordados pelo campo e algumas de suas  temáticas centrais no período recente. Na última par- te, salientamos, como um de seus  desafios, a necessidade da agenda da Sociologia do Trabalho brasileira aproximar-se da  internacional no  tocante à relação entre  a crise  da  globalização, o recrudescimento da precariedade do trabalho em escala  nacional e internacional e o impacto sobre  o movimento dos trabalhadores, em especial, seus  setores mais jovens.

Referências


ABRAMO, Laís; MONTERO, Cecília. (1995), A Sociologia do Trabalho na América Latina: Paradigmas Teóricos e Paradigmas Produtivos. BIB, n. 40, pp. 65-83.

AGARWALA, Rina. (2013), Informal Labor, Formal Politics, and Dignified

Discontent in India. 1. ed. Cambridge: Cambridge University.

ALVES, Giovanni. (2000), O novo (e precário) mundo do trabalho e reestru- turação produtiva e crise do sindicalismo. 1. ed. São Paulo: Boitempo.

AMORIM, Henrique. (2009), Trabalho imaterial: Marx e o debate contempo- râneo. 1. ed. São Paulo: Annablume; Fapesp.

ANTUNES, Ricardo. (1999), Os sentidos do trabalho. 1. ed. São Paulo: Boi- tempo.

ANTUNES, Ricardo. (2006), Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. 1. ed. São Paulo: Boitempo.

ANTUNES, Ricardo. (2013), O continente do labor. 1. ed. São Paulo: Boitempo.

ANTUNES, Ricardo; BRAGA, Ruy (orgs.). (2009), Infoproletários: degrada- ção real do trabalho virtual. 1. ed. São Paulo: Boitempo.

BIAVASCHI, Magda Barros. (2013), O capitalismo contemporâneo e as novas formas de contratação da força de trabalho: a terceirização. In: KREIN, José Dari; CARDOSO Jr., José Celso; BIAVASCHI, Magda Barros; TEIXEIRA, Mari- lan O.; (org.). Regulação do trabalho e instituições públicas, vol.1. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo. pp. 127-145.

BIELER, Andreas; LINDBERG, Ingmar. (2010), Global Restructuring, La- bour and the Challenges for Transnational Solidarity. 1. ed. London: Rou- tledge.

BRAGA, Ruy. (2009), A vingança de Braverman: o infotaylorismo como con- tratempo. In: ANTUNES, Ricardo; BRAGA, Ruy (Org.). Infoproletários: de- gradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo. pp. 59-88.

BRASS, Tom. (2011), Labour Regime Change in the Twenty-First Century: Unfreedom, Capitalism and Primitive Accumulation. 1. ed. Leiden: Brill.

BRIDI, Maria Aparecida. (2009), Trabalhadores dos anos 2000. O sentido da ação coletiva na fábrica de nova geração. São Paulo: LTR.

BRIDI, Maria Aparecida; BRAUNERT, Mariana Bettega. (2017), O trabalho na indústria de software: a flexibilidade como padrão das formas de contrata- ção. Caderno CRH, n. 73, pp. 199-213.

BRIDI, Maria Aparecida; LIMA, Jacob. (2017), Flexíveis, virtuais e precários? Os trabalhadores em tecnologias de informação. Curitiba: Editora da UFPR. (no prelo).

BURAWOY, Michael Burawoy. (2010), From Polanyi to Pollyanna: the false optimism of global labor studies. Global Labour Studies, v. 1, n. 2, pp. 301-

CARDOSO, Adalberto Moreira. (2010), A construção da sociedade do traba- lho no Brasil: uma investigação sobre a persistência secular das desigualda- des. 1. ed. Rio de Janeiro: FGV.

CARDOSO, Adalberto Moreira. (1999), Sindicatos, trabalhadores e a coque- luche neoliberal: a era Vargas acabou? 1. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getú- lio Vargas.

CARDOSO, Adalberto. (2003), A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. 1. ed. São Paulo: Boitempo.

CATTANI, Antônio (Org.). (2003), A outra economia. 1. ed. Porto Alegre: Veraz.

DRUCK, Graça; BORGES, (1993), Ângela. Crise global, terceirização e a ex- clusão do mundo do trabalho. Caderno CRH, n. 19, pp. 22-45.

DRUCK, Maria da Graça. ; FRANCO, Tania. . (2009), Terceirização: a chave da precarização do trabalho no Brasil. In: NAVARRO, Vera Lúcia; PADILHA, Valquíria. (Org.). Retratos do Trabalho no Brasil, v. 1. 1. ed. Uberlândia: Edi- tora da Universidade Federal de Uberlândia - Edufu. pp. 225-254.

EVANS, Peter. (2008), Is an alternative globalization possible? Politics & So- ciety, v. 36, n. 2, pp. 311-346.

EVANS, Peter. (2010), Is it labor’s turn to globalize? Twenty-First Century opportunities and strategic responses. Global Labour Journal, v. 1, n. 3, pp.

-379.

EVANS, Peter. (2014), National movements and transnational connections: global labor’s evolving architecture under neoliberalism. Global Labour Journal, v. 5, n. 3, pp. 245-270.

GALVÃO, Andréia; TRÓPIA, Patrícia. (2014), A CSP-Conlutas em perspec- tiva. In: OLIVEIRA, Roberto Véras de; BRIDI, Maria Aparecida; FERRAZ, Marcos. O sindicalismo na era Lula: paradoxos, perspectivas e olhares. Belo Horizonte: Fino Traço. pp. 135-152.

GEIGER, Inácio. (2003), A economia solidária diante do modo de produ- ção capitalista. Caderno CRH, v. 16, n. 39, pp. 181-211. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/crh/article/view/. Acesso em 23 jun.

GORZ. Andre. (1982), Adeus ao proletariado. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense

Universitária.

GUIMARÃES, Nadia Araújo; HIRATA, Helena; SUGITA, Kurumi. (2011), “Cuidado e cuidadoras: o trabalho de care no Brasil”. Sociologia & Antropo- logia, n. 1, pp. 151-80.

GUIMARÃES, Nadya Araújo. (2006), Caminhos cruzados: estratégias de em- presas e trajetórias de trabalhadores. 1. ed. São Paulo: Editora 34.

GUIMARÃES, Nadya Araújo; HIRATA, Helena; SUGITA, Kurumi. (2009), Trabalho flexível, empregos precários: uma comparação Brasil, França, Ja- pão. 1. ed. São Paulo: Unesp.

HABERMAS, Jürgen. (1987), A nova intransparência; a crise do Estado de Bem Estar Social e o esgotamento das energias utópicas. Novos Estudos CE- BRAP, n. 18, pp. 103-114.

HARVEY, David. (1993), Condição pós-moderna. 1. ed. São Paulo: Loyola. HIRATA, Helena. (2009), A precarização e a divisão internacional e sexual

do trabalho. Sociologias, n. 21, pp. 239-261.

IANNI, Otávio. (1994), O Mundo do Trabalho. Revista Perspectiva, v. 8, n. l, pp. 33-54.

KREIN, Dari. (2001), O Aprofundamento da flexibilização das relações de tra- balho no Brasil nos anos 90. Dissertação de Mestrado. Campinas: UNICAMP.

KREIN, Dari. (2013a), As formas de contratação flexível no Brasil. In: KREIN, Dari. As relações de trabalho na era do neoliberalismo no Brasil. São Paulo: LTr.

KREIN, Dari. (2013b), O mercado de trabalho e o padrão de regulação do trabalho no Brasil. In: KREIN, Dari.livro. As relações de trabalho na era do neoliberalismo no Brasil. São Paulo: LTr.

KUMAR, Krishan. (1997), Da sociedade pós-industrial à pós-moderna: novas teorias sobre o mundo contemporâneo. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar.

LEITE, Marcia de Paula. (1994), O futuro do trabalho: novas tecnologias e subjetividade operária. 1. ed. São Paulo: Scritta.

LEITE, Márcia de Paula. (2003), Trabalho e sociedade em transformação: mu- danças produtivas e atores sociais. 1. ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

LEITE, Marcia de Paula; ARAÚJO, Angela. (2009), O trabalho reconfigurado:

ensaios sobre Brasil e México. 1. ed. São Paulo: Annablume; Fapesp.

LIMA, Jacob Carlos (org.). (2009), Ligações perigosas: trabalho flexível e tra- balho associado. 1. ed. São Paulo: Annablume.

LIMA, Jacob Carlos. (2004), As artimanhas da flexibilização: o trabalho ter- ceirizado em cooperativas de produção. 1. ed. São Paulo: Terceira Margem.

LIMA, Jacob. (2007), O trabalho em cooperativas. Dilemas e perspectivas. In: DRUCK, Graça; FRANCO, Tania. A perda da razão social do trabalho: tercei- rização e precarização. São Paulo: Boitempo. pp. 45-71.

LINDEN, Marcel van der. (2016), Global Labour: A Not-so-grand Finale and

Perhaps a New Beginning. Global Labour Journal, v. 7, n. 2, pp. 201-210.

MARCELINO, Paula Regina Pereira. (2008), Terceirização e Ação Sindical: A singularidade da reestruturação do capital no Brasil. Tese de Doutorado. Campinas: UNICAMP.

MAZZEI, Cláudia. (2009), As trabalhadoras do telemarketing: uma nova di- visão sexual do trabalho. In: ANTUNES, Ricardo; BRAGA, Ruy. (org.). Info- proletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo. pp.

-156.

MIGUEZ, Pablo. (2017), O trabalho e as novas tecnologias: uma abordagem do trabalho informático segundo as teses do Capitalismo Cognitivo. In: BRIDI, Maria Aparecida; LIMA, Jacob (Org.). Flexíveis, virtuais e precá- rios? Os trabalhadores em tecnologias de informação. Curitiba: Editora da UFPR. (no prelo).

MOTTA, Denise; RODRIGUES, Iram Jacomé; CONCEIÇÃO, Jefferson José da. (org.). (2009), Terceirização no Brasil: Do discurso da inovação à preca- rização do trabalho (atualização do debate e perspectivas). 1. ed. São Paulo: Annablume; CUT.

NOWAK, Jörg; GALLAS, Alexander. (2014), Mass Srikes against austerity in

Western Europe: a strategic assessment. Global Labour Journal, v. 5, n. 3, pp.

-216.

OFFE, Claus. (1986), O capitalismo desorganizado. 1. ed. São Paulo: Brasi- liense.

OLIVEIRA, Francisco. (2005), Quem canta de novo L’Internationale? In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Trabalhar o mundo: os caminhos do novo internacionalismo operário. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. pp.

-268.

OLIVEIRA, Roberto Véras de; BRIDI, Maria Aparecida; FERRAZ, Marcos. (2014), O sindicalismo na era Lula: paradoxos, perspectivas e olhares. 1. ed. Belo Horizonte: Fino Traço.

OLIVEIRA, Roberto Véras de; GOMES, Darcilene; TARGINO, Ivan. (2011), Marchas e Contramarchas da Informalidade do Trabalho. 1. ed. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB.

OLIVEIRA, Roberto Véras de; RAMALHO, José Ricardo. (2013), A atualidade do debate sobre trabalho e desenvolvimento. Caderno CRH, v. 26, n. 68, pp.

-102.

OLIVEIRA, Roberto Véras de; SANTANA, Marco Aurélio. (2013), Trabalho em territórios produtivos reconfigurados no Brasil. 1. ed. João Pessoa: Editora da UFPB.

PERALVA, Angelina; TELLES, Vera da Silva. (2015), Ilegalismos na globali- zação. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora da URFJ.

PIRES, Aline Soares. (2016), As fábricas recuperadas no Brasil. O desafio da autogestão. 1. ed. São Carlos: EDUFCar.

RODRIGUES, Iram. (1999), O novo sindicalismo: vinte anos depois. 1. ed. Petrópolis: Vozes.

RODRIGUES, Leôncio. (1999), Destino do sindicalismo. 1. ed. São Paulo: Edusp.

SALERNO, Mario S. (1991), Flexibilidade, organização e trabalho operatório: elementos para análise da produção na indústria. Tese de Doutorado em Enge- nharia de Produção. São Paulo: Escola Politécnica-Universidade de São Paulo.

SANTANA, Marco Aurélio; RAMALHO, José Ricardo. (Org.). (2003), Além da fábrica: trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. 1. ed. São Paulo: Boitempo.

SEGNINI, Liliana. (2009), Políticas públicas e mercado de trabalho no cam- po da cultura. In: LEITE, Márcia; ARAÚJO, Ângela (org.). O trabalho reconfi- gurado. São Paulo: Annablume.

SEOANE, José; TADDEI, Emilio. (2002), From Seattle to Porto Alegre: The Anti-Neoliberal Globalization Movement. Current Sociology, v. 50, n. 1, pp. 345-358.

STANDING, Guy. (2014), A Precariat Charter: From Denizens to Citizens. 1. ed. London: Bloomsbury.

TOURAINE, Alain. (1998), Crítica da modernidade. Petrópolis: Vozes. WRIGHT, Erik Olin. (2015), Understanding Class. 1. ed. New York: Verso.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index