Governo, gestão de populações e subjetividades: balanço e perspectivas analíticas

Edson Miagusko, Fabiana A. A. Jardim, Mariana Côrtes

Resumo


Apresentamos um  balanço do debate acadêmico sobre  governo  das  populações nas  periferias. Nacionalmente, argumentamos com  base  nas  apostas analíticas e políticas: a promessa de in- tegração das  populações marginais pela  mediação dos direitos sociais  dos 1980;  o desmanche neoliberal e o fim da hipótese superadora dos 1990; nos 2000, a compreensão de que a governa- mentalidade neoliberal opera  pela  multiplicação de regimes de governos. Internacionalmente, exploramos três  eixos  teórico-conceituais: a teoria  da  marginalidade; o conceito de  governa- mentalidade e as antropologias do Estado.  Destacamos, nos avanços, a atenção à complexidade de configurações históricas e a superação de fronteiras disciplinares rígidas, o que  permite re- compor perspectivas menos particulares e a constituição de novas  ferramentas de análise para pensar a experiência brasileira.


Referências


ABRAMO, Laís. (1999), O resgate da dignidade: greve metalúrgica e subjeti- vidade operária. 1. ed. Campinas: Ed. UNICAMP.

ALMEIDA, Ronaldo de. (2004), Religião na Metrópole Paulista. Revista Bra- sileira de Ciências Sociais, v. 19, n. 56, pp. 15-27.

ALMEIDA, Ronaldo de. (2009), A igreja Universal e seus demônios. 1. ed. São

Paulo: Terceiro Nome.

ARANTES, Paulo E. (2000). “Esquerda e direita no espelho das ONGs”. Ca- dernos Abong, n. 27, pp.3-27.

BHABHA, Homi K. (2000), O local da cultura.1. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

BIONDI, Karina. (2010), Junto e misturado: Uma etnografia do PCC. 1. ed. São Paulo: Terceiro Nome.

BIRMAN, Patricia; LEITE, Márcia P.; MACHADO, Carly; SÁ CARNEIRO, Sandra de. (eds.). (2015), Dispositivos urbanos e trama dos viventes: ordens e resistências. São Paulo: FGV.

BRANT, Vinícius C. (1980), “Da resistência aos movimentos sociais: a emergência das classes populares em São Paulo”. In: BRANT, Vinícius C.; SINGER, Paul. São Paulo: o povo em movimento. Petrópolis: Vozes/CEBRAP. pp.9-28.

CARDOSO, Fernando H. (1971), “Comentários sobre os conceitos de super- população relativa e marginalidade”. In: CARDOSO, Fernando Henrique et al. Sobre teoria e método em sociologia. São Paulo: Edições Cebrap. pp. 99-

CASTEL, Robert. (1998), As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. 1. ed. Petrópolis: Vozes.

CHATERJEE, Partha. (2004), Colonialismo, modernidade e política. 1. ed. Salvador: EDUFBA/CEAO.

CHATERJEE, Partha. (2008), La nación en tiempo heterogéneo y otros estu- dios subalternos. 1. ed. Buenos Aires: Siglo XXI Editores.

CÔRTES, Mariana. (2007), O bandido que virou pregador. 1. ed. São Paulo: Hucitec.

CÔRTES, Mariana. (2017), Diabo e fluoxetina: pentecostalismo e psiquiatria na gestão da diferença. 1. ed. Curitiba: Appris.

DAGNINO, Evelina (org.). (2002), Sociedade civil e espaços públicos no Bra- sil. 1. ed. São Paulo: Paz e Terra.

DAGNINO, Evelina. (1994), “Os movimentos sociais e a emergência de uma nova noção de cidadania”. In: DAGNINO, Evelina (org.). Anos 90: Sociedade e política no Brasil. São Paulo: Brasiliense. pp. 103-115.

DAS, Veena; POOLE, Deborah. (2004), Anthropology in the margins of the State. 1. ed. Santa Fé, Oxford: School of American Research Press/ James Currey.

DELFINO, Andrea. (2012), “La noción de marginalidade em la teoría social latinoamericana: surgimiento y actualidad”. Universitas Humanística, n. 74, pp. 18-34.

DIAS, Camila Caldeira Nunes. (2011), “Estado e PCC tecendo as tramas do poder arbitrário nas prisões”. Tempo Social (USP. Impresso), v. 23, pp. 213-

DURHAM, Eunice. (1973), A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. 1. ed. SãoPaulo: Editora Perspectiva.

FASSIN, Didier et al. (2013), Juger, Réprimer, Accompagner: essai sur la mo- rale de l’État. 1. ed. Paris: Éditions du Seuil.

FASSIN, Didier. (2011), La force de l’ordre: une anthropologie de la police des quartiers. 1. ed. Paris: Editions du Seuil.

FELTRAN, Gabriel. (2010). “Crime e castigo na cidade: os repertórios da jus- tiça e a questão do homicídio nas periferias de São Paulo”. Caderno CRH (UFBA. Impresso), v. 23, n. 58, pp. 59-73.

FELTRAN, Gabriel. (2014), “Valor dos pobres: A aposta no dinheiro como mediação para o conflito social contemporâneo”. Caderno CRH (UFBA. Im- presso), v. 27, n. 72, pp. 495-512.

FELTRAN, Gabriel. (2015), “Conflito urbano e gramáticas de mediação”. Re- vista Margem Esquerda: Cidades em conflito; Conflitos nas cidades, pp. 13-16.

FERNANDES, Adriana. (2013), Escuta ocupação: Arte do contornamento, viração e precariedade, Tese de Doutorado em Ciências Sociais. Rio de Ja- neiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

FERNANDES, Florestan. (2006), A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. Globo.

FOUCAULT, Michel. (1999a), Em defesa da sociedade (Curso no Collège de

France, 1975-1976). 1. ed. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (1999b), História da Sexualidade, vol. 1. A vontade de saber. 1. ed. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, Michel. (2000) “O que é a crítica? (Crítica e Aufklärung). Cader- nos da F.F.C., v. 9, n. 1, pp. 169-189.

FOUCAULT, Michel. (2006). “‘Omnes et Singulatim’: uma crítica da razão política”. In: FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos IV. Estratégia, Poder, Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária. pp.355-385.

FOUCAULT, Michel. (2008a), Segurança, Território, População (Curso no

Collège de France, 1977-1978). 1. ed. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (2008b), Nascimento da biopolítica. (Curso no Collège de France, 1978-1979). 1. ed. São Paulo: Martins Fontes.

GORDON, Colin; JARDIM, Fabiana A. A. (2013), “Breve genealogia dos estu- dos da governamentalidade: o efeito Foucault e seus desdobramentos. Uma entrevista com Colin Gordon”. Educação e Pesquisa, v. 39, n. 4, pp. 1067-

HILGERS, Mathieu. (2010), Three anthropological approaches to neolibera- lism. International Social Science Journal, v. 61, issue 202, pp. 351-363.

HIRATA, Daniel. (2010), Sobreviver na adversidade: entre o mercado e a vida. Tese de Doutorado em Sociologia. São Paulo: Universidade de São Paulo.

JACOBI, Pedro. (1987), “Movimentos sociais urbanos no Brasil: reflexão so- bre a literatura dos anos 70 e 80”. Revista BIB, n. 23, pp. 18-34.

KOWARICK, Lucio (org.). (1978), Cidade: usos e abusos. 1. ed. São Paulo: Brasiliense.

KOWARICK, Lúcio. (1975), Capitalismo e marginalidade na América Latina.

ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

LEITE, Márcia. (2015), De territórios da pobreza a territórios de negócios: dispositivos de gestão das favelas em contextos de “pacificação”. In: BIR- MAN, Patrícia.; LEITE, Márcia P.; MACHADO, Carly.; SÁ CARNEIRO, San- dra. (org.). Dispositivos urbanos e trama dos viventes: Ordens e resistências. Rio de Janeiro: Editora FGV. pp. 377-401.

MACHADO DA SILVA, Luiz A. (2006), “Da informalidade à empregabilidade (reorganizando a dominação no mundo do trabalho)”. Caderno CRH, v. 15, n. 37, pp. 81-109.

MACHADO DA SILVA, Luiz A. (2015a), Apresentação. In: BIRMAN, Patrícia; LEITE, Márcia; MACHADO, Carly.;SÁ CARNEIRO, Sandra. (eds.). Disposi- tivos urbanos e trama dos viventes: Ordens e resistências. Rio de Janeiro: Editora FGV. pp. 7-13.

MACHADO DA SILVA, Luiz A. (2015b).“A experiência da UPPs: Uma toma- da de posição”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v.

, n. 1, pp. 7 -24.

MACHADO, Carly Barbosa. (2014), Pentecostalismo e o sofrimento do (ex-) bandido: Testemunhos, mediações, modos de subjetivação e projetos de cida- dania nas periferias”. Horizontes Antropológicos, ano 20, n. 42, pp. 153-180.

MAFRA, Clara. (2011), “O problema da formação do “cinturão pentecostal”

em uma metrópole da América do Sul”. Revista Interseções, v. 13, n. 1, pp.

-153.

MARTINS, José de Souza. (1994), O poder do atraso: Ensaios de sociologia da história lenta. 1 ed. São Paulo: Hucitec.

MBEMBE, Achille. (2016), “Necropolítica”. Arte & Ensaio, n. 32, pp. 123-151. MIAGUSKO, Edson. (2016), Esperando a UPP: Circulação, violência e mer-

cado político na Baixada Fluminense. Revista Brasileira de Ciências Sociais

(Impresso), v. 31, pp. 1-15.

NUN, José. (1978), Superpopulação relativa, exército industrial de reserva e massa marginal. In: PEREIRA, Luiz. (org.). Populações “marginais”. São Paulo: Duas Cidades. pp. 73-141.

OLIVEIRA, Francisco de. (1982), O Estado e o urbano no Brasil. Espaço e Debates, v. 2, n. 6, pp. 36-54.

OLIVEIRA, Francisco de. (1998), “Entre a terra e o céu: mensurando a uto- pia?”. In: Seminário Cidadania, pobreza e exclusão social, 1998, Petrópolis. Anais... Mimeo.

OLIVEIRA, Francisco de. (2003), Crítica da razão dualista/O ornitorrinco. 1. ed. São Paulo: Boitempo Editorial.

OLIVEN, Ruben G. (2010), Marginalidade urbana na América Latina: as- pectos econômicos, políticos e culturais. In: OLIVEN, Ruben G. Urbani- zação e mudança social no Brasil. Rio de Janeiro: Centro Edelsteinm. pp.

-51.

PAOLI, M. C. (1978). A marginalidade no capitalismo dependente: um pro- blema deslocado. In: HOGAN, D. et al. Cidade usos e abusos. São Paulo: Brasiliense.

PAOLI, Maria Célia. (1987) “Os trabalhadores urbanos na fala dos outros: tempo, espaço e classe na história operária brasileira.” In: LOPES, José Leite (coord.). Cultura e identidade operária. Rio de Janeiro: UFRJ/Museu Nacio- nal/Marco Zero.

PAOLI, Maria Célia; SADER, Eder; TELLES, Vera da S. (1983), “Pensando a classe operária: os trabalhadores sujeitos ao imaginário acadêmico”. Revista Brasileira de História, n. 6, pp. 129-149.

PERLMAN, Janice. (1977), O mito da marginalidade: favelas e políticas no

Rio de Janeiro. 3 ed. São Paulo: Paz e Terra.

PRECIADO, Paul B. (2008), Testo Yonqui. 1. ed. Madrid: Espasa.

QUIJANO, Aníbal. (1978), “Notas sobre o conceito de marginalidade social”. In: PEREIRA, Luiz (org.). Populações “marginais”. São Paulo: Duas Cidades. pp. 11-71.

RANCIÈRE, Jacques. (2015).O ódioà democracia. 1.ª ed. São Paulo: Boi- tempo.

RIZEK, Cibele; PAOLI, Maria Célia. (2007), “Depois do desmanche”. In: OLI- VEIRA, Francisco de; RIZEK, Cibele. A era da indeterminação. 1 ed. São Paulo: Boitempo. pp. 7-11.

RUI, Taniele (2014). “Usos da “Luz” e da “cracolândia”: etnografia de práti- cas espaciais”. Saúde e Sociedade, v. 23, n. 1, pp. 91-104.

SADER, Eder. (1998), Quando novos personagens entraram em cena. 1. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

SINGER, Paul. (1980), “Movimentos de bairro”. In: BRANT, Vinícius C.; SINGER, Paul (org.). São Paulo: o povo em movimento. Petrópolis: Vozes/ CEBRAP. pp. 97-101.

TEIXEIRA, César. (2015), “Saindo do crime”: igrejas pentecostais, ONGs e os significados da “ressocialização”. In: BIRMAN, Patrícia; LEITE, Márcia P.; MACHADO, Carly.;SÁ CARNEIRO, Sandra (eds.). Dispositivos urbanos e trama dos viventes: Ordens e resistências. Rio de Janeiro: Editora FGV. pp. 121-139.

TELLES, Vera da Silva. (2010), A cidade entre as fronteiras do legal e do ilegal. 1. ed. Belo Horizonte: Argvmentvm.

VITAL, Christina. (2015), Oração de traficante: Uma etnografia. 1. ed. Rio de

Janeiro: Garamond.

WACQUANT, Loïc. (2001), Os condenados da cidade: estudo da marginali- dade avançada. 1. ed. Rio de Janeiro: Revan/Fase.

WACQUANT, Loïc. (2012), Três etapas para uma antropologia histórica do neoliberalismo realmente existente. Cadernos CRH, v. 25, n. 66, pp. 505-518.

ZALUAR, Alba. (1982), As mulheres e a direção do consumo doméstico: estudo de papéis familiares nas classes populares urbanas. In: ALMEIDA, Maria Suely et al. (org.). Colcha de Retalhos. São Paulo: Brasiliense.

ZALUAR, Alba. (1985), A máquina e a revolta: As organizações populares e o significado da pobreza. 1. ed. São Paulo: Brasiliense.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index