Fronteiras e deslocamentos

Eric Gustavo Cardin, José Lindomar Coelho Albuquerque

Resumo


O objetivo  do artigo é primeiramente contextualizar e sistematizar algumas referências relevan- tes da tradição dos  estudos de fronteira nas  ciências sociais. Além  disso,  procuramos refletir sobre  a singularidade das  regiões  de fronteira em termos de lugares, fluxos,  controles e repre- sentações. Por último, apresentamos alguns deslocamentos da agenda de pesquisa em frontei- ras, apontando para a importância de pensar a fronteira como conceito sociológico em profunda articulação com outras áreas  de conhecimento.

Referências


AMANTE, Maria de Fátima. (2014), “Das fronteiras como espaço de constru- ção e contestação identitária às questões da segurança”. Etnográfica, v. 18, n. 2, pp. 415-424.

ANCEL, Jaques. (1938), Géographie des Frontières. 1. ed. Paris: Gallimard. APPADURAI, Arjun. (1997), “Soberania sem territorialidade. Notas para uma

geografia pós-nacional”. Revista Novos Estudos-CEBRAP, n. 49, pp. 33-46.

ARRUTI, José Maurício (1997), “A emergência dos ‘remanescentes’: notas para o diálogo entre indígenas e quilombolas”. Mana, v. 3, n. 2, pp.7-38.

BARTH, Friedrik. (org.). (1976 [1969]), Los grupos étnicos y sus fronteras. 1. ed. México: Fondo de Cultura Económica.

BECK, Ulrich. (2004), Poder y contrapoder en la era global. La nueva econo- mía política mundial. 1. ed. Barcelona: Paidós.

BRASIL. Ministério da Justiça. (2015), Pesquisa ENAFRON: diagnóstico so- bre tráfico de pessoas nas áreas de fronteira. Brasília: Secretaria Nacional de Justiça. Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e International Centre for Migration Policy Development (ICMPD). Disponível em: http://bibspi.planejamento.gov.br/handle/iditem/320. Acesso em 15 jun.

BRASIL. Ministério da Justiça. (2016), Mapeamento das políticas públicas fe- derais na faixa de fronteira: interfaces com o plano estratégico de fronteiras e a estratégia nacional de segurança pública nas fronteiras. Brasília: Secretaria Na- cional de Segurança Pública. Disponível em: http://www.justica.gov.br/sua-se- guranca/seguranca-publica/analise-e-pesquisa/download/outras_publicacoes/ pagina-3/mapeamento-das-politicas-federais-na-ff.pdf. Acesso em 15 jun. 2017.

CAIRO, Heriberto; GODINHO, Paula; PEREIRO, Xerardo (coord.). (2009), Portugal e Espanha: discursos de centro e práticas de fronteira. 1 ed. Lisboa: Colibri.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. (1964), O índio e o mundo dos bran- cos. 1. ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto; BAINES, Stephen G. (org.). (2005), Na- cionalidade e etnicidade em fronteiras. 1. ed. Brasília: Editora UnB.

CONNELL, Raewyn. (2012), “A iminente revolução na teoria social”. Revista

Brasileira de Ciências Sociais, v. 27, n. 8, pp. 9-20.

DAS, Veena; POOLE, Deborah. (2008), “El Estado y sus márgenes”. Cuader- nos de Antropología Social, n. 27, pp. 19-52.

ELIAS, Norbert. (1993), O Processo Civilizador: a formação do Estado e a civilização, Vol. II. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

FREYRE, Gilberto. (2001[1947]), Interpretação do Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras.

GARCIA, Eusebio Medina. (2006), “Aportaciones para una epistemología de los estudios sobre fronteras internacionales”, Estudios fronterizos, v. 7, n. 13, pp. 9-27.

GONZÁLEZ, Keina Espiñeira. (2015), Paisajes migrantes en la frontera esti- rada. La condición postcolonial de la frontera hispano-marroquí. Tesis doc- toral. Madrid: Universidad Complutense de Madrid, Facultad de Ciencias Políticas y Sociología, Departamento de Ciencia Política y Administración II.

GRIMSOM, Alejandro. (2003), La nación en sus límites. Contrabandistas y exiliados en la frontera Argentina-Brasil. 1. ed. Barcelona: Gedisa.

GRIMSON, Alejandro. (comp.). (2000), Fronteiras, naciones e identidades: la periferia como centro. 1. ed. Buenos Aires: La Crujía.

HAESBAERT, Rogério. (2011), O mito da desterritorialização. Do fim dos ter- ritórios à multiterritorialidade. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil.

HIRATA, Daniel. (2015), “Segurança pública e fronteiras: apontamentos a partir do ´Arco Norte´”. Ciência e Cultura, v. 67, n. 2, pp. 30-34.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. (1957), Caminhos e fronteiras. 1. ed. Rio de

Janeiro: José Olympio.

LEFEBVRE, Henri. (2000), La production de l´espace. 4. ed. Paris: Editions Anthropos.

LEITE, Elaine da Silveira. (2017), “Entre tributação e consumo: os agentes da fiscalidade na fronteira Brasil-Uruguai”. In: XVIII CONGRESSO BRASILEI- RO DE SOCIOLOGIA, 2017, Brasília. Anais... Online. Disponível em: http:// sbs2017.com.br/anais/resumos/PDF-eposter-trab-aceito-0636-2.pdf. Acesso em 23 jul. 2017.

LOIS, María. (2017), “As fronteiras estatais em um mundo globalizado”. In: Palestra Quartas Sociais, Universidade Federal de São Paulo, 24 de maio de 2017.

LOIS, María; CAIRO, Heriberto. (2011), “Desfronteirización y refronteiriza- ción en la Península Ibérica”. Geopolítica (s). Revista sobre estudios de espa- cio e poder, v. 2, n. 1, pp. 11-22.

MARTES, Ana Cristina Braga; FLEISCHER, Soraya. (orgs.). (2003), Fronteiras cruzadas: etnicidade, gênero e redes sociais. 1. ed. São Paulo, Paz e Terra.

MARTINS, José de Souza. (1997), Fronteira: a degradação do outro nos con- fins do humano. 1. ed. São Paulo: Hucitec.

MARTINS, Maria Helena (org.) (2002), Fronteiras Culturais. Brasil-Uruguai-

-Argentina. 1 ed. São Paulo: Ateliê Editorial/Prefeitura de Porto Alegre/Cen- tro de Estudos de Literatura e Psicanálise Cyro Martins.

MASSEY, Doreen. (2000), “O sentido global do lugar”. In: ARANTES, Anto- nio. O espaço da diferença. Campinas: Papirus. pp. 177-185.

MIGNOLO, Walter. (2003), Historias locales/disenos globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. 1. ed. Madrid: Akal.

MONTENEGRO, Silvia; GIMÉNEZ BELIVEAU, Verónica. (2006), La Triple Frontera: Globalización y construcción social del espacio. 1 ed. Buenos Ai- res: Miño y Dávila Editores.

MOOG, Viana. (1981 [1955]), Bandeirantes e pioneiros. 13. ed. Rio de Janei- ro: Civilização Brasileira.

OLIVAR, José Miguel. (2015), “Performatividades governamentais de fron- teira: a produção do Estado e da fronteira por meio de políticas de tráfico de pessoas na Amazônia brasileira”. Revista Ambivalências, v. 3, n. 5, pp.149-

OLIVEIRA, João Pacheco de. (2016), “A conquista do vale amazônico. Fron- teira, mercado internacional e modalidades de trabalho compulsório”. In: OLIVEIRA, João Pacheco de. O Nascimento do Brasil e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contra capa. pp. 117-160.

PAIVA, Luiz Fábio. (2016), “As dinâmicas do monopólio da violência e do controle em um território transfronteiriço e amazônico”. Revista Tempo da Ciência, v. 23, pp. 56-75.

RABOSSI, Fernando. (2009), En las calles de Ciudad del Este: una etnografía del comercio de frontera. 1 ed. Asunción: Centro de Estudios Antropológicos de la Universidad Católica/Biblioteca Paraguaya de Antropología, vol. 68.

RAFFESTIN, Claude. (1993), Por uma Geografia do Poder. 1. ed. São Pau- lo: Ática.

RATZEL, Friedrich. (1987[1897]), La Géographie Politique. 2. ed. Paris: Fayard. RIBEIRO, Darcy. (1977), Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. 1. ed. Petrópolis: Vozes.

RICARDO, Cassiano. (1940), Marcha Para Oeste: a influência da bandeira na formação social política do Brasil. 1. ed. Rio de Janeiro: José Olympio.

SAHLINS, Peter. (1989), Boundaries: the making of France and Spain in the

Pyrenees. 1. ed. United States of America: University of California Press.

SERJE, Margarita. (2011), El revés de la nación: territorios salvajes, fronteras y tierras de nadie. 1 ed. Colombia: Universidad de los Andes.

SEYFERTH, Giralda. (2000), “As identidades dos imigrantes e o melting pot

nacional”, Horizontes Antropológicos, ano 6, n. 14, pp. 143-176.

SILVA, Sidney Antônio da. (org.). (2012), Migrações na Pan-Amazônia: fluxos, fronteiras e processos socioculturais. 1. ed. São Paulo: Hucitec; Manaus: Fepeam.

SIMMEL, Georg. (2013), “Sociologia do espaço”. Estudos Avançados, v. 27, n. 79, pp. 75-112.

TELLES, Vera da Silva. (2010), A cidade nas fronteiras do legal e ilegal. 1. ed. Belo Horizonte: Argvmentvm.

TURNER, Frederick Jackson. (2001 [1893]), “O significado da fronteira na história americana”. In: KNAUSS, Paulo (org). Oeste Americano: quatro en- saios de história dos Estados Unidos da América de Frederick Jackson Tur- ner. 1. ed. Niterói: Ed UFF. pp. 23-54.

VELHO, Octávio. (2009 [1979]), Capitalismo autoritário e campesinato: um estudo comparativo a partir da fronteira em movimento. 1. ed. Rio de Janei- ro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

VILA, Pablo. (2000), Crossing borders, reinforcing borders. 1. ed. USA: Uni- versity of Texas Press.

WEBER, Max. (2013), “A política como vocação”. In: WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. 20. ed. São Paulo: Cultrix. pp. 55-124.

WEBER, Max. (2003), “O estado nacional e a política econômica”. In: COHN, Gabriel. (org.). Weber. 1. ed. São Paulo: Ática (Coleção grandes cientistas sociais). pp. 58-78.

WEBER, Max. (2004), Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva, vol. 2. 2. ed. Brasília: Editora UnB.

WILSON, Thomas M.; DONNAN, Hastings. (1998), “Nation, state and iden- tity at international borders”. In: WILSON, Thomas M.; DONNAN, Hastings. (ed.). Border Identities: Nation and State at International Frontiers. Cam- bridge: Cambridge University Press. pp. 1-30.

WIMMER, Andreas; SCHILLER, Nina. (2002), “Methodological nationalism and beyond: nation-state building, migration and social sciences”. Global networks, v. 2, n. 4, pp. 301-334.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index