O tema das migrações internacionais na Sociologia no Brasil

Leonardo Cavalcanti, Márcio de Oliveira

Resumo


Este artigo  discute o fenômeno das  migrações internacionais no  Brasil  a partir de  uma  pers- pectiva sócio-histórica e sua  relação com  a sociologia no país.  Para  isso,  dividimos o presente trabalho em  duas  grandes partes.Na primeira dela,  retornamos à origem  da  própria história da sociologia no Brasil.  Mostramos como  o subcampo da sociologia da imigração teve  grande importância nos  debates nacionais e entre  os principais cientistas sociais  do século XX, tais como Florestan Fernandes, Eunice Durham, Ruth  Cardoso  ou Octavio Ianni. Na segunda parte, mostramos como  o tema  voltou ao primeiro plano do  cenário nacional com  a emigração de brasileiros para  o exterior e com  a chegada, nos  últimos anos,  de imigrantes do sul  global.  O texto  termina apresentando os desafios do subcampo para  a sociologia no Brasil na atualidade.

Referências


ARMUS, Daniel. (1986), Diez anos de historiografía sobre la inmigración masi- va a la Argentina. Estudios Migratorios Latinoamericanos, n. 2, v. 4, pp. 341-460.

ASSIS, Gláucia de O. (2003), De Criciúma para o mundo: gênero, família e migração. Campos- Revista de Antropologia Social, n. 3, pp.31-50.

ASSIS, Gláucia de O. et al. (2016), Haitianos em Santa Catarina: trabalho, in- clusão social e acolhimento. In: BAENINGER, Rosana et al. (org.). Imigração haitiana no Brasil. Jundiaí: Paco Editorial. pp. 505-524

AVILA, Fernando B. de (1956), L´immigration au Brésil. Rio de Janeiro: Li- vraria Agir Editora.

BAENINGER, Rosana. (2012), Imigração Boliviana no Brasil. Campinas: Nú- cleo de Estudos de População-Nepo/Unicamp; Fapesp; CNPq; Unfpa.

BALHANA, Altiva P.; BORUSZENKO, Oksana. (1963), “Alguns problemas de aculturação nos Campos Gerais”. Revista do Museu Paulista, v. XIV, pp.

-331.

BEIGUELMAN, Paula. (1981), A crise do escravismo e a grande imigração. São Paulo: Brasiliense.

BESERRA, Bernadete. (2005), “From Brazilians to Latinos? Racialization and Latinidad in the Making of Brazilian Carnival in Los Angeles.” Latino Stu- dies 3, n. 1, pp. 53-75.

BICALHO, José V. (1989), “Yes, Eu Sou Brazuca”. Governador Valadares, MG: Funsec.

BLANCO, Alejandro; JACKSON, Luís C. (2014), Sociologia no espelho. En- saístas, cientistas sociais e críticos literários no Brasil e na Argentina (1930-

. São Paulo: Editora 34.

BÓGUS, Lúcia M. M. (1995), “Brasileiros em Portugal: Novos Movimentos

Migratórios ou Volta às Origens?”Travessia – Revista do Migrante, pp. 16-19.

BOTEGA, Tuíla; CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Antônio Tadeu (org.). (2015), Migrações Internacionais de Retorno no Brasil. Brasília: Relatório. Observatório das Migrações Internacionais (OBMigra).

BOURDIEU, Pierre. (1997), Compreender a miséria do mundo. Petrópolis: Vozes.

BRASIL Jr., Antônio. (2010), “O imigrante e seus irmãos: as pesquisas empíricas de Florestan Fernandes e Gino Germani”. Revista Lua Nova, n. 81, pp. 175-213.

CARDOSO, Fernando H. (1962), Capitalismo e escravidão no Brasil meri- dional. O negro na sociedade escravocrata do Rio Grande do Sul. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

CARDOSO, Ruth C. L. (1959), “O papel das associações juvenis na acultura- ção dos japoneses”. Revista de Antropologia, v. 7, n. 1-2, pp. 101-122.

CARDOSO, Ruth C. L. (1963), “O agricultor e o profissional liberal entre os

Japoneses no Brasil”. Revista de Antropologia, v. 11, n. 1-2, pp. 53-60.

CARNEIRO, José F. (1950), Imigração e colonização. Rio de Janeiro: Faculda- de Nacional de Filosofia, Publicações avulsas n. 2.

CASSARINO, Jean-Pierre. (2004), Theorising Return Migration: the Concep- tual Approach to Return Migrants Revisited. IJMS: International Journal on Multicultural Societies -UNESCO, v. 6, n.2, pp. 253-279.

CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Antônio; TONHATI, Tânia. (2015), A Inserção dos Imigrantes no Mercado de Trabalho Brasileiro. Cadernos OBMi- gra, Ed. Especial, v. 1, n. 1.

CAVALCANTI, Leonardo; PARELLA, Sônia. (2012), “Entre las políticas de retorno y las prácticas transnacionales de los migrantes brasileños. Re-pen- sando el retorno desde una perspectiva transnacional”. Crítica e Sociedade: Revista de Cultura Política, v.2, pp.109-124.

CECCHI, Camilo. (1957),“Estudo comparativo da assimilação e marginalida- de do imigrante italiano”. Sociologia, v. XIX, n. 2, pp. 105-117.

CHAPOULIE, Jean-Michel. (2001), La tradition sociologique de Chicago.Pa- ris: Seuil.

CORTES, Geraldo de M. (1954), Migração e colonização no Brasil. Revista do Serviço Público, separata. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação da Presidência da República – DASP.

DEBIAGGI, S. D. Dantas; UENO, L.; LEIFERT, Maria Gabriela; SUGUIURA, M. H. (2010), Identidade, migração e suas dimensões psicossociais. REMHU (Brasília), v. 34, p. 45-60.

DENZEM. Rogério. (2005), Matizes do “Amarelo”. A gênese dos discursos so- bre orientais no Brasil (1878-1908). São Paulo: Humanitas/FAPESP.

DEVOTO, Fernando. (1992). Movimientos migratorios: historiografía y pro- blemas. Buenos Aires: Centro Editor de America Latina.

DEVOTO, Fernando. (2004), Historia de la inmigración en la Argentina. 2. ed. Buenos Aires: Editorial Sudamericana.

DIEGUES Jr., Manuel. (1964), Imigração, urbanização e industrialização. Rio de Janeiro: INEP.

DIEGUES Jr., Manuel; NEIVA, Arthur H. (1956), “The cultural assimilation of immigrants in Brazil”. In: BORRIE, Wilfred D. (ed.), The cultural integra- tion of immigrants: a survey based upon the papers and procedings of the UNESCO conference held in Havana. Paris: UNESCO. pp. 181-233.

DIETRICH, Ana M. (2007), Caça às suásticas: o Partido Nazista em São Paulo sob a mira da Polícia Política. São Paulo: Imprensa Oficial do SP/FAPESP.

DOYTCHEVA, Milena (2011), Le Multiculturalisme. Paris: Ed. La Découver- te; Coll. Repères.

DURAND, Jorge. (2006), Los inmigrantes también emigran: la migración de retorno como Corolário del processo. REMHU – Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, Ano XIV, n. 26-27, pp. 167-189.

DURHAM, Eunice R. (1966), Assimilação e mobilidade. A história do imi- grante italiano num município paulista. São Paulo: Instituto de Estudos Bra- sileiros, n. 3.

FAIRCHILD, Henry P. (1913), Immigration. A world mouvement and its amer- ican significance. New York: The Macmillan Company.

FELDMAN-BIANCO, Bela. (1997), “Globalização, nação e diáspora: incorpo- ração de transmigrantes na criação de nações desterritorializadas”. In: Sim- pósio Internacional sobre Emigração Brasileira, CEMI-UNICAMP, Casa do Brasil de Lisboa, 1997, Campinas.Trabalho apresentado.

FELDMAN-BIANCO, Bela. (2011), Caminos de ciudadanía: emigración, mo- vilizaciones sociales y políticas del Estado brasileño. Ecuador: FLACSO.

FERNANDES, Duval; MILESI, Rosita; FARIAS, Andressa. (2011), “Do Haiti para o Brasil: o novo fluxo migratório”. Instituto Migrações e Direitos Huma- nos e ACNUR, Cadernos de Debates, n. 6, pp. 73- 97.

FERNANDES, Florestan. (1947), “As ‘trocinhas’ do Bom Retiro”. Revista do

Arquivo Público Municipal, v. 113, pp. 7-124.

FERNANDES, Florestan. (1949),“Resenha de ’A aculturação dos alemães no Brasil’ de Emilio Willems”. Revista do Arquivo Municipal, ano XV, v. CXXII, n. 02, pp. 205-218.

FERNANDES, Florestan. (1966), “Imigração e relações raciais”. Revista de Civilização Brasileira, ano 1, n. 8, pp. 75-95.

FERNANDES, Florestan. (1967), “O Brasil e o mundo árabe”. Revista Etapas, ano XII, n. 131, pp. 33-37.

FERNANDES, Florestan. (1968), Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar.

FERNANDES, Florestan. (1975), A Revolução Burguesa no Brasil. Ensaio de

Interpretação Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

FERNANDES, Florestan. (1977), “O padrão de trabalho científico dos soció- logos brasileiros”. In: FERNANDES, Florestan. A Sociologia no Brasil. Petró- polis: Vozes. pp. 50-76.

FERNANDES, Florestan. (2010 [1956]), “A aculturação dos sírios e libane- ses em São Paulo”. Revista Etapas, ano I, n. 11. In: FERNANDES, Florestan. (2010), Florestan Fernandes: leituras e legados. São Paulo: Global. pp. 225-234.

FREYRE, Gilberto. (1940), O mundo que o Português criou. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio.

FREYRE, Gilberto. (1943), Continente e Ilha. Rio de Janeiro: Edição da Casa do Estudante do Brasil.

GALVÃO, Eduardo. (1953),“Estudo sobre aculturação de grupos indígenas”. Trabalho apresentado na Associação Brasileira de Antropologia. Disponível em www.periodicos.usp.br/ra/article/viewFile/110360/108927. Acesso em

abr. 2017.

GEDIEL José; GODOY Gabriel. (Org.), (2016), Refúgio e hospitalidade. 1. ed. Curitiba: Kairós. pp. 231-248.

GERTZ, René E. (1991), O perigo alemão. Porto Alegre: Ed da UFRGS. GOZA, Franklin. (1992), “A Imigração Brasileira na América do Norte”. Re-

vista Brasileira de Estudos de População, v. 9, n.1, pp. 65-82.

IANNI, Otávio. (1960), “Do polonês ao polaco”. Revista do Museu Paulista. Nova Série, v. XII, pp. 315- 338.

IANNI, Otávio. (1961), “Estudo de comunidade e conhecimento científico”.

Revista de Antropologia, v. 9, n. 1-2, pp. 109-119.

IANNI, Otávio. (1961a), “A situação social do polonês em Curitiba”. Sociolo- gia, v. XXXIII, n. 4, pp. 375- 388.

IANNI, Otávio. (1962), As Metamorfoses do Escravo. Apogeu e crise da escra- vatura no Brasil Meridional. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

IANNI, Otávio. (1966), “Do polonês ao polaco”. In: IANNI, Octavio. Raças e classes sociais no Brasil. São Paulo: Civilização Brasileira. pp. 117-146.

INSTITUTO SUPERIOR BRASILEIRO-ITALIANO DE ESTUDOS E PESQUI- SAS. (1979), Imigração Italiana: Estudos. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia São Lourenço de Brindes; Caixas do Sul: Universidade de Caxias do Sul.

ISHI, Ângelo. (2001), “Media, Art and Literature by/for Japanese Bra- zilians in the ‘Dekasegi Ageí”. In: YAMADA, Mutsuo (ed.). Emigración Latinoamericana: Comparación Interregional entre América del Norte, Europa y Japón. JCAS Symposium Series. Osaka: Japan Center for Área Studies. pp. 50-74.

IZUMI, Seiichi; SAITO, Hiroshi. (1953), “Pesquisa sobre a aculturação dos japoneses no Brasil”. Sociologia, v. XV, n. 3, pp. 195-209.

JIMÉNEZ, Carmen E.; CALMAESTRA, José A. N.; BAUTISTA, Francisco Ji- ménez. (2002), El Estudio del retorno. Aproximación bibliográfica. Migracio- nes y Exilios, n. 3, pp. 141-168.

KAWAMURA, Lilli K. (2001), “A Questão Cultural e a Discriminação Social na Migração de Brasileiros ao Japão”. In: Migrações Internacionais: Contri- buições Para Políticas. Brasília: Comissão Nacional de População e Desen- volvimento, pp. 395-408.

KLEIN, Herbert. S. (2000), “Migração internacional na história das Améri- cas”. In: FAUSTO, Boris (org.). Fazer a América. São Paulo: EdUSP. pp. 13-31.

KOFFES, Suely. (1996), “As pedras e o arco: os estudos de comunidade e a atualidade de antigas questões”. In: CRESPO, Regina A; FALEIROS, Maria I. L. (org.). Humanismo e compromisso. Ensaios sobre Octávio Ianni. São Paulo: Editora da UNESP. pp. 41-50.

LESSER, Jeffrey. (2001), A negociação da identidade nacional. Imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: Editora UNESP.

LEVY, Maria S. F. (1974), “O papel da migração internacional na evolução da população brasileira (1872 a 1972)”. Revista de Saúde Pública, n. 8, pp.

-90.

MACAGNO, Lorenzo. (2014), O Dilema Multicultural. Curitiba: Editora

UFPR; Rio de Janeiro: Graphia.

MAIO, Marcos C. (1999), “O projeto da UNESCO e a agenda das ciências sociais no Brasil dos anos 40 e 50”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.

, n. 41, pp. 141-158.

MARGOLIS, M. (1994), Little Brazil: An Ethnography of Brazilian Immigrants in New York City. Princeton: Princeton University Press.

MARGOLIS, M. (1992), From mistress to servant: Downward mobility among Brazilians in New York City. Urban Anthropology, v. 19, n. 3, pp. 215-231.

MARTINS, José de S. (1973), A imigração e a crise do Brasil agrário. São Paulo: Pioneira.

MARTINS, Wilson. (1955), Um Brasil diferente. Ensaio sobre fenômenos de aculturação no Paraná. São Paulo: Anhembi.

MENDES, José S. R. (2011), Laços de sangue. Privilégios e intolerância à imi- gração portuguesa no Brasil. São Paulo: EdUSP/FAPESP.

MICELI, Sérgio. (1999), “Intelectuais brasileiros”. In: MICELI, Sérgio (org.).

O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). São Paulo: Ed Sumaré. pp.

-145.

NUGENT, Walter. (1995), Crossings: The Great Transatlantic Migrations,

–1914. Bloomington: Indiana University Press.

OLIVEIRA, Antônio T. (2015), “Migrações internacionais e políticas migrató- rias no Brasil”. Cadernos OBMigra, v. 1, n. 3, pp. 252-277.

OLIVEIRA, M. de. (2012), A cidade de Curitiba e os imigrantes alemães du- rante a Primeira Guerra Mundial, uma análise da imprense local. Cadernos do CERU, v. 23, n. 2, pp. 175-202.

OLIVEIRA, Márcio de. (2005), “O “Brasil Diferente” de Wilson Martins”. Ca- dernos CRH, v. 18, n. 44, pp. 215-221.

OLIVEIRA, Márcio de. (2009 ), “De la Double colonisation au prejugé”. Re- vue Migrances, v. 21, n. 123-124, pp. 289-304.

OLIVEIRA, Márcio de. (2014), “O tema da Imigração da Teoria Sociológica

Clássica”. Dados, v. 57, n. 1, pp. 73-100.

OLIVEIRA, Márcio de. (2015), “A inesperada descoberta de Octavio Ianni so- bre preconceito contra descendentes de imigrantes poloneses em Curitiba”. Revista Sociedade e Estado, v. 30, n. 3, pp. 799-817.

OLIVEIRA, Roberto C. de (1960), O Processo de Assimilação dos Terêna. Rio de Janeiro: Edição Museu Nacional.

PACHECO, Renato J. C. (1964), “Assimilação de alemães no Espírito Santo-

-Brasil”. Sociologia, v. XXVI, n. 2, pp. 183-201.

PACÍFICO, Andrea M. C. P. (2010), O capital social dos refugiados: bagagem cultural e políticas públicas. Maceió: EDUFAL.

PARK, Robert. E. (1928), “Human Migration and the Marginal Man”. Ameri- can Journal of Sociology, v. 33, n. 6, pp. 881-893.

PARSANOGLOU, Dimitris. (2004),“Multiculturalisme(s)”. Socio-anthropolo- gie, n. 15, Online. Disponível em: http://socio-anthropologie.revues.org/416. Acesso 22 maio. 2017.

PERES, Elena P. (1997), “‘Proverbial Hospitalidade’? A Revista de Imigração e Colonização e o discurso oficial sobre o imigrante (1945-1955)”. Acervo, v. 10, n. 2, pp. 85-98.

PETRONE, Maria T. S. (1978), O imigrante e a pequena propriedade. São

Paulo: Brasiliense.

PISCITELLI, Adriana. (2009), “Actuando la “brasileñidad”. Tránsitos entre circuitos de turismo sexual y los mercados del sexo y matrimonial euro- peos”. In: Latin American Studies Association/LASA, 2009, Rio de Janeiro. Trabalho apresentado.

PÓVOA-NETO, Helion. (2006), “A imagem da imprensa sobre a emigração bra- sileira”. Revista de Estudos Avançados. São Paulo: IEA-USP, v. 20, n. 57, online.

PÓVOA-NETO, Helion. (2010), Barreiras físicas como dispositivos de polí- tica migratória na atualidade. In: FERREIRA, Ademir (org.). A experiência migrante: entre deslocamentos e reconstruções. Rio de Janeiro: Garamond. pp. 491-520.

RAMOS, Alberto G. (1947), Introdução à Antropologia do Brasil, 3 vols. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil.

RAMOS, Alberto G. (1948), “Imigração e preconceito”. Revista do Conselho de Imigração e Colonização, n. 3, pp. 131-132.

RAMOS, Jair de S. (2006), O poder de domar dos fracos: construção de autorida- de e poder tutelar na política de povoamento do solo nacional. Niterói: EdUFF.

REIS, Elisa; SALES, Teresa. (1999), Cenas do Brasil Migrante. São Paulo: Boi- tempo Editorial.

RIBEIRO, Mariana C. (2012), Venha o decreto da expulsão. A legitimação da ordem autoritária no Governo Vargas. São Paulo: FAPESP/Humanitas.

RIOS, José A. (1958), “Aspectos políticos da assimilação do italiano no Bra- sil”. Sociologia, v. 20, pp. 295-339.

RIVERA-SÁNCHEZ, Liliana. (2013), Migración de retorno y experiencias de reinserciónen la zona metropolitana de la Ciudad de México. REMHU – Re- vista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, ano XXI, n. 41, p. 55-76.

SAFADY, Jamil. (1956), O Líbano no Brasil. São Paulo: Ed. Safady.

SAITO, Hiroshi. (1958), “Alguns aspectos da adaptação de imigrantes japo- neses no Brasil”. Sociologia. Escola de Sociologia e Política de São Paulo, v.

, n. 4, pp. 451-462.

SAITO, Hiroshi. (1960), “Mobilidade de ocupação e de status de um grupo de imigrantes”. Sociologia. Escola de Sociologia e Política de São Paulo, v. 22, n. 3, pp. 241-253.

SAITO, Hiroshi. (1961), O Japonês no Brasil: estudo de mobilidade e fixação. São Paulo: Ed. Sociologia e Política.

SALES, Teresa. (1999), Brasileiros Longe de Casa. São Paulo: Cortez Editora.

SANTOS, Viviane T. dos. (2008), Italianos sob a mira da polícia política. Vigilância e repressão no estado de São Paulo (1924-1945). São Paulo: Hu- manitas/FAPESP.

SASAKI, Elisa M. (1995), “Dekasseguis: Trabalhadores Nipo-Brasileiros no

Japão.” Travessia - Revista do Migrante, Janeiro-abril, pp. 20-22.

SASAKI, Elisa M. (1998), O Jogo da Diferença: A Experiência Identitária no Movi- mento Dekassegui. M. A. thesis, Department of Sociology, UNICAMP, Campinas.

SAYAD, Abdelmaleck. (2000), O retorno: elemento constitutivo da condição do imigrante. Travessia, número especial, pp.02-25

SAYAD, Abdelmaleck. (2001), A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP.

SCHADEN, Egon. (1956), “Aculturação de Alemães e Japoneses no Brasil”.

Revista de Antropologia, v. 4, n. 1, pp. 41-46.

SCHADEN, Egon. (1959), “Alguns problemas e aspectos do folclore teuto-

-brasileiro”. Revista de Antropologia, v. 7, n. 1-2, pp. 123-135.

SEYFERTH, Giralda. (2004), “A imigração no Brasil: comentários sobre a contribuição das Ciências Sociais”. BIB, n. 57, pp. 7-47.

SEYFERTH, Giralda. (1997), A assimilação dos imigrantes como questão na- cional. Mana, v. 3, n. 1, p. 95-131.

SILVA, Sidnei. (1997), Costurando sonhos. Trajetória de um grupo de imi- grantes Bolivianos em São Paulo. São Paulo: Paulinas.

SIQUEIRA, Carlos. (2004), Work Environment Justice Partnership (WEJP) for Brazilian Immigrant Workers in Massachusetts. In: JOUËT-PASTRÉ, C.; LOVE- LESS, M; BRAGA, Leticia. Giving Voice to a Nascent Community: Exploring Brazilian Immigration to the U.S. through Research and Practice. Working Pa- per No. 04/05-2. Boston: David Rockefeller Center for Latin American Studies.

SIQUEIRA, Osvaldo N. (2006), Biotipologia do imigrante no discurso da Re- vista de Imigração e Colonização (1940-1955). Dissertação de Mestrado. São Paulo: Universidade de São Paulo.

SIQUEIRA, Sueli. (2006), Migrantes e empreendedorismo na microrregião de Governador Valadares: sonhos e frustrações no retorno. Tese de Doutorado em Sociologia. Belo Horizonte: UFMG.

SIQUEIRA, Sueli. (2009), Sonhos, sucesso e frustrações na emigração de re- torno. Brasil/EUA, vol. 1. 1. ed. Belo Horizonte: ARGVMENTVM.

SIQUEIRA, Sueli; BRANDES, Lídia A. (2015), “Migração e Retorno: implica- ções psicólogicas da experiência migratória”. In: DIAS, Luciana de; LUCENA, Andréa de. (org.). Migrações internacionais e políticas públicas: goianos(as) no mundo. 1. ed. Goiânia: Espaço Acadêmico. pp. 173-190.

SOLÉ, Carlota; CAVALCANTI, Leonardo; PARELLA, Sònia, (2011), La incor- poración socioeconómica de la inmigración brasileña en España. Madrid: Observatorio Permanente de la Inmigración.

SOUZA, Maria B. (2009), “La construcción del imaginario social de las mu- jeres inmigrantes: un análisis de las televisiones españolas”. In: XIV Semi- nario Académico Apec - Compartiendo conocimiento, 2009, Barcelona. Bar- celona: Apec. pp. 329-338.

SPRANDEL, Marcia A. (2012), “Políticas migratórias no Brasil do século XXI”. In: Seminário Internacional Deslocamentos, Desigualdades e Diretos Humanos, 2012, São Paulo. Trabalho apresentado.

TAKEUCHI, Márcia Y. (2008), O perigo amarelo. Imagens do mito, realidade do preconceito (1920-1945). São Paulo: FAPESP/Humanitas.

TRUZZI, Oswaldo M. S. (1997), Patrícios. Sírio e Libaneses em São Paulo. São Paulo: Hucitec.

TRUZZI, Oswaldo M. S. (2012), Assimilação Ressignificada: Novas Interpre- tações de um Velho Conceito. Dados, v. 55, n. 2, pp. 517-553.

VENTURA, Deisy. (2014), Política migratória brasileira é obsoleta e dificul- ta vida de estrangeiros. UOL Notícias. 03 maio 2014. Online. Disponível em:http://noticias.uol.com.br/opiniao/coluna/2014/05/03/politica-migrato- ria-brasileira-deixa-estrangeiros-em-situacao-precaria.htm. Acesso em 16 jul. 2017.

VIANA, Francisco J. O. (1934), Raça e assimilação. São Paulo: Companhia

Editora Nacional.

VILELA, Elaine M.; LOPES, Lívia B. F. (2011), Balanço da produção acadêmi- ca sobre migração internacional no Brasil. BIB, n. 72, pp. 55-88.

WILLEMS, Emílio. (1940), Assimilação de populações marginais do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

WILLEMS, Emílio. (1944), “Acculturation and the Horse Complex among

German-Brazilians”. American Anthropologist, New Series, v. 46, n. 2, pp.

-161.

WILLEMS, Emílio. (1946), A aculturação dos alemães no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

WILLEMS, Emílio. (1948), Aspectos da aculturação dos japoneses no estado de São Paulo. São Paulo: Editora da USP.

WILLEMS, Emlio. (1947), Cunha. Tradição e transformação em uma cultura rural do Brasil. São Paulo: Secretaria de Agricultura.

WOORTMAN, Klaas. (1972), “A Antropologia e os estudos de comunidade”. Revista Universitas, n. 11, pp.103-140.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index