Saúde e Sociedade em debate: temas perenes e emergentes nos encontros da Sociedade Brasileira de Sociologia

Marcia Grisotti, Luiz Antonio de Castro Santos

Resumo


Apesar da longa  tradição da sociologia da saúde no Brasil, reconhecida enquanto uma  subárea específica pelas  agências nacionais e estaduais de  fomento à pesquisa científica (tais  como CNPq, Capes e FAPESP), a abrangência dos temas investigados e o escopo dos possíveis campos de aplicação apresentam-se como  desafios importantes na análise da produção e configuração do conhecimento dessa  área.  A complexidade temática é um  dos  vários  enigmas enfrentados pelo pesquisador. Com a finalidade de analisar a amplitude dessa  produção, ressaltando princi- palmente as questões que  dela  emergem, nos deteremos no exame  dos trabalhos apresentados em cinco  edições do Grupo  de Trabalho Saúde e Sociedade, realizados no âmbito dos congres- sos da Sociedade Brasileira de Sociologia.


Referências


BARROS, Nelson F. de. (2016), As ciências sociais na educação médica. 1. ed. São Paulo: Hucitec.

BOURDIEU, Pierre. (2004), Os usos sociais da ciência. Por uma sociologia clínica do campo científico. 2. ed. São Paulo: Unesp.

CANGUILHEM, Georges. (1994), A Vital Rationalist. Selected writings from

Georges Canguilhem. 1. ed. Cambridge: MIT Press.

CASTRO SANTOS, Luiz Antonio. (1993), “A Pós-Graduação em Saúde Co- letiva : impressões sobre a orientação de alunos”. Série Estudos em Saúde Coletiva, n. 34, pp. 1-17.

CASTRO SANTOS, Luiz Antonio. (1990), “O espírito de aldeia: orgulho feri- do e vaidade na trajetória intelectual de Gilberto Freyre”. Novos Estudos, n.

, pp. 45-66.

CASTRO SANTOS, Luiz A.; FARIA, Lina. (2010), Saúde & História. 1. ed. São Paulo: Hucitec.

DESLANDES, Suely. (2012), “Legitimidade, expansão e sustentabilidade das Ciências Sociais e Humanas em Saúde Coletiva”. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 12, pp. 2367-2372.

FAVERET, Paulo; OLIVEIRA, Jorge P. A. (1989), “A Universalização Exclu- dente: reflexões sobre as tendências do sistema de saúde”. Dados, v. 33, n.

, pp. 257-283.

FREYRE, Gilberto. (1967), Sociologia da medicina. 1. ed. Lisboa: Fundação

Calouste Gulbenkian.

GRISOTTI, Márcia. (1998), “Políticas de saúde e sistemas médicos no Bra- sil”. Revista Katáysis, n. 3, pp. 49-62.

GRISOTTI, Márcia. (2010), “Doenças infecciosas emergentes e a emergência das doenças: uma revisão conceitual e novas questões”. Ciência & Saúde Coletiva, n. 15, (Supl.1), pp. 1095-1104.

GRISOTTI, Márcia; AVILA-PIRES, Fernando D. (2011), “Worms, slugs and humans: the medical and popular construction of an emerging infectious disease”. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 18, n. 3, pp. 877-891.

HERZLICH, Claudine. (1991), “A problemática da representação social e sua utilidade no campo da doença”. Physis: Revista de saúde coletiva, v. 1, n. 1, pp. 31-42.

LANGDON, Esther Jean; FOLLER, Maj-Lis; MALUF, Sônia W. (2012), “Um balanço da antropologia da saúde no Brasil e seus diálogos com as antropo- logias mundiais”. Anuário Antropológico, n. 1, [Online] pp. 51-89, Disponí- vel em: http://aa.revues.org/254.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. (1997), A vida de laboratório. A produ- ção dos fatos científicos. 1. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

MILLS, Wright C. (1982), A Imaginação Sociológica. 6. ed. Rio de Janeiro: Zahar.

MINAYO, Maria Cecilia de S. (2013), “A produção de conhecimentos na in- terface entre as Ciências Sociais e humanas e a saúde coletiva”. Saúde e Sociedade, v. 22, pp. 21-31.

NOGUEIRA, Oracy. (2009), Vozes de Campos de Jordão: experiências sociais e psíquicas do tuberculoso pulmonar no Estado de São Paulo. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

NUNES, Everardo Duarte. (2014a), “A construção teórica na sociologia da saúde: uma reflexão sobre a sua trajetória”. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 4, pp. 1007-1018.

NUNES, Everardo Duarte. (2014b), “A sociologia da saúde no Brasil – a construção de uma identidade”. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 4, pp.

-1052.

NUNES, Everardo Duarte. (2012), “Legitimidade, expansão e sustentabilida- de das Ciências Sociais e Humanas em Saúde Coletiva”. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 12, pp. 2367-2372.

OSZLAK, Oscar; O’DONNELL, Guillermo. (1976), “Estado y Politicas Estata- les en America Latina (Hacia una estratégia de investigación)”. Buenos Ai- res: Documento G. E. CEDES/CLACSO, n. 4. Disponível em: https://pt.scribd. com/document/65426439/Oszlak-Oscar-y-O-Donnell-Guillermo-Estado-y-

-Politicas-Estatales-en-America-Latina?doc_id=65426439&download=true

&order=437970131.

PILIAVIN, Jane Allyn. (1989), “The development of motives, self-identities, and values tied to blood donation: A Polish-American Comparison Study”. In: EISENBERG, Nancy.; REYKOWSKI, Janusz.; STAUB, Ervin. (ed.). Social and moral values: Individual and societal perspectives. Madison: University of Wisconsin Press. pp. 253-275.

RADLEY, Alan.; Billing, Michael. (1996), “Accounts of health and illness: Dilemmas and representations”. Sociology of health and illness, v. 18, n. 2, pp. 220-240.

RABEHARISOA, Valolona; CALLON, Michel. (2002), “L’engagement des as- sociations des malades dans la recherche”. Revue Internationale des Scien- ces Sociales, v. 1, n. 171, pp. 65-73.

SARTI, Cyntia A. (2004), “O jovem na família: o outro necessário”. In: NO- VAES, Regina; VANNUCHI, Paulo. (org.). Juventude e sociedade. Trabalho, educação, cultura e participação. São Paulo: Perseu Abramo. pp. 115-129.

TRAD, Leny. (2012), “Temas e enfoques contemporâneos nas Ciências So- ciais e Humanas no Brasil: expressões e tendências refletidas no V Congres- so da área”. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 12, pp. 2367-2372.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index