Sociologia da Arte: notas sobre a construção de uma disciplina

Maria Lucia Bueno, Sabrina Parracho Sant’Anna, Ligia Dabul

Resumo


Este artigo busca situar a Sociologia da Arte em face à evolução da produção internacionale de sua repercussão para a formação da área no Brasil. A partir dos debates dos anos 1960, realizados na França e nos Estados Unidos, destacamos alguns desenvolvimentos teórico-metodológicosno cenário internacional. Assim também, procuramos entender o particular desenvolvimento da área no Brasil e seu crescimento a partir da consolidação do próprio mercado de arte no país e, sobretudo, de políticas públicas que direcionaram a produção artística e, eventualmente, fizeram surgir novos objetos de pesquisa.

Referências


BECKER, Howard. (1976), “Art worlds and social types”. American Behav- ioral Scientist, n. 19, pp.703-718.

BECKER, Howard. (1982) [tradução para o francês ampliada em 1987), Les

Mondes de L’Art. 1. ed. Paris: Flammarion.

BOURDIEU, Pierre; DARBEL, Alain. (2003 [1966]), L’Amour de L’Art: les mu- sées et leur publique. 1. ed. Paris: Minuit.

BOURDIEU, Pierre. (1974), “O mercado de bens simbólicos”. In: MICELI, Sergio. (org.). A Economia das Trocas Simbólicas São Paulo: Perspectiva. pp.

-182.

BOURDIEU, Pierre. (2002), A produção da crença; contribuição para uma economia dos bens simbólicos. 1. ed. São Paulo: Zouk.

BOURDIEU, Pierre. (1979 [tradução para o português 2007]), A Distin- ção: Crítica Social do Julgamento. 1. ed. Porto Alegre: Zouk; São Paulo: EDUSP.

BOURDIEU, Pierre. (1992 [tradução brasileira em 1996]), As Regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras.

BOURDIEU, Pierre. (SAINT-MARTIN, Monique. (1976), “Anatomie du goût”.

Actes de la recherche en sciences sociales, n. 5, pp. 5- 81.

BRASIL. Orçamento Federal. Disponível em: http://www.orcamentofederal. gov.br/orcamentos-anuais. Acesso em: 20 jun. 2017.

BUENO, Maria Lucia. (2001), Artes Plásticas no século XX. Modernidade e Globalização. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp; São Paulo: Imprensa Oficial; FAPESP.

CANCLINI, Nestor Garcia. (1997), Culturas Híbridas. 1. ed. São Paulo: EDUSP. COSTA LIMA, Luiz. (org.). (1969), Teoria da cultura de massa. 1. ed. Rio de

Janeiro: Saga.

CRANE, Diana. (1987), The transformation of the Avant-Garde. The New York art world, 1940-1985. 1. ed. Chicago; Londres: The University of Chi- cago Press.

CRANE, Diana. (2011), Ensaios em Moda, Arte e Globalização Cultural. Ma- ria Lucia Bueno (org.). 1. ed. São Paulo: Editora do Senac.

CRIMP, Douglas (2005), Sobre as Ruínas do Museu. 1. ed. São Paulo: Martins

Fontes.

DABUL, Lígia. (2008), Museus de grandes novidades: centros culturais e seu público. Horizontes Antropológicos (UFRGS. Impresso), v. 14, pp. 257-278.

DiMAGGIO, Paul J.; USEEM, Michael; BROWN, Paula. (1978), Audience Studies in Performing Arts and Museums: A Critical Review. 1. ed. Washing- ton, DC: National Endowment for the Arts.

FLORIDA, Richard. (2011), A Ascensão da Classe Criativa. 1. ed. São Paulo: LP&M Editores.

HEINICH, Nathalie. (1991), La Gloire de Van Gogh. Essai d’anthropologie de l’ admiration. 1. ed. Paris, Minuit.

HEINICH, Nathalie. (1993), Du peintre à L’ artiste. Artisans et académiciens à l’ âge classique, 1. ed. Paris: Minuit.

HEINICH, Nathalie. (1998), Le triple jeu de l’art contemporain: sociologie des arts plastiques. 1. ed. Paris: Minuit.

HEINICH, Nathalie. (2008), A Sociologia da Arte. 1. ed. Bauru, São Paulo, Edusc. HEINICH, Nathalie. (2014), Le paradigme de L’Art Contemporain. Structures

d’une révolution artistique, 1. ed.Paris: Gallimard.

MARQUES, Kadma. (org.). (2013), Dossiê Políticas públicas, cidades e patri- mônio. O público e o privado (UECE), ano 11, n. 22.

MENGER, Pierre-Michel. (2009), Le travail créateur. S’ accomplir dans l’ in- certain. 1. ed. Paris: Seuil/Gallimard.

MENGER, Pierre-Michel. (1987), “Présentation”. In: BECKER, Howard. Les

Mondes de L’Art. Paris: Flammarion. pp. III -XV.

MENGER, Pierre-Michel. (2010), Être artiste. Oeuvrer dans l’ incertitude. 1. ed. Bruxelas: Al Dante/AKA.

MORATÓ, Arturo. (2003), The Culture Society: A New Place for the Arts in the Twenty-First Century. Journal of Arts Management, Law and Society, v.

, n. 4, pp. 245-256.

MORATÓ, Arturo. (2017), La nueva Sociología de las artes. 1. ed. Barcelona: Editorial Gedisa.

MOULIN, Raymonde. (1989 [1967]), Le Marché de la peinture en France. 2. ed. Paris: Minuit.

MOULIN, Raymonde. (1985), Introduction. In: MOULIN, Raymonde. (org.).

Sociologie de L’Art. Marselha: Colloque International (Anais).

MOULIN, Raymonde. (1992b), “La commande publique”. Revue des Deux

Mondes, n. 11, pp. 63-70.

MOULIN, Raymonde. (1992a), L’artiste, l’Institution et le Marché. 1. ed. Paris: Flammarion.

MOULIN, Raymonde. (2007), Mercado da Arte: Mundialização e Novas Tecnologias. 1. ed. Porto Alegre: Editora Zouk.

MOUREAU, Nathalie; SAGOT-DUVAUROUX, Dominique. (2011), “La for- mation/carrièrres artistique: le paradoxe des mondes de l’art” . Formation Emploi. Revue Française de Sciences Sociales, La Documentation Française, n. 116, pp. 35-49.

ORTIZ, Renato. (org.). (2003), A sociologia de Pierre Bourdieu. 1. ed. São

Paulo: Olho D’Água.

PROENÇA, Renata. (2016), Arte, natureza e cidade: o caso do Museu do Açude no Rio de Janeiro. In: VILLAS BÔAS, Glaucia. (org.). Um vermelho não é um vermelho. Rio de Janeiro: 7 letras. pp. 79-98.

QUEMIN, Alain. (2013), Les stars de L’art contemporain. Notoriété et con- sécration artistiques dans les arts visuels. 1. ed. Paris: CNRS Éditions.

SANT’ANNA, Sabrina Parracho. (2011), Construindo a memória do futuro: uma análise da fundação do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora da FGV.

SANT’ANNA, Sabrina Parracho (2016.), Arte, museu e cidade: o caso do MAR na Zona Portuária do Rio de Janeiro. In: VILLAS BÔAS, Glaucia. (org.). Um vermelho não é um vermelho. 1. ed. Rio de Janeiro: 7 letras. pp.

-56.

SHAPIRO, Roberta; HEINICH, Nathalie. (2013), Quando há artificação?. So- ciedade & Estado, v. 28, n. 1, pp. 14-28.

TEIXEIRA, João Gabriel. (2005), Dossiê: Sociologia da Arte Hoje. Sociedade

& Estado, v. 20, n. 2, pp. 297-424.

VELHO, Gilberto. (org.). (1977), Arte e Sociedade: Ensaios de Sociologia da

Arte. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores.

VILLAS BÔAS, Glaucia; QUEMIN, Alain (org.). (2016), Arte e Vida Social. 1. ed. Marseille: OpenEdition Press.

WHITE, Harrison; WHITE, Cynthia. (1965), Canvases and careers: Institu- tional change in the French painting world. 1. ed. New York; Londres; Sid- ney: John Wiley and Sons.

WILLIAMS, Raymond. (1984), The Long Revolution. 2. ed. Middlesex; Vic- toria; Ontario; Auckland: Penguin. Coleção A Pelican Books, Sociology & Anthropology.

WU, Chin-Tao. (2007), Privatização da cultura. A intervenção corporativa nas artes desde os anos 80. 1. ed. São Paulo: Boitempo; SESCSP.

ZOLBERG, Vera L. (2006 [1992]), Para uma Sociologia das Artes. 1. ed. São Paulo: Senac.

ZOLBERG, Vera L. (1996), “Paying for art. Temptations of privatization à l’Americaine”. International sociology, v. 11, n. 4, pp. 395-408.

ZOLBERG, Vera L. (1997), “Cultura de Nova York: ascendente ou descenden- te?”. Cultura Vozes, v. 91, n. 3, pp. 172-194.

ZOLBERG, Vera L. (2005), Success and failure of the sociology of culture? Bringing the arts back. Sociedade & Estado, v. 20, n. 2, pp. 337-350.

ZOLBERG, Vera L. (2009), Incerteza estética como novo cânone. Ciências Humanas e Sociais em Revista, v. 31, n. 1, pp. 25-40.

ZOLBERG, Vera L. (2015), “A cultural sociology of the arts”. Current Sociology Review, v. 63, n. 6, pp. 896-915.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index