A racionalização das práticas musicais: a regência de orquestra

Neylson J. B. F. Crepalde

Resumo


Este artigo parte da análise de Max Weber da racionalização da música, que parece culminar no que é conhecido pelos músicos como temperamento, e avança abordando o desenvolvimento da moderna técnica de regência de orquestra, além de seus principais elementos como manifestações do processo de racionalização nessas práticas musicais específicas. Para tanto, foram analisados três vídeos de maestros distintos interpretando o primeiro movimento da Sinfonia no. 5 de Beethoven. A análise consistiu na comparação entre os gestos escolhidos e as respostas sonoras obtidas entre os três maestros. Procura-se mostrar que os três elementos passaram pelo processo de racionalização mas em níveis distintos. A mão direita possui o nível mais alto de racionalização enquanto a mão esquerda e a expressão facial-corporal possuem níveis  respectivamente mais baixos de racionalização.


Referências


BENNET, Roy. (1986), Uma breve história da música. Tradução Maria Teresa Resende Costa. Rio de Janeiro: Zahar (Cadernos de música da Universidade de Cambridge).

CANDÉ, Roland de. (2001), História universal da música: volume 1. Tradução Eduardo Brandão; revisão da tradução Marina Appenzeller. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes.

COHN, Gabriel. (2003), “Apêndice: Sobre o significado da racionalização”. In: Crítica e Resignação: Max Weber e a teoria social. 2 ed. atual. São Paulo: Martins Fontes.

CREPALDE, Neylson J. B. F.; SPRINGER DE FREITAS, Renan. (2015). O maestro, a orquestra e a racionalização das práticas musicais. Dissertação (mestrado em sociologia) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em https://www.academia.edu/11012264/O_maestro_a_orquestra_e_a_racionalização_das_práticas_musicais. Acesso em 06/04/2017.

FARBERMAN, Harold. (2001), “Beating Time: How Not to Make Music”. Music Educators Journal, vol. 88, n. 3, p. 39-45, nov.

______. (1997), The Art of Conducting Technique: a new perspective. Miami: Warner Bros. Publications.

FREITAS, Renan Springer de. (2010), Judaísmo, racionalismo e teologia cristã da superação: um diálogo com Max Weber. Belo Horizonte: Agvmentvm.

GREEN, Elizabeth A.H. (1987), The modern conductor. New Jersey: Pretentice-Hall.

HABERMAS, Jürgen. (2012), Teoria do agir comunicativo, 1: racionalidade da ação e racionalização social. Tradução Pulo Astor Soethe. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

LAGO, Sylvio. (2008), A arte da regência: história, técnica e maestros. São Paulo: Algol Editora.

MATA, Sérgio da. (2013), A Fascinação Weberiana: as origens da obra de Max Weber. Belo Horizonte: Fino Traço.

MUNIZ NETO, José Viegas. (2003), A comunicação gestual na regência de orquestra. 2 ed. São Paulo: Annablume.

ROCHA, Ricardo. (2004), Regência uma arte complexa: técnicas e reflexões sobre a direção de orquestras e corais. Rio de Janeiro: Ibis Libris.

ROUSSIN, Charles Bruno; LANNA, Oiliam José. (2011), Oito novas obras para orquestra de cordas: aspectos analíticos e de performance de composições escritas para a Orquestra de Câmara de Ouro Branco. Volume I. 151 f. Dissertação (mestrado em música) – Escola de Música, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em . Acesso em 14/10/2016.

SCHERCHEN, Hermann. (1989), Handbook of Conducting. Trad. de M. D. Calvocoressi. Oxford: Oxford University Press.

SELL, Carlos Eduardo. (2011), “Máquinas petrificadas: Max Weber e a sociologia da técnica”. Scientia Studia, São Paulo, 3(9), p. 563-83.

______. (2013), Max Weber e a racionalização da vida. Petrópolis, RJ: Vozes.

TARUSKIN, Richard. (2009), Music in the seventeenth and eighteenth centuries: the oxford history of western music. Oxford: Oxford University Press.

VIEGAS, Silvio César Lemos; LANNA, Oiliam José. (2009), Questionamentos sobre a atuação do regente: o ensino da performance. 2009. 127 f. Dissertação (mestrado em Estudo das Práticas Musicais) – Escola de Música, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Disponível em

XNLM3/disserta__o_final_de_mestrado___revisada.pdf?sequence=1>. Acesso em 13/10/2016.

WAIZBORT, Leopoldo. (1995), “Introdução”. In: WEBER, Max. Os Fundamentos Racionais e Sociológicos da Música. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

WEBER, Max. (1995), Os Fundamentos Racionais e Sociológicos da Música. Tradução, introdução e notas de Leopoldo Waizbort e prefácio de Gabriel Cohn. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

______. (2012a), A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. 11ª reimpressão. São Paulo: Editora Martin Claret Ltda.

______. (2012b), Economia e Sociedade: Fundamentos da sociologia compreensiva. Volume 1. Tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa; rev. téc. de Gabriel Cohn, 4 ed. 3 reimp. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.

______. (2012c), Economia e Sociedade: Fundamentos da sociologia compreensiva. Volume 2. Tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa; rev. téc. de Gabriel Cohn, 4 ed. 3 reimp. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.

WHITE, Harrison. C. (2008), Identity and control: how social formations emerge. Princeton: Princeton University Press.

WISNIK, José Miguel. (1989), O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras.

http://dx.doi.org/10.20336/rbs.196

DOI: 10.20336/rbs.196


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index