Processo decisório e conflitos: questões e reflexões a partir dos megaprojetos

Alexandra Martins Silva

Resumo


O objetivo central do artigo é analisar alguns aspectos da tomada de decisão em megaprojetos. Esta temática possui relevância, na medida em que poucos trabalhos têm se dedicado aos processos decisórios que envolvem estas grandes obras. O estudo de como as decisões são tomadas, quais os grupos sociais envolvidos ou excluídos, constituem questões determinantes para que se possa compreender o incremento dos megaprojetos na atualidade. Nesta perspectiva, tornou-se necessário descrever o que são estas obras, ressaltando o caráter crítico presente na reflexão de grande parte dos autores pesquisados, para em seguida abordar de que forma ocorre o processo decisório, a partir dos fenômenos da subestimação dos custos, da superestimação dos benefícios, da subestimação dos impactos, e dos interesses divergentes que se encontram presentes.


Referências


AGUILERA, Fererico Klink. (2009), “Discurso y práctica de los grupos empresariales y políticos - Megaproyectos y megamentiras”. In: Economía, poder y megaproyectos. Lanzarote: Fundación César Manrique.

ALTSHULER, Allan; LUBEROFF, David. (2003), Mega-projects: the changing politics of urban public investment. Washington, D.C. / Cambridge: Brookings Institution Press/Lincoln Institute of Land Policy.

BROCKMANN, Christian; GIRMSCHEID Gerhard. (2007), “Complexity of Megaprojects”. Construction for development. CIB – 031, pp. 219-230.

BRUM, Eliane, (2015), “Belo Monte, empreiteiras e espelhinhos”. Jornal el País.

CASTRO, Edna. (1989), “Resistência dos Atingidos pela Barragem de Tucuruí e construção de identidades”. In: Castro, Edna e Hébette, Jean (Orgs.). Na trilha dos grandes projetos. Modernização e conflito na Amazônia. Belém: UFPA/NAEA.

CDDPH – Brasil. (2010), Comissão Especial “Atingidos por Barragens” - Resoluções nºs 26/06, 31/06, 01/07, 02/07, 05/07. Sumário Executivo. Brasília-DF.

FLYVBJERG, Bent; BRUZELIUS, Nils; ROTHENGATTER, Werner. (2002a), “Big decisions, big risks. Improving accountability in mega projects”. Transport Policy, n. 9 (2), pp. 143-154.

______; SKAMRIS, Mette; BUHL, Søren (2002b), "Underestimating Costs in Public Works Projects: Error or Lie?” Journal of the American Planning Association, n. 68 (3), pp. 279-295.

______; BRUZELIUS, Nils; ROTHENGATTER, Werner. (2003), Megaprojects and risk: an anatomy of ambition. Cambridge University Press.

______. (2005), “Design by deception: the politics of megaproject approval”. Harvard Design Magazine, n. 22, pp. 50-59.

______. (2007), Truth and lies about megaprojects. Inaugural speech for professorship and chair at Faculty of Technology, Policy, and Management. Delft University of Technology. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=2278262

FRICK, Karen. (2005), The making and un-making of the San Francisco-Oakland Bay Bridge: A case in megaproject planning and decision-making. Tese de Doutorado. University of California - Berkeley.

GERMANI, Guiomar Inez. (2003), Expropriados, Terra e água: o conflito de Itaipu. Salvador: 2ª Ed. EDUFBA/ULBRA.

GOVERNO FEDERAL. (2007), Programa de Aceleração do Crescimento 2007-2010. Brasília.

LEIJTEN, Martijn; BRUIJN Hans. (2008), “Mega-projects and contested information”. In: PRIEMUS, Hugo; FLYVBJERG, Bent; BERT VAN WEE (Eds.). (2003), Decision-making on mega-projects cost–benefit analysis, planning and innovation. Cheltenham, UK and Northampton, MA, USA.

LEROY, Jean-Pierre; ACSELRAD, Henri. (2009), “Por avaliações sócioambientais rigorosas e responsáveis dos empreendimentos que impactam o território e as populações”. In: Magalhães, Sônia; Hernandez, Francisco (Orgs.) Painel de especialistas: análise crítica do Estudo de Impacto Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico de Belo Monte. Belém.

LYNCH, Barbara; GELLERT, Paul. (2003), “Mega-projects as displacements”. International Social Science Journal, n. 55 (175), pp. 15-25.

MAGALHÃES, Sonia B. (1988), “Exemplo Tucuruí – uma política de relocação em contexto”. In: SANTOS, Leinad Ayer O.; ANDRADE, Lúcia M. M. de (Orgs.). As Hidrelétricas do Xingu e os Povos Indígenas. São Paulo: Comissão Pró-Índio de São Paulo.

NAREDO, José M. (2009), “Economía y poder – Megaproyectos: recalificaciones y contratas”. In: Economía, poder y megaproyectos. Lanzarote: Fundación César Manrique.

PINTO, Lúcio Flávio. (2012), A Amazônia em Questão: Belo Monte, Vale e Outros Temas. São Paulo: B4 Editores.

PRIEMUS, Hugo. (2010), “Decision-making on Mega-projects: Drifting on Political Discontinuity and Market Dynamics”. EJTIR, n. 10 (1), pp. 19-29.

RIBEIRO, Gustavo L. (1987), “¿Cuánto más grande mejor? Proyectos de gran escala: uma forma de producción vinculada a la expansión de sistemas económicos”. Desarrollo Económico, n. 27(105), pp. 3-27.

RIBEIRO, Gustavo L. (2014), “Quanto maior melhor? Projetos de grande escala: uma forma de produção vinculada à expansão de sistemas econômicos”. In: OLIVEIRA, João P.; COHN, Clarice (Orgs.). Belo Monte e a questão indígena. Brasília: ABA.

ROITMAN, Marcos. (2009), “Oligarquización del poder, democracia y megaproyetos Neocaciquismo mercantil y democrático”. In: Economía, poder y megaproyectos. Lanzarote: Fundación César Manrique.

ROY, Arundhati. (2001), Pelo Bem Comum. Porto: Edições Asa.

SANTOS, Boaventura de S.; MENESES Maria P. (Orgs.). (2010), Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina/CES.

SCOTT, Parry. (2009,) Negociações e resistências persistentes: agricultores e a barragem de Itaparica num contexto de descaso planejado. Recife: Ed. Universitária da UFPE.

SHIVA, Vandana; MIES Maria. (1993), Ecofeminismo. Lisboa: Instituto Piaget.

SIGAUD, Lygia. (1986), “Efeitos sociais de grandes projetos hidrelétricos: as barragens de Sobradinho e Machadinho”. Comunicação nº 9. Rio de Janeiro: Museu Nacional/PPGAS.

SILVA, Alexandra Martins. (2016), Megaprojetos, conflitos e processo decisório – a análise de uma controvérsia intemporal chamada Belo Monte. Tese de Doutorado. Faculdade de Economia – Universidade de Coimbra.

SOARES, Daniella F. (2009), Medir e valorar: limites e possibilidades das análises de custo-benefício na avaliação de perdas intangíveis. Tese de Doutorado. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

URFALINO, Philippe. (2005), “La décision fut-elle jamais un objet sociologique”. Document de travail du CESTA, pp. 1-15.

VAINER, Carlos B.; Araújo, FREDERICO. (1992), Grandes projetos hidrelétricos e desenvolvimento regional. Rio de Janeiro: CEDI.

______. (2011), “O que é o ‘Grande Projeto’? Características econômicas, territoriais, políticas e sociais”. In: Serviço Pastoral dos Migrantes (Org.). Seminário grandes obras e migrações. São Paulo: SPM, pp. 33-45.

ZHOURI, Andréa; LASCHEFSKI, Klemens; PAIVA, Angela. (2005), “Uma Sociologia do Licenciamento Ambiental. O caso das hidrelétricas em Minas Gerais”. In: A Insustentável Leveza da Política Ambiental. Desenvolvimento e Conflitos Socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

http://dx.doi.org/10.20336/rbs.193

DOI: 10.20336/rbs.193


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index