A construção social do tempo no cotidiano de bebês na família e na creche

Lucélia de Almeida Silva, Fernanda Müller

Resumo


O objetivo do artigo é analisar o uso do tempo de dois bebês no contexto familiar e em uma creche pública. Para a geração de dados foi utilizado o Diário de Uso do Tempo e entrevistas com as mães dos bebês. Dentre as atividades cotidianas dos bebês, elegemos o sono para análise e recorremos ao quadro conceitual de Erving Goffman. Ao compararmos o uso do tempo de ambos os bebês nos diferentes contextos observamos que o sono, mais que uma necessidade biológica, também é socialmente regulado por rotinas e rituais que configuram o ethos da situação social. Em casa a organização do tempo seguiu tanto as necessidades do bebê quanto a organização social da família. Na creche houve uma estruturação mais rígida do tempo.


Referências


AGUIAR, Neuma F. de. (2010), Metodologias para o levantamento do uso do tempo na vida cotidiana no Brasil. Revista Econômica, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 64-82.

BARBOSA, Maria Carmem S. (2006), Por Amor e por força: rotinas na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed.

BATISTA, Rosa. (2001), “A rotina da creche: entre o proposto e o vivido”. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 24, Caxambu. Anais... Caxambu. p. 1-16.

________. (1998), A rotina no dia-a-dia da creche: entre o proposto e o vivido. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

BEN-ARIEH, Asher; OFIR, Anat. (2002), “Opinion, dialogue, review. Time for (more) Time-Use studies: studying the daily activities of children”. Childhood, London, v. 9, n. 2, p. 225–248.

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. (2003), A construção social da realidade: tratado de Sociologia do Conhecimento. Petrópolis: Vozes.

BONDIOLI, Anna (Org.). (2004), O tempo no cotidiano infantil: perspectivas de pesquisa e estudo de casos. São Paulo: Cortez.

BRANDÃO, Zaia. (2001), “A dialética micro/macro na Sociologia da Educação”. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), São Paulo, n. 113, p. 153-165.

CARVALHO, Marie Jane S.; MACHADO, Juliana B. (2006), “Análise dos usos do tempo entre crianças acerca das relações de gênero e de classe social”. Currículo sem Fronteiras, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 70-81.

CHRISTENSEN, Pia. (2002), “Why More ‘Quality Time’ is not on the Top of Children’s Lists: the ‘Qualities of Time’ for Children”. Children & Society, London, v.16, p. 77-88.

CHRISTENSEN, Pia; JAMES, Allison. (2008), “Childhood Diversity and Commonality: some methodological insights”. In: ________. (Eds.). Research with children: perspectives and practices. London: Routledge. p. 156-172.

CORSARO, Willian A. (2011). Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed.

COUTINHO, Angela Maria S. (2002), As crianças no interior da creche: a educação e o cuidado nos momentos de sono, higiene e alimentação. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação) – UFSC, Florianópolis.

________. (2010). A ação social dos bebês: um estudo etnográfico no contexto da creche. Tese (Doutorado em Estudos da Criança Especialidade em Sociologia da Infância) – Universidade do Minho, Braga.

CRAIG, Lyan. (2014), “Time-Use Studies”. In: MELTON, G. B.; BEN-ARIEH, A.; CASHMORE, J.; GOODMAN, G. S.; WORLEY, N. K.(Eds.). The Sage Handbook of Child Research. e-book. London: Sage.

CUCHE, Denys. (1999), A noção de cultura nas Ciências Sociais. Bauru: EDUSC.

DE LAMARE, Rinaldo. (2009), A vida do bebê. 42. ed. Rio de Janeiro: Agir.

EUROSTAT. (2004), Guidelines on Harmonised European Time Use surveys. Luxemburgo: Luxemburgo.

EVANS-PRITCHARD, Edward E. (1978), Os Nuer. São Paulo: Perspectiva.

FAEDI, Giovanni. “Introdução”. In: BONDIOLI, Anna. (Org.). (2004). O tempo no cotidiano infantil: perspectivas de pesquisa e estudo de casos. São Paulo: Cortez. p. 11-13.

GEERTZ, Clifford. (2003), Saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 6. ed. Petrópolis: Vozes.

GOFFMAN, Erving. (2010), Comportamentos em lugares públicos: notas sobre a organização social dos ajuntamentos. Petrópolis: Vozes.

________. (2012a), Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis: Vozes.

________. (2012b), Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. 2. ed. Petrópolis: Vozes.

GOTTLIEB, Alma. (2012), Tudo começa na outra vida: a cultura dos recém-nascidos no Oeste da África. São Paulo: FAP-Unifesp.

GUARINELLO, Noberto Luiz. (2004), “História científica, história contemporânea e história cotidiana”. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, n. 48, p. 13–38.

GUIMARÃES, Daniela. (2011), Relações entre adultos e bebês na creche: o cuidado como ética. São Paulo: Cortez.

HARKNESS, Sara et al. (2006), “Mixed methods in international collaborative research: The experiences of the international study of parents, children, and schools”. Cross-Cultural Research, v. 40, n.1, p. 65-82.

KENNEDY, David; KOHAN, Walter Omar. (2008), “Aión, Kairós and Chrónos: Fragments of an Endless Conversation on Childhood, Philosophy and Education”. Childhood & Philosophy, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 5-22.

KOHAN, Walter Omar. (2004), “A infância da educação: o conceito devir-criança”. In: ______ Lugares da infância: filosofia. Rio de Janeiro: DP&A. p. 51-67.

LARSON, Reed W.; VERMA, Suman. (1999), “How children and adolescents spend time across the world: work, play, and developmental opportunities”. Psychological bulletin, Champaign, v. 125, n. 6, p. 701–36.

MENDONÇA, Ricardo Fabrino; SIMÕES, Paula Guimarães. (2012), “Enquadramento: diferentes operacionalizações analíticas de um conceito”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 27, p. 187-201.

MINKOFF, Yael; RILEY, Jillian. (2011), “Perspectives of Time-Use: exploring the use of drawings, interviews and rating-scales with children aged 6-7 years”. Journal of Occupational Science, London, v. 18, n. 4, p. 306–321.

NUNES, Brasilmar F. (2003), Sociedade e infância no Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

NUNES, João Arriscado. (1993), “Erving Goffman, a análise de quadros e a Sociologia da Vida Quotidiana”. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 37, p. 33-49.

OBSERVATÓRIO do PNE. (2015), Indicadores da Educação Infantil. Disponível em: . Acesso em 29 de julho de 2015.

OWENS, Judith A. (2004), “Sleep in children: cross-cultural perspectives”. Sleep and Biological Rhythms, v. 2, p. 165-173.

PERRENOUD, Philippe. (1995), Ofício de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto: Porto Editora.

PROUT, Alan; JAMES, Allison. (1997), “A new paradigm for the sociology of childhood? Provenance, promise and problems”. In: JAMES, A.; PROUT, A. Constructing and reconstructing childhood. London: Falmer Press. p. 7-33.

PROUT, Alan. (2010), “Reconsiderando a nova sociologia da infância”. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 40, n. 141.

SACRISTÁN, José Gimeno. (2005), O aluno como invenção. Porto Alegre: Artmed.

SARMENTO, Manuel Jacinto. (2000), “O Ofício de Criança”. In: CONGRESSO INTERNACIONAL, 2, 2000, Braga. Anais do II do Congresso Internacional: os mundos sociais e culturais da infância. Braga; Universidade do Minho. p. 125-145.

SPOCK, Benjamin McLane. (1946), The Pocket Book of Baby and Child Care. New York: Pocket Books/Rockefeller Center.

TEIXEIRA, Vitor; CRUZ, Orlanda. (2006), “O uso do tempo das crianças: um estudo comparativo entre 1999 e 2006”. In: CONGRESSO INTERNACIONAL EM ESTUDOS DA CRIANÇA, 1, Braga. Anais ... Braga. p. 1-20.

VOGLER, Pia; MORROW, Virginia; WOODHEAD, Martin. (2009), Conceptualising and measuring children’s time use: a technical review for young Lives. Oxford: Young Lives.

http://dx.doi.org/10.20336/rbs.192

DOI: 10.20336/rbs.192


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index