Movimentos sociais indígenas em transformação: a estruturação política das lutas étnicas e suas organizações na Amazônia maranhense

Zulene Muniz Barbosa, Uslan Junior de Sousa Mesquita

Resumo


Este artigo pretende contribuir com as reflexões referentes às questões indígenas na Amazônia maranhense a partir do panorama nacional, e tendo como cenário os rearranjos do Estado brasileiro nas décadas de 1970 e 1980. Empreende-se uma análise dos processos históricos, políticos e sociais que forjaram as condições para o surgimento dos movimentos sociais indígenas, politicamente articulados. A mudança de perspectiva do indígena como protagonista de suas próprias lutas ocorreu especificamente no bojo de projetos desenvolvimentistas como o Projeto Grande Carajás, cuja consequência foi a desestruturação dos seus territórios. A repressão e a ameaça de supressão de suas terras, no entanto, ao invés de instaurar o medo nas lideranças, significou o amadurecimento da percepção de uma “causa indígena” e o vislumbrar dos embates étnicos no cotidiano desses povos.


Referências


ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. (2012), “Territórios e territorialidades especificas na Amazônia: entre a proteção e o protecionismo”. Cadernos CRH, Salvador, vol. 25 pp 64-71.

______. Terras de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livres”, “castanhais do povo”, faixinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. 2ª ed. Manaus: PGSCA-UFAM, 2008.

___________. Carajás: a guerra dos mapas. Belém/PA: Supercores, 1995.

ALMEIDA, Lúcio Flavio de. (2007), “Lutas Sociais e Questões Nacionais na América Latina: algumas reflexões”. Revista Lutas Sociais 17/18, pp.64-77, 2º sem.

__________. (1997), “De JK a FHC: apontamentos para análise das lutas sociais no Brasil contemporâneo”. In: RAMPINELLI, Waldir; OURIQUES, Nildo (Org.). No fio da navalha: crítica das reformas de FHC. São Paulo, Xamã.

BARBOSA, Zulene Muniz. (2006), Maranhão, Brasil: lutas de classes e reestruturação produtiva em uma nova rodada de transnacionalização do capitalismo. São Luís: UEMA.

BOMBIERI, Cláudio. Violência sem Fronteiras na Pré-Amazônia Maranhense. (2007), Disponível em: http://combonianosbne.org/PgAnteriores/Conjuntura/violencia_preamazonia.html. Acesso em 15/09/09.

BRASIL. (2004), Decreto presidencial n° 5.051 que promulga a convenção 169. Disponível em: . Acesso em 15/09/09.

BRASIL. (1995), Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília. Disponível em: < http://www.bresserpereira.org.br/Documents/Mare/Planodiretor/Planodiretor.Pdf>. Acesso em: 02/11/2016.

CASTRO, Edna. (2005), “Dinâmica Socioeconômica e Desmatamento na Amazônia”. Novos Cadernos NAEA, v. 8, n. 2, p. 5-39, dez.

CRUZ, Valter do Carmo. “Territórios, Identidades e Lutas Sociais na Amazônia”. XII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. UFPA, 2007. Disponível em Acesso em 09/04/2017.

DIAS, Rafael Mendonça; CARVALHO, Sandra; MANSUR, Isabel (Orgs.). (2013), Na Linha de Frente: criminalização dos defensores dos direitos humanos no Brasil (2006-2012). Justiça Global: Rio de Janeiro.

DINIZ, Edson Soares. (1983), “Convívio e Dependência: os Tenetehara-Guajajara”. Journal de La Société des Americanistes, Anée 1983, Volume 69, n 1. Disponível em: . Acesso em 17/11/2009.

HECK, Hegon; LOEBENS, Francisco; CARVALHO, Priscila D. (2005), “Amazônia Indígena: Conquista e desafios”. Dossiê Amazônia Brasileira I. Jan. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142005000100015>. Acesso em: 02/11/2016.

HENRIQUES, Ricardo et al. (Org.). (2007), Educação Escolar Indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Brasília: Secad/MEC.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem da População, 1996 (Online) Disponível em: . Acesso em: 09/04/2017.

___________. Censo online. (2010), disponível em: Acesso em 09/04/2017.

LUCIANO, Gersem dos Santos. (2006), “O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje”. Brasília: MEC/SECAD, LACED/Museu Nacional. (Coleção Educação para Todos, v. 12).

LÓPEZ, Laura C. (2005), “O Local e o Transnacional nas Negociações pela Inclusão da Categoria Afrodescendente no Censo Argentino”. Revista Mediações Londrina, v. 10, n. 2, p.163-182, Jul./Dez.

LUNA, Regina Celi Miranda dos Reis. (1984), A Terra era Liberta: um estudo da luta dos posseiros no vale do Pindaré – Maranhão. São Luis: UFMA.

MESQUITA, Uslan J. Sousa. (2010), Movimentos sociais indígenas em transformação: embates étnicos na pré-amazônia maranhense. Monografia. São Luís: UEMA.

MORAIS, Marli Alcântara Ferreira. O tempo dos trabalhadores nos trilhos do capital: o processo de aceleração temporal na Companhia Vale do Rio Doce/MA. UFMA: São Luís, 2007. Tese (Doutorado em políticas públicas).

NAVARRO, Cristiano. (2005), “Povo Guajajara é vitima de terror e morte anunciada”. Disponível em . Acesso em: 09/10/10.

OLIVEIRA, João Pacheco de; FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. (2006), “A Presença Indígena na Formação do Brasil”. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional.

REVISTA PORANTIM. (2005), Crime de Pistolagem: Povo do Bacurizinho. Ano XXVI, Nº 276 Brasília-DF, Jun/Jul.

SANTOS FILHO, Milton. (1995), “Grandes projetos e o sistema financeiro internacional”. In: CASTRO, Edna e MAIA, Maria Lúcia (orgs.). Industrialização e grandes projetos: desorganização e reorganização do Espaço. Belém, UFPA.

SANTOS, Breno Augusto dos. (2002), “Recursos Minerais da Amazônia”. Estudos Avançados. vol.16, no.45. São Paulo: May/Aug. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142002000200009>

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142002000200009. Acesso em: 11/10/2016.

SEMA - Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais. (2011), Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento e das Queimadas no Estado do Maranhão. Disponível em: . Acesso em: 30/10/2016.

http://dx.doi.org/10.20336/rbs.191

DOI: 10.20336/rbs.191


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index