As ciências sociais brasileiras e a formação do “campo da segurança pública”

Francisco Thiago Rocha Vasconcelos

Resumo


Neste trabalho abordamos a formação do “campo da segurança pública”, entendido como convergência nacional entre espaços acadêmicos e arenas de políticas públicas nos anos 2000. Procuramos demonstrar sua formação através da intersecção das trajetórias intelectuais e políticas de uma fração hegemônica de cientistas sociais comprometidos com a institucionalização das ciências sociais e com as mobilizações que constituíram a “violência urbana” como problema público desde os anos 1970, quando emergem diferentes agendas políticas presentes nas disputas pela reforma do sistema de justiça criminal. Em consequência, constata-se que há uma relação de mútua influência entre as coalizões de reforma dos campos político-burocráticos em direitos humanos e segurança pública e as agendas de pesquisa sobre a “questão criminal” no Brasil.


Referências


ADORNO, Sérgio. (1993), “A Criminalidade Urbana Violenta no Brasil: um recorte temático”. BIB – Boletim Informativo e Bibliográfico de Ciências Sociais, n. 35, 1 semestre, p. 03 – 24.

______. (1996), A Gestão Urbana do Medo e da Insegurança: Violência, Crime e Justiça Penal na Sociedade Brasileira Contemporânea. Tese de Livre-Docência, FFLCH-USP.

______ & BARREIRA, César. (2010), “A violência na sociedade brasileira”. In: Horizontes das Ciências Sociais – Sociologia. São Paulo: ANPOCS.

______ & CARDIA, Nancy. (2002), “Das análises sociais aos direitos humanos”. In: BROOKE, N.; WITOSHYNSKY, M (Orgs.). Os 40 anos da Fundação Ford no Brasil: uma parceria para a mudança social. São Paulo/Rio de Janeiro: EDUSP / Fundação Ford.

BATITUCCI, Eduardo. (2013), “O Militar e o cientista: trajetória profissional e cultura policial dos oficiais de uma polícia militar brasileira”. Paper, 37a ANPOCS.

BATISTA, Nilo. (1990), Introdução Crítica ao Direito Penal Brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Revan.

BATISTA, Vera M. (2009), “Prefácio”. In: LOPES, Edson. Política e Segurança Pública: uma vontade de sujeição. Rio de Janeiro: Contraponto.

______. (2010), “Entrevista”. In: LEAL, Ana Beatriz et al. (org). Sonho de uma Polícia Cidadã: Coronel Carlos Magno Nazareth Cerqueira. Rio de Janeiro: NIBRAHC, p. 38 – 48.

______. (2011), Introdução crítica à criminologia brasileira. Rio de Janeiro: Revan.

BEATO FILHO, Cláudio (org.). (2008), Compreendendo e Avaliando Projetos de Segurança Pública. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

______. (2011), “Entrevista”. In: LIMA, Renato & RATTON, José L. (Org.), As Ciências Sociais e os pioneiros no estudo do crime, da violência e dos direitos humanos no Brasil. São Paulo: ANPOCS, p. 280 – 295.

______. (2012), Crime e Cidades. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

BOURDIEU, Pierre. (1979), “La spécificité du champ scientifique et les conditions sociales du progrès de la raison”. Sociologie et Societés.

CARNEIRO, Leandro P. (2010), “Mudança de guarda: as agendas da segurança pública no Rio de Janeiro”. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 4, p. 48-70.

CARVALHO, Glauber Silva de. (1999), Abordagens Teóricas da Violência Criminal: respostas das Ciências Sociais a um momento político. Dissertação de Mestrado em Sociologia. São Paulo, FFLCH-USP.

CARVALHO, Salo de. (2014), “O ‘gerencialismo gauche’ e a crítica criminológica que não teme dizer seu nome”. R. Dir. Gar. Fund., Vitória, v. 15, n. 1, p. 125-155, jan./jun.

COELHO, Edmundo C. (1978), “A criminalização da marginalidade e a marginalização da criminalidade”. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 12(2), p. 139-161.

FORJAZ, Maria C. S. (1997), “A emergência da ciência política no Brasil: aspectos institucionais”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.12, n.35.

FOUCAULT, Michel. (2000), Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

FREITAS, Renan S. & RIBEIRO, Ludmila M. (2013), “Balanço e perspectivas da sociologia no Brasil: uma abordagem comparativa”. Revista Brasileira de Sociologia, v. 1, p. 69-113.

______&______. (2014), “Some Current Developments in Brazilian Sociology of Crime: Towards a Criminology?” International Journal of Criminology and Sociology, v. 3, p. 175-185.

FUKS, Mário. (2000), “Definição da Agenda, debate político e problemas sociais: uma perspectiva argumentativa da dinâmica do conflito social”. In: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais. São Paulo, v.49, p.79-94.

GARCIA, Mariana D. de O. (2014), A criminologia no ensino jurídico no Brasil. Dissertação de Mestrado. Centro de Ciências Jurídicas – UFSC.

GUSFIELD, Joseph R. (1981), The culture of public problems: drinking-driving and the simbolic order. Chicago/London, The University of Chicago Press.

HAAS, Peter M. (1992), “Epistemic Communities and International Policy Coordination”. International Organization, n.46, p.1-35.

JOSSELIN, Daphné. (1995), Économie politique internationale: de l'usage multiforme des réseaux de politique publique. Le Galès and Thatcher (eds.).

KANT DE LIMA, Roberto; MISSE, Michel; MIRANDA, Ana P. M. de. (2000), “Violência, Criminalidade, Segurança Pública e Justiça Criminal no Brasil: uma bibliografia”. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, Rio de Janeiro, n.50, p.45-123.

KARAM, Maria L. (1996), “A esquerda punitiva”. Discursos sediciosos: crime, direito e sociedade, ano 1, n. 1, p. 79-92.

KEINERT, Fabio C.; SILVA, Dimitri P. (2010), “A gênese da ciência política brasileira”. Revista de sociologia da USP. vol. 22, n. 1, junho, p. 79-98.

LAVALLE, Adrian. G.; BÜLOW, Marisa. V. (2014), “Sociedade civil e institucionalização da intermediação: Brokers diferentes, dilemas semelhantes”. Política & Sociedade, V.13, n.28.

LEAL, Ana B. et al. (2010), Sonho de uma polícia cidadã: Coronel Carlos Magno Nazareth Cerqueira. Rio de Janeiro: NIBRAHC.

LEEDS, Elizabeth (2011), “Prefácio”. In: LIMA, Renato & RATTON, José L. (Org.), As Ciências Sociais e os pioneiros no estudo do crime, da violência e dos direitos humanos no Brasil. São Paulo: ANPOCS, p. 07 – 09.

LENOIR, Remi. (1996), “Objeto sociológico e problema social”. In: MERLLIÉ, Dominique et al. Iniciação à prática sociológica. Petrópolis-RJ: Vozes.

LESSA, Renato. (2011), “Da interpretação à ciência: por uma história filosófica do conhecimento político no Brasil”. Lua Nova, São Paulo, 17-60.

LIMA, Renato S. de. et al. (2009), Mapeamento das conexões teóricas e metodológicas da produção acadêmica brasileira em torno dos temas da violência e da segurança pública e as suas relações com as políticas públicas da área adotadas nas últimas duas décadas (1990-2000). São Paulo: FAPESP.

______. (2011), Entre palavras e números: violência, democracia e segurança pública no Brasil. São Paulo: Alameda.

______ & RATTON, José L. (Orgs.). (2011), As Ciências Sociais e os pioneiros no estudo do crime, da violência e dos direitos humanos no Brasil. São Paulo: ANPOCS.

LOPES, Edson. (2009), Política e segurança pública: uma vontade de sujeição. Rio de Janeiro: Contraponto.

MACHADO DA SILVA, Luiz A. (org.). (2009), “Refundar a polícia ou a sociedade?” Observatório da Cidadania (Rio de Janeiro).

______. (2011), “Entrevista”. In: LIMA, Renato & RATTON, José L. (Org.), As Ciências Sociais e os pioneiros no estudo do crime, da violência e dos direitos humanos no Brasil. São Paulo: ANPOCS, p. 146 – 175.

MEDVETZ Thomas. (2009), “Les think tanks aux États-Unis. L'émergence d'un sous-espace de production des savoirs”. Actes de la recherche en sciences sociales, n° 176-177, p. 82-93.

MICELI, Sérgio. (1990), A desilusão americana. Relações acadêmicas entre Brasil e Estados Unidos. São Paulo, Sumaré/Idesp.

MINGARDI, Guaracy. (1992), Tiras, gansos e trutas. São Paulo: Editora Scritta.

MISSE, Michel & MOTTA, Dilson. (1979), Crime: o social pela culatra. Rio de Janeiro, Achiamé-Socii.

______. (2006), Crime e Violência no Brasil Contemporâneo: Estudos de Sociologia do Crime e da Violência Urbana. 1. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

MONTEIRO, Felipe et al. (2014), O estado da arte na produção de ciencias sociais e segurança pública. IX ENCONTRO DA ABCP.

PAVEZ, Thais et al. (2011), “Redes sociais e segurança pública: características e reflexões à luz do processo preparatório para a 1ª Conseg”. Revista Brasileira de Segurança Pública, Ano 5, ed. 9, São Paulo.

PERALVA, Angelina. (2000), Violência e democracia: o paradoxo brasileiro. São Paulo: Paz e Terra.

PRADAL, Fernanda F. (2013), Política e Segurança Pública no Brasil: uma problematização da perspectiva especialista liberal. Dissertação em Direito. PUC-RJ.

RAMOS, Silvia. (2007), Respostas brasileiras à violência no campo da segurança pública - os movimentos sociais e as organizações não-governamentais. Tese em Saúde Pública. Fundação Oswaldo Cruz.

______(2013), “O campo de estudos e ação sobre violência, segurança e justiça: constituição, relacionamento com outras áreas e perspectivas”. Disponível em: .

RIFIOTIS, Theophilos. (1999), “Violência policial e imprensa: o caso da Favela Naval”. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 13, n.4, p. 28-41.

SAPORI, Luís F. (2007), Segurança pública no Brasil: desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - SENASP. (2006), Relatório de Gestão. Disponível em: www.justica.gov.br>relatorio-gestao-2006.

SINHORETTO, Jacqueline. (2011), A justiça perto do povo. Reforma e gestão de conflitos. 1. ed. São Paulo: Alameda, v. 1. 438p.

SOARES, Luiz E. & SENTO-SÉ, João T. (1999), “Dilemas de um aprendizado difícil: Estado e segurança pública no Rio de Janeiro”. Programa Mare-Capes-CNPq – Reforma do Estado, 2010.

______. (2001), “Espaço Aberto – Entrevista”. Horizontes Antropológicos, v. 15, p. 237-270.

______. (2015), Quem comanda a segurança pública no Brasil? Editora Letramento.

SOUZA, Robson. (2015), Quem comanda a segurança pública no Brasil? Editora Letramento.

TAVARES DOS SANTOS, José V. (2009), Violências e Conflitualidades. Porto Alegre: Tomo Editorial.

______. (2010), “The Dialogue between Criminology and the South’s Sociology of Violence: The Policing Crisis and Alternatives”. In: BURAWOY, M. et al. (Org.). Facing an unequal world: challenges for a global sociology. Taiwan: ISA.

TSUNODA, Fabio. (2013), Comissão Teotônio Vilela (CTV): direitos humanos e vocação militante. Dissertação em Sociologia, USP.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF. (2008), Projeto de curso superior de bacharelado em segurança pública e social.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS – UFMG. (2016), Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP). Disponível em: www.crisp.ufmg.br. Último acesso: 19/12/2016.

VALLADARES, Lícia. (2005), A Invenção da Favela, 1. ed. Rio de Janeiro: FGV Editora.

VASCONCELOS, Francisco Thiago Rocha. (2014), Esboço de uma sociologia política das ciências sociais contemporâneas (1968-2010): a formação do campo da segurança pública e o debate criminológico no Brasil. Tese em Sociologia, FFLCH-USP.

______. (2015), “O 'campo da segurança pública' no Brasil: cientistas sociais como grupo dirigente?”. Anais do 39 Encontro Nacional da ANPOCS. Caxambu.

ZALUAR, Alba. (1999), “Violência e Crime”. In: MICELI, Sérgio. (org.) O que ler na Ciência Social brasileira (1970-1995), vol. 1: Antropologia. São Paulo: Sumaré/ANPOCS.

http://dx.doi.org/10.20336/rbs.190

DOI: 10.20336/rbs.190


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index