A ética em pesquisa e a estética do conhecimento

Túlio Batista Franco

Resumo


Os Comitês de Ética em Pesquisa, originalmente concebidos para aná- lise  dos  riscos  a que  se  submetem aqueles que  participam da  pes- quisa, a partir de resoluções do Conselho Nacional de Saúde, come- çaram  a proceder à análise também das  metodologias da  pesquisa um  exame  dos  projetos de  pesquisa reunidos na  Plataforma Brasil, sob  o acompanhamento da  Comissão Nacional de  Ética  em  Pesqui- sa, evidencia um  padrão de  conduta na  pesquisa regido  pelo  méto- do  científico convencional, de  recorte positivista. O presente texto busca levantar os problemas enfrentados por  investigações na  área de ciências sociais  e humanas que não se pautam em condutas e pro- tocolos  particularmente válidos para  as ciências biomédicas. Sobre- tudo  naqueles campos do saber  opera  também a “ciência intuitiva” (scientia intuitiva) proposta por  Spinoza, como  um  reconhecimento de  que  pesquisar é um  ato  de  produção do  mundo e de  si, um  ato criativo. Por  estes  motivos, caberia aos  Comitês de  Ética  regular os projetos com relação exclusivamente aos possíveis e tangíveis riscos, reservando, às questões de método graus  máximos de liberdade, de tal modo  a refletir a própria diversidade do conhecimento.

Referências


BRASIL – Conselho Nacional de Saúde. Manual Operacional para Co- mitês de Ética em Pesquisa. http://conselho.saude.gov.br/web_comis- soes/conep/aquivos/materialeducativo/Manual_ceps_v2.pdf, acesso em março de 2015.

BRASIL - Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466 do CNS. http://con- selho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf, acesso em março de 2015.

BRASIL – Ministério da Saúde. Plataforma Brasil. http://aplicacao. saude.gov.br/plataformabrasil/login.jsf, acesso em março de 2015.

BRASIL – UFRGS. Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesqui- sa da UFRGS. http://www.ufrgs.br/cep/dados-cep-1/regimento, acesso em março de 2015.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto (2004), “Pesquisa em ver- sus Pesquisas com seres humanos”. In: VÍCTORA, Ceres; OLIVEN, Ruben George; MACIEL, Maria Eunice; ORO, Ari Pedro (org.). Antro- pologia e Ética, o debate atual no Brasil. Niterói: EdUFF.

CASTRO SANTOS, Luiz Antônio de. (2013) “Crítica aos atuais co- mitês de ética na pesquisa no Brasil”. Hist.Cienc.Saude-Mangui- nhos, v.21, n.1, pp. 1095-1099.

DELEUZE, Gilles (1995), Mil Platôs, capitalismo e esquizofrenia, vol. 3. São Paulo: Editora 34.

DELEUZE, Gilles (2002), Espinosa, filosofia prática. São Paulo: Edi- toria Escuta.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix (1972), Anti-Édipo. Lisboa: Sírio e Alvim.

FRANCO, Túlio B. et al., (2006), A Produção Subjetiva do Cuidado: Cartografias da Estratégia Saúde da Família. São Paulo: Hucitec.

LEMIEUX, René (2007), “Lecture de Deleuze: Essai sur la pensée éthique chez Gilles Deleuze, Maitrise en Science Politique”, Univer- sité du Québec à Montréal, 2007.http://www.archipel.uqam.ca/837/1/ M10115.pdf. Acesso em 17 de março de 2015.

SPINOZA, Baruch (2004 [1670?]), Tratado da Reforma da Inteligência. São Paulo: Martins Fontes.

SPINOZA, Baruch (2008 [1674?]), Ética. Belo Horizonte: Editora Autêntica.

.................

http://dx.doi.org/10.20336/rbs.100

DOI: 10.20336/rbs.100


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544

 

Indexado por:

Hispanic American Periodicals Index