O movimento musical LGBT e seus contramovimentos / The LGBT musical movement and its countermovements

Nicolas Wasser

Resumo


Este artigo trata de conflitos culturais e de movimentos contracorrentes que atualmente ocorrem em torno de gênero. Nos últimos anos, observa-se a formação de um movimento musical LGBT brasileiro, liderado por linguagens trans e negras, incluindo artistas como Liniker, As Bahias e a Cozinha Mineira, Linn da Quebrada e, ainda, pop stars, como Pabllo Vittar. Tal movimento articula um impactante campo de agenciamento de gêneros e sexualidades contemporâneas. Neste artigo, analisa-se o seu impacto não apenas a partir de sua linguagem interseccional e de suas políticas LGBT, mas também através da dinâmica conflituosa que o expõe aos chamados movimentos antigênero. Como será mostrado, esses contramovimentos fazem uso de diferentes ataques digitais às cantoras LGBT, que permitem radicalizar o ódio, mais geral, voltado contra supostos traidores da nação.

Abstract 

This article deals with cultural conflicts and countercurrent movements that currently occur around gender. In recent years, a Brazilian LGBT musical movement emerged, including artists such as Liniker, As Bahias and Cozinha Mineira, Linn da Quebrada and also pop stars, such as Pabllo Vittar. Led by trans and black activist discourse, this movement articulates a relevant field of agency of contemporary genders and sexualities. In this article, its impact is analyzed not only from its intersectional language and its LGBT politics, but also through the conflicting dynamics that expose it to so-called anti-gender movements. As will be shown, these countermovements are using different digital attacks on LGBT singers that allow to radicalize hatred towards supposed traitors of the nation.


Texto completo:

PDF

Referências


Aguião, Silvia (2018). “Fazer-se no Estado”: uma etnografia sobre o processo de constituição dos “LGBT” como sujeitos de direitos no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Albrecht, Stephen; Fielitz, Maik & Thurston, Nick (2019). Introduction. In: Fielitz, N.; Thurston, N. (orgs.). Post-digital cultures of the far right: Online actions and offline consequences in Europe and the US (pp. 7-24) Bielefeld, Alemanha: Transcript.

Balieiro, Fernando F. (2018). “Não se meta com meus filhos” – a construção do pânico moral das crianças sob ameaça. Cadernos Pagu, 53, e185306.

Barros, Samuel A.R.; Santos, Matheus A.; Passos, Jéssica M.; Oliveira, Paula C. J. A.; Silva, Marta C. & Gomes, Itania M. M. (2011). A sexualidade em Amor & Sexo: representação, discurso e regime de verdade. INICIACOM, 3 (1).

Batista, Fabiano E. A. (2019). A construção das emoções na mídia brasileira: uma análise do programa Amor & Sexo: o que se tem pensado/falado sobre o amor na TV? Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas). Universidade Federal de Juiz de Fora – Juiz de Fora.

Boix, Ornela (2019). New uses of music. An analysis based on indie music in Buenos Aires”. Civitas, 19 (1), 230-246.

Brum, Eliane (2018, 12 fevereiro). Fui morto na internet como se fosse um zumbi da série The Walking Dead. EL PAÍS Brasil. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/02/12/opinion/1518444964_080093.html

Brum, Eliane (2018, 21 novembro). O ataque dos machos brancos. A tensão de gênero, raça e classe marcou a eleição de 2018. EL PAÍS Brasil. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/11/21/opinion/1542809746_443796.html

Coacci, Thiago (2018). Conhecimento precário e conhecimento contra-público: a coprodução dos conhecimentos e dos movimentos sociais de pessoas trans no Brasil. Tese (Doutorado em Ciência Política). Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte.

Colling, Leandro (2018). A emergência dos artivismos das dissidências sexuais e de gêneros no Brasil da atualidade. Sala Preta, 18 (1), 152-167.

Facchini, Regina (2018). Múltiplas identidades, diferentes enquadramentos e visibilidades: um olhar para os 40 anos do movimento LGBT. In: Green, J.N., Quinalha, R., Caetano, M. & Fernandes, M. (orgs.). História do Movimento LGBT no Brasil (pp. 311-330). São Paulo: Alameda.

Facchini, Regina & Sívori, Horacio (2017). Conservadorismo, direitos, moralidades e violência: situando um conjunto de reflexões a partir da Antropologia. Cadernos Pagu, 50, e175000.

França, Isadora L. (2012). Consumindo lugares, consumindo nos lugares: homossexualidade, consumo e subjetividades na cidade de São Paulo. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Freitas, Eliane Tânia (2017). Linchamentos virtuais: ensaio sobre o desentendimento humano na internet. Revista Antropolítica, 42, 40-163.

Frith, Simon (1996). Performing rites. On the value of popular music. Cambridge MA: Harvard University Press.

Gomes, Carla de C. (2017). Corpo e emoção no protesto feminista: a Marcha das Vadias do Rio de Janeiro. Sexualidad, Salud y Sociedad, 25, 231-255.

Gonçalves, Alexandre O. (2019). Religião, política e direitos sexuais: controvérsias públicas em torno da ‘cura gay’. Religião e Sociedade, 39 (2), 175-199.

Gonçalves, Renato. (2016). Nós duas: as representações LGBT na canção brasileira. São Paulo: Lapis Roxo.

Gonçalves, Renato. (2017, setembro). Uma leitura comunicacional das mediações da canção na contemporaneidade. Uma leitura de ‘Zero’, de Liniker. Trabalho apresentado no Intercom, 40° Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-2739-1.pdf

Green, James. (2000). Além do carnaval. A homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: Editora UNESP.

Grunvald, Vitor. (2019). Lâmpadas, corpos e cidades: reflexões acadêmico-ativistas sobre arte, dissidência e a ocupação do espaço público. Horizontes Antropológicos, 25 (55), 263-290.

Hall, Stuart. (2019). Cultural studies and its theoretical legacies [1992]. In: Morley, D. (org.). Stuart Hall: selected writings, vol. 1 (pp. 71-100). Durham e Londres: Duke University Press.

Hebdige, Dick. (1979). Subculture: The Meaning of Style. Londres: Routledge.

Hill Collins, Patricia & Bilge, Sirma. (2016). Intersectionality. Cambridge e Malden: Polity Press.

Junqueira, Rogério D. (2017). ‘Ideologia de gênero’: A invenção de uma categoria polêmica contra os direitos sexuais. In: Ramos, M.M.; Nicoli, P.A.G.; & Alkmin, G.C. (orgs.). Gênero, sexualidade e direitos humanos: perspectivas multidisciplinares (pp. 221-236). Belo Horizonte: Initia Via.

Lemos, Urbano Jr. & Gosciola, Vicente. (2018). Representando a representatividade: identidade e gênero no teatro brasileiro contemporâneo. Revista Aspas, 8 (1), 98-107.

Lima, Stephanie P. (2017). Os limites da ‘experiência’ e da ‘liberdade’ no Encontro Nacional Universitário da Diversidade Sexual (ENUDS). Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, 25, 256-276.

Machado, Bernardo F. (2019). Moral do controle: sobre inquietações e propostas para pensar ‘ideologia de gênero’ e o Escola Sem Partido. Cadernos de campo, 28 (2), 32-38.

Mascarenhas Neto, Rubens & Zanoli, Vinícius. (2019). Black, LGBT and from the favelas: an ethnographic account on disidentificatory performances of an activist group in Brazil. Culture Unbound, 11 (1), 124–140.

Messenberg, Débora. (2017). A direita que saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros. Revista Sociedade e Estado, 32 (3), 621-647.

Miskolci, Richard. (2018). Exorcizando um fantasma: os interesses por trás do combate à ‘ideologia de gênero’. Cadernos Pagu, 53, e185302.

Moreira, Melissa I. (2018). Vozes transcendentes: os novos gêneros na música brasileira. São Paulo: Hoo Editora.

Muñoz, José E. (1999). Disidentifications: queers of color and the performance of politics. Minneapolis/Londres: University of Minnesota Press.

Napolitano, Marcos. (2002). História & Música. Belo Horizonte: Autêntica.

Napolitano, Marcos. (2007). A síncope das idéias: a questão da tradição na música popular brasileira. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Nascimento, Iúrio F.; Santos, Maria A., & Rodrigues, Isadora M. (2017, junho). Gênero e sexualidade: uma análise do programa ‘Amor & Sexo’ exibido em 02 de Março de 2017. Trabalho apresentado no Intercom, XIX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste, Fortaleza. http://www.portalintercom.org.br/anais/nordeste2017/resumos/R57-1282-1.pdf

Noleto, Rafael da S. (2016). O canto da laicidade: Daniela Mercury e o debate sobre o casamento civil igualitário no Brasil. Religião e Sociedade, 36 (2), 136-160.

Paulino, Luana E., & Nunes, Máira de S. (2017). Pabllo Vittar: Uma análise de recepção ao videoclipe corpo sensual e visibilidade LGBT. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado Comunicação Social). Centro Universitário Internacional Uninter – Curitiba.

Pereira, Lívia M. D. (2018, outubro). O ‘roteiro do linchamento’ de Pabllo Vittar: O discurso de ódio como forma de preservar identidades e valores tradicionais. Trabalho apresentado no COMUNICON, São Paulo. http://anais-comunicon.espm.br/GTs/GTGRAD/GT12/GTGRADUACAO_PEREIRA.pdf

Prado, Marco Aurélio M., & Correa, Sonia. (2018). Retratos transnacionais e nacionais das cruzadas antigênero. Psicologia Política, 18 (43), 444-448.

Ribeiro, Bruno, & França, Isadora L. (2017, outubro). Sobre flertes e afrontes: entrecruzamentos de raça, gênero e sexualidade em duas festas na cidade de São Paulo. Trabalho apresentado no 25º Congresso de Iniciação Cientifica da Unicamp, Campinas. https://proceedings.science/unicamp-pibic/pibic-2017/papers/sobre-flertes-e-afrontes--entrecruzamentos-de-raca--genero-e-sexualidade-em-duas-festas-na-cidade-de-sao-paulo

Ribeiro, Bruno. (2018, dezembro). “De suor, close e movimento”: a cena preta LGBT de São Paulo e sua construção a partir de festas politicamente engajadas. Trabalho apresentado na 31ª Reunião Brasileira de Antropologia, Brasília/DF.

Ribeiro, Djamila. (2018). Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras.

Rocha, Rose & Rezende, Aline. (2019). Diva da sarjeta: ideologia enviadescida e blasfêmea pop-profana nas políticas de audiovisibilidade da travesti paulistana Linn da Quebrada. Contracampo, 38 (1), 22-34.

Roth, Julia. (2020). Intersectionality strikes back: right-wing patterns of en-gendering and feminist contestations in the Americas”. In: Dietze, G.; Roth, J. (orgs.). Right-wing populism and gender: European perspectives and beyond (pp. 251-271). Bielefeld: Transcript.

Roy, William G. & Dowd, Timothy J. (2010). What is sociological about music?. Annual Review of Sociology, 36, 183–203.

Santos, Jaqueline S. M., & Brasil, Natasha F. M. (2017, julho). “O grito tem que ser potente”: O feminismo negro de MC Carol e Karol Conka. Trabalho apresentado no Seminário Internacional Fazendo Gênero, Florianópolis. www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resourcesanais1499430358_ARQUIVO_ OGritoTemQueSerPotente.pdf

Santos, Ana Paula M. T., & Santos, Marinês R. (2018). Geração tombamento e afrofuturismo: a moda como estratégia de resistência às violências de gênero e de raça no Brasil. Dobras, 11 (23), 157-181.

Semán, Pablo. (2016). Música, juventud, hegemonía: salidas de la adolescencia. Estudios Sociológicos, 34 (100), 3-40.

Silva, Gleicy M. (2019). Corpo, política e emoção: feminismos, estética e consumo entre mulheres negras. Horizontes Antropológicos, 25 (54), 173-201.

Vila, Pablo (2012), “Práticas Musicais e Identificações Sociais”. Significação, v. 39, n. 38, pp. 247-277.

Villa, Paula-Irene; Jäckel, Julia; Pfeiffer, Zara; Sanitter, Nadine & Steckert, Ralf. (2012). Banale Kämpfe? Perspektiven auf Populärkultur und Geschlecht. Eine Einleitung. In: Villa, P., Jäckel, J., Pfeiffer, Z., Sanitter, N. & Steckert, R. (orgs.). Banale Kämpfe? Perspektiven auf Populärkultur und Geschlecht (pp. 7-22). Wiesbaden: VS Verlag für Sozialwissenschaft.

Wasser, Nicolas. (2017). The promise of diversity. how Brazilian brand capitalism affects precarious identities and work. Bielefeld: Transcript.

Wasser, Nicolas & França, Isadora L. (2020). In the line of fire: sex(uality) and gender ideology in Brazil”. Femina Politica, 29 (1), 138-141.

Zanoli, Vinícius P. C. (2019). “Bradando contra todas as opressões!”: uma etnografia sobre teias e trocas entre ativismos LGBT, negros, populares e periféricos (Campinas, 1998-2018). Tese. (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.724

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Nicolas Wasser

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 4.

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 13