Entre o “cuidado da casa comum” e a “psicose ambientalista”: disputas em torno da ecoteologia católica no Brasil / Between “Care of the Common House” and “Environmental Psychosis”: Disputes Around Catholic Ecotheology in Brazil

Renan William dos Santos

Resumo


O artigo discute os conflitos de enquadramento e contraenquadramento desencadeados pela mobilização da Igreja Católica no Brasil em torno das questões ambientais. O primeiro passo consiste em mostrar como sacerdotes brasileiros manejaram, ao longo das últimas décadas, as molduras interpretativas estabelecidas pela ecoteologia católica oficial, elaborada no Vaticano. Em seguida, a análise se desloca para as principais características das contestações antiambientalistas encampadas pelo Instituto Plinio Corrêa de Oliveira (IPCO), uma espécie de think tank do conservadorismo católico brasileiro. Por fim, são examinadas algumas das convergências entre os enquadramentos propostos pelo IPCO e pelo atual governo federal brasileiro.

Abstract

The article aims to discuss the conflicts of framing and counter-framing raised by the environmental mobilization of the Catholic Church in Brazil. In the first part, it is presented how the Brazilian priests maneuvered, in the last decades, the frameworks established by the official Catholic ecotheology created in the Vatican. Then, the analysis proceeds to the main characteristics of the anti-environmentalist contests carried out by the Instituto Plinio Corrêa de Oliveira (IPCO) [Plinio Corrêa de Oliveira Institute], a kind of think tank of Brazilian Catholic conservatism. Finally, some convergences between the frames proposed by the IPCO and members of the current federal government in Brazil are examined.


Texto completo:

PDF

Referências


Agliardo, Michael. (2016). The U.S. Catholic response to climate change. In: Robing G. Veldman, Andrew Szasz, & Randolph Haluza-Delay (orgs.). How the World’s Religions Are Responding to Climate Change (pp. 174-192). New York: Routledge.

Alonso, Angela. (2009). As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, 76, pp. 49-86.

Benford, Robert D., & Snow, David A. (2000). Framing Processes and Social Movements: An Overview and Assessment. Annual Review of Sociology, 26 (1), pp. 611-639.

Bertoncelo, Edison R. E. (2009). ‘Eu quero votar para presidente’: uma análise sobre a Campanha das Diretas. Lua Nova, 76, pp. 169-196.

Boff, Leonardo. (1975). A não-modernidade de São Francisco: a atualidade do modo de ser de S. Francisco face ao problema ecológico. Revista de Cultura Vozes, 69 (5), pp. 335-348.

Boff, Leonardo. (1981). Igreja: carisma e poder. Petrópolis: Vozes.

Boff, Leonardo. (1993). Ecologia, mundialização, espiritualidade. São Paulo: Ática.

Boff, Leonardo. (2004 [1995]). Ecologia: grito da Terra, grito dos pobres, Rio de Janeiro: Sextante.

Bragança, Bertrand de O. e. (2017). Psicose ambientalista: os bastidores do ecoterrorismo para implantar uma “religião” ecológica, igualitária e anticristã. IPCO: São Paulo.

Camurça, Marcelo. (2007). A militância de esquerda (cristã) de Leonardo Boff e Frei Betto: da Teologia da Libertação à mística ecológica. In: Jorge Ferreira, & Daniel A. Reis (orgs.). Revolução e democracia (1964-...) (pp. 387-408). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Castells, Manuel (1999), O poder da identidade, vol. 2. São Paulo: Paz e Terra.

CELAM – Conselho Episcopal Latino-Americano. (2007). Documento de Aparecida. Brasília: CNBB.

CNBB – Conselho Nacional de Bispos do Brasil. (1978). Campanha da Fraternidade 1979. São Paulo: Escolas Profissionais Salesianas.

CNBB – Conselho Nacional de Bispos do Brasil. (1992). A Igreja e a questão ecológica. São Paulo: Paulinas.

CNBB – Conselho Nacional de Bispos do Brasil. (2009). Profecia da terra. Brasília: Edições CNBB.

CNBB – Conselho Nacional de Bispos do Brasil. (2010). Campanha da Fraternidade 2011: Manual. Brasília: Edições CNBB.

CNBB – Conselho Nacional de Bispos do Brasil. (2016). Campanha da Fraternidade 2017: Manual. Brasília: Edições CNBB.

CONIC – Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil. (2015). Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016: Manual. Brasília: Edições CNBB.

Congregação para a Doutrina da Fé. (1984). Instrução sobre alguns aspectos da teologia da libertação. Disponível em: . Acesso em: 25/04/2020.

Congregação para a Doutrina da Fé. (1985). Notificação sobre o livro ‘Igreja: Carisma e Poder: ensaios de eclesiologia militante’ de frei Leonardo Boff. Disponível em: . Acesso em: 25/04/2020.

Costa, Elton L. (2015a). Igreja e ecologia: um diálogo entre as dioceses de Rio Branco/AC e Tubarão/SC (1970-1990). Tese. (Doutorado em História), Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC.

Costa, Elton L. (2015b). A tradição na imagem de São Francisco de Assis: uma representação moderna do problema ecológico. Mouseion, 22, pp. 31-53.

Ellingson, Stephen. (2016). To care for creation. Chicago: University of Chicago Press.

Francisco, Papa. (2015). Laudato Si’: sobre o cuidado da casa comum. Disponível em . Acesso em: 01/03/2020.

Francisco, Papa. (2020). Exortação Apostólica Pós-Sinodal. Disponível em . Acesso em: 19/04/2020.

IPCO – Instituto Plinio Corrêa de Oliveira. (2012). Ambientalismo: Preservação da Natureza ou Cavalo de Troia?. Disponível em: . Acesso em: 25/04/2020.

João Paulo II, Papa. (1979). Bula Inter Sanctos. Disponível em . Acesso em: 01/03/2020.

Kearns, Laurel. (1996). Saving the Creation: Christian Environmentalism in the United States. Sociology of Religion, 57 (1), pp. 55-70.

Kearns, Laurel, & Kyle, Veronica. (2018). The bitter and the sweet of nature. In Marianne E. Krasny. Grassroots to Global: Broader Impacts of Civic Ecology (pp. 41-64) Ithaca: Cornell University Press.

Leite, José C. (2015). Controvérsias na climatologia: o IPCC e o aquecimento global antropogênico. Scientiae Studia, 13 (3), pp. 643-677.

Maçaneiro, Marcial. (2016). Vozes do sul na encíclica Laudato si’: Fontes e temas. Revista Pistis e Práxis, 8 (3), 715-760.

Magnani, José Guilherme. (1999). Mystica Urbe. São Paulo: Studio Nobel.

Rosado-Nunes, Maria J. F. (2013). As aparências não enganam: Francisco é Bergoglio. Sexuality PolicyWatch. Disponível em . Acesso em: 01/03/2020.

Paulo VI, Papa. (1971). Discours sur les problèmes de la pollution de l’eau et de l’air. Disponível em . Acesso em: 01/03/2020.

Paulo VI, Papa. (1973). Udienza Generale de 7 de novembro. Disponível em . Acesso em: 01/03/2020.

Pereira, José Carlos, & Borba, Rodrigo C.N. (2016). Pastoral da ecologia e do meio ambiente. Brasília: CNBB.

Pereira, Matheus M., & Silva, Marcelo K. (2017). O dilema do enquadramento interpretativo: o caso das interações entre o movimento dos direitos animais e a grande mídia. Sociedade e Estado, 32 (1), pp. 189-216.

Pierucci, Antônio Flávio. (1992). Fundamentalismo e integrismo: os nomes e a coisa. Revista USP, 13, pp. 144-156.

Prandi, Reginaldo, & Santos, Renan W. (2015). Mudança religiosa na sociedade secularizada: o Brasil 50 anos após o Concílio Vaticano II. Contemporânea, 5 (2), pp. 351-379.

Prandi, Reginaldo, & Santos, Renan W. (2017). Quem tem medo da bancada evangélica?. Tempo Social, 29 (2), pp. 187-213. http://dx.doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2017.110052

Prandi, Reginaldo, Santos, Renan W., & Bonato, Massimo. (2019). Igrejas evangélicas como máquinas eleitorais no Brasil. Revista USP,120, pp. 43-60. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i120p43-60

Sader, Éder. (1988). Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores na grande São Paulo, 1970-1980. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Quadros, Marcos R. (2017). Conservadorismo coroado: movimentos monarquistas no Brasil atual. Estudos de Sociologia, 22 (42), pp.15-34.

Sabiote, Clemente R., Quiles, Oswaldo L., & Torres, Lúcia H. (2005). Teoría y práctica del análisis de datos cualitativos: proceso general y criterios de calidad. SOCIOTAM, 15 (2), pp. 133-54.

Santos, Renan W. (2017). A salvação agora é verde: ambientalismo e sua apropriação religiosa pela Igreja Católica. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Santos, Renan W. (2019). Direitos da natureza e deveres religiosos: tensões entre a ecologia católica e movimentos ambientalistas seculares. Religião & Sociedade, 39 (2), pp. 78-99. DOI: https://doi.org/10.1590/0100-85872019v39n2cap03

Santos, Renan W., & Crumo, Camila A. (2019). Quando a religião sobe ao palco. Ciências sociais Unisinos, 55 (2), pp. 204-11. DOI: .

Sideris, Lisa H. (2010). Religion, Environmentalism, and the Meaning of Ecology. In Roger S. Gottlieb (org.). The Oxford Handbook of Religion and Ecology (pp. 446-64). New York: Oxford University Press.

Taylor, Bron. (2001). Earth and Nature-Based Spirituality (Part II): From Deep Ecology to Radical Environmentalism. Religion, 31, pp. 225-45.

Urban, Teresa. (2001). Missão (quase) impossível: aventuras e desventuras do movimento ambientalista no Brasil. São Paulo: Peirópolis.

Veldman, Robing G., Szasz, Andrew, & Haluza-Delay, Randolph. (2016). Climate change and religion as global phenomena. In Robing G. Veldman, Andrew Szasz, & Randolph Haluza-Delay (orgs.). How the World’s Religions Are Responding to Climate Change (pp. 297-315). New York: Routledge.

Weber, Max. (2004 [1922]). Sociologia da religião. In Max Weber. Economia e Sociedade - vol. 1 (pp. 279-418). São Paulo: Editora Universidade de Brasília.

White Jr., Lynn T. (2007 [1967]). Raíces históricas de nuestra crisis ecológica. Revista Ambiente y Desarrollo de CIPMA, 23 (1), pp. 78-86.




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.666

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Renan William dos Santos

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 4.

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 13