Editorial - Migrações e Circularidade: Teoria, Políticas de Estado e Realidades Migrantes

Leonardo Cavalcanti, Marcelo Alario Ennes, Márcio de Oliveira

Resumo


Não é mais preciso insistir sobre a atualidade dos fluxos migratórios em qualquer continente que seja. Da mesma forma, não é mais necessário ressaltar o crescente número de deslocados – forçados ou refugiados – que faz a manchete dos principais meios de comunicação mundo afora.  A realidade de cada migrante espelha sua forma de organizar sua vida. Essa realidade tem origem em seus sentimentos, em suas redes e capitais, e no contexto político e social das sociedades nacionais de onde ele parte e daquelas onde ele se instala. Aí reside a grande diversidade do fenômeno migratório. A discussão sobre a mobilidade humana de que trata esse dossiê apresenta-se, portanto, variada, e essa é a tese que o sustenta: os móbiles da migração são múltiplos e só se revelam quando deles nos aproximamos. Da mesma forma o são as realidades criadas nas sociedades de origem e de chegada, para os que migram e para os que permanecem.


Texto completo:

PDF

Referências


ADÚRIZ, Isidoro. (2009), La industria textil en Argentina. Su evolución y sus condiciones de trabajo. Buenos Aires: Inpade.

AMORIM, Celso. (2017), Acting Globally: memoirs of Brazil’s assertive foreign policy. Lanham: Hamilton Books.

ANDRADE, Gibton P. de; SOLEK, Raphael C. (2020), A crise migratória venezuelana e o fechamento da fronteira Brasil/Venezuela: uma análise à luz do direito humanitário. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 1, pp. 3282-3302.

AUDEBERT, Cédric. (2017), The recent geodynamics of Haitian migration in the Americas: refugees or economic migrants ? Revista Brasileira de Estudos Populacionais, v. 34, n. 1, pp. 55-71.

BAENINGER, Rosana A. (org.). (2012), Imigração boliviana no Brasil. Campinas: Nepo/Unicamp.

______. et al. (orgs.). (2016), Imigração haitiana no Brasil. Jundiaí: Paco Editorial.

______. ; SOUCHAUD, Sylvain. (2009), Étudier les liens entre les migrations intérieures et internationales en suivant les trajectoires migratoires des Boliviens au Brésil. Revue Européenne des Migrations Internationales, v. 25, n. 1, pp.193-213.

BERTAUX, Daniel. (1979), Destinos pessoais e estrutura de classe: para uma crítica da antroponomia. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

______. (1997), Les récits de vie: perspective ethnosociologique. Paris: Nathan Université.

______. (2014). Sept propriétés des récits de vie. In: ERTUL, Servet; MELCHIOR, Jean-Philippe; LALIVE-D’EPINAY, Christian. (sous la dir.), Subjectivation et redéfinition identitaire. Rennes : Presses Universitaires de Rennes, pp. 29-52.

CASAGRANDE, Melissa M.; GEDIEL, José A. P. (2015). A migração haitiana recente para o Brasil: bases teóricas e instrumentos político-jurídicos. Moções. Revista de Relações Internacionais da UFGD, v. 4, n. 8, pp. 97-110.

CAVALCANTI, Leonardo. (2016), Novos fluxos migratórios: haitianos, senegaleses e ganeenses no mercado de trabalho brasileiro. In: GEDIEL, José A. P.; GODOY, Gabriel G. de (orgs.). Refúgio e hospitalidade. Curitiba. Edições Kairós, pp. 231-247.

COGO, Denise. (2014), Haitianos no Brasil: Comunicação e interação em redes Migratórias transnacionais. Chasqui – Revista Latinoamericana de Comunicación, n. 125, pp. 23-32.

CORTES, Geneviève. (2001), Les boliviens à Buenos Aires: présence dans la ville, repères de la ville. Revue Européenne de Migrations Internationales, n. 17, pp. 119-146.

COURY, Paula; MILESI, Rosita; ROVERY, Júlia. (2018), Migração venezuelana ao Brasil: discurso político e xenofobia no contexto atual. Aedos, v. 10, n. 22, pp. 53-70.

D’ANDRÉA, Nicolas. (2007), Recomposition régionale dans le Sud bolivien et migrations vers l’Argentine. Revue Européenne des Migrations Internationales, v. 23, n. 2, pp. 2-9.

ENNES, Marcelo A.; RAMOS, Natália. (2017), Cirurgias estéticas étnicas e migração em Portugal e Espanha. Revista Mediações. v. 22, n. 1, pp. 183-212.

GEORGES, Isabel; RIZEK, Cibele S.; SILVA, Carlos F. da (2010), Trabalho e imigração: uma comparação Brasil-Argentina. Lua Nova, n. 79, pp. 111-142.

HANDERSON, Joseph. (2015), Diáspora. Sentidos sociais, mobilidades haitianas. Horizontes antropológicos, ano 21, n. 43, pp. 51-78.

LE BRETON, David. (2009), A sociologia do corpo. 3. ed., Petrópolis: Vozes.

MEJÍA, Jorge A. L. (2018), Éxodo de transmigrantes centroamericanos y tráfico de personas: relatos de una cruda realidad. Bloomington: Editorial Palibrio.

MILANI, Carlos R. S. et al. (2014), Atlas da política externa brasileira. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

MOREIRA, Eliana (2018), Os Warao no Brasil em cenas: “o estrangeiro...” Périplos/ GT Clacso, v. 2, n. 2, pp. 56-78.

MOREIRA, Paulo G.; OLIVEIRA, Ana C. V. (2013), Os imigrantes ilegais da Colômbia, Bolívia e Haiti no Brasil: considerações do ponto de vista da Segurança Internacional. Mural Internacional, v. 4, n. 2, pp. 63-71.

NEIBURG, Federico G. (2015), Haiti. Perspectivas etnográficas sobre um espaço (inter)nacional. Rio de Janeiro: Garamond.

OLIVEIRA, Márcio de. (2016), Immigrants Haitiens au Brésil: du multiculturalisme à l’oeuvre ? Revista de Ciencias Humanas y Sociales. Al Irfan, Instituto de Estudios Hispano-Lusos, Universidade Mohammed V de Rabat, n. 2, pp. 73-89.

______. (2019), P-C La trajectoire d’un jeune Haïtien au Brésil : habitus immigrant, distinction et capital. Revue Orda, Hors Thème. Disponível em: https://journals.openedition.org/orda/4556. Acesso em 14 de julho de 2020.

PORTELA, Êmily de Amarante; SCHWINN, Simone. (2018), O Brasil e a imigração venezuelana: a (des)organização da política migratória brasileira. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, VII seminário corpo, gênero e sexualidade.

PRADILLA, Alberto (2019), Caravana. Como el éxodo centroamericano salió de la clandestinidad. Madrid: Penguin Random House Grupo Editorial.

SALES, Teresa; SALLES, Maria do R. (orgs). (2002), Políticas migratórias. América Latina, Brasil e brasileiros no exterior. São Carlos: EdUFSCAR/Editora Sumaré.

SCHPUN, Mônica R. (2007), Les descendants d'immigrés japonais au Brésil et les chirurgies d'occidentalisation des yeux. In: LILLO, Natacha; RYGIEL, Philippe (sous la dir.). Images et représentations du genre en migration. Mondes atlantiques XIXe-XXe siècles. Paris: EPU, pp. 105-122.

SILVA, Carlos F. da. (2009), Precisa-se: bolivianos na indústria de confecções em São Paulo. Travessia, ano XXII, n. 63, pp. 5-11.

SILVEIRA, Marina de C. P. da; SOUZA, Ayrton R. (2018), O fluxo migratório de venezuelanos para o Brasil (2014-2018): análise do arcabouço jurídico brasileiro e da conjuntura interna venezuelana. Cadernos Prolam/USP, v. 17, n. 32, pp. 114-132.

SIMÕES, Gustavo da F. (org.) (2017), Perfil sociodemográfico e laboral da imigração venezuelana no Brasil. Curitiba: CRV.

SOUCHAUD, Sylvain. (2010), A imigração boliviana em São Paulo. In: FERREIRA, Ademir P. et al. Deslocamentos e reconstruções da experiência migrante. Rio de Janeiro: Garamond, pp. 267-290.

THOMAZ, Diana (2013), Migração haitiana para o Brasil pós-terremoto: indefinição normativa e implicações políticas. Primeiros Estudos – Revista de Graduação em Ciências Sociais, 4, pp. 131-143.

TURNER, Bryan S. (2014), Corpo e sociedade. São Paulo: Editora Ideias & Letras.

VENTURA, Dasy. (2017), Entre falácias e fronteiras: migrações e refúgio nas relações internacionais contemporâneas. Trabalho apresentado no 6o Encontro da Associação Brasileira de Relações Internacionais, Belo Horizonte.

VIZENTINI, Paulo F. (2005), De FHC a Lula: uma década de política externa (1995-2005). Civitas, Porto Alegre, v. 5, n. 2, pp. 381-397, jul./dez.

UEBEL, Roberto Rodolfo Georg. (2018), Política externa migratória brasileira: das migrações de perspectiva à hiperdinamização das migrações durante os governos Lula da Silva e Dilma Rousseff. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre.




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.761

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Leonardo Cavalcanti, Marcelo Alario Ennes, Márcio de Oliveira

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 10