A Migração Haitiana e a Construção de seus "Nortes": Brasil um "Norte" Alternativo e Temporário

Kassoum Diémé, Tania Mara Passarelli Tonhati, Lorena del Pilar Pereda Cordova

Resumo


Desde 2010, o número de imigrantes do “Sul Global”no Brasilcresce. A imigração de haitiana, aqui analisada, é caracterizada pelapermanência, circularidade etransitoriedade. Procurado para melhorar de vida, o Brasil é percebidopelos migrantes como umlugardeacumular capitais de mobilidade e expandir acircularidade atéo “Norte Global”. Diante disso, o Brasil se transformouno que Baganha (2002) denomina“uma placa giratória”?Este artigo analisou dados deum projeto de pesquisa do LAEMI(UnB),junto com a UFPR, apoiados pela FAP-DF. A metodologiafoi multisituada, com camposno Brasil eno Haitiem 2018-2019.Observamos queem geral o Brasil é um “Norte Global alternativo” no Sul Global, sendo uma “placa giratória” amenae um “Norte temporário” que tende a se eternizar.

 

Since 2010, Brazil has experienced international migration with greater intensityand complexity. One of the most significant changes faced by the country was the arrival of new migratory flows, especially from Haiti. The Haitian immigration in Brazil has been consolidated and the present study aims to understand: which role Brazil plays in the migratory projects of Haitians? To answer this question, we rely on data from the research named: Immigration and economic crisis: the migratory tac-tics of return and circularity of Haitians. The fieldwork was carried out in Brazil and Haiti, between 2018 and 2019. The results found were that Brazil is seen frequently reported as an “Alternative and Temporary North”, where it is possible to accumulate capital of mobility, education and economic, which allow them expanding their mi-gratory circularity’s horizons.


Texto completo:

PDF

Referências


BAENINGER, Rosana e PERES, Roberta. (2017), “Migração de crise: a migração haitiana para o Brasil”. Revista Brasileira de Estudos de População, Belo Horizonte, v.34, n.1, p.119-143.

BAGANHA, Maria Ioannis. (2002), “A cada Sul o seu Norte: dinâmicas migratórias em Portugal”. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). A globalização e as ciências sociais. - 2. Ed. – São Paulo. Cortez.

BAPTISTE, Chandeline Jean. (2015), Transição para a vida adulta e migração internacional:ocaso dos jovens haitianos na cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado em demografia).Universidade Estadual de Campinas.

BALDIN, Nelma; MUNHOZ, Elzira. M. B..(2011), “Snowball (Bola de Neve): Uma técnica metodológica para pesquisa em Educação Ambiental Comunitária”. In: X EDUCERE e I. BERSANI, Ana Elisa.(2015),O (extra)ordinário da ajuda: histórias não contadas sobre desastre e generosidade na Grand’Anse, Haiti. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas – Campinas.

CASSARINO, Jean-Pierre. (2013), “Teorizando sobre a migração de retorno: uma abordagem conceitual revisitada sobre migrantes de retorno”. In: Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, Brasília, Ano XXI, n. 41, p. 21-54, jul./dez. 2013. Disponível em:. Acesso em: 02 de março de 2020.

CAVALCANTI, Leonardo; PARELLA, Sònia. (2013), “El retorno desde una perspectiva transnacional”. Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, Brasília, v. 21, n. 41, p. 9-20, jul./dez. 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S1980-85852013000200002. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2014.

COGO, Denise, BADET, Maria Souza. (2013), Guia das Migrações Transnacionais e Diversidade Cultural para Comunicadores: Migrantes no Brasil.1 ed.Bellaterra: Instituto Humaitas Unisinos; Instituto de la Comunicación de la UAB.

DIEME, Kassoum. (2016), Imigração haitiana e política de acolhimento institucional na cidade de São Paulo: 2010-2015. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas - Campinas.

______________. (2017), “Haiti e suas migrações”.In: BERSANI, Ana Elisa e JOSEPH, Handerson (org.). Dossiê: Dinâmicas migratórias haitianas no Brasil: desafios e contribuições. Temáticas: Revista dos pós-graduandos em ciências sociais. UNICAMP/ IFCH, v. 25, nº49/50.

______________.; MACEDO, Marília de; QUINTINO, Felipe; TONHATI, Tânia. (2019), “Autorizações concedidas pelo Conselho Nacional de Imigração – CNIg”. In: CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Tadeu; MACEDO, Marília (org.). Imigração e Refúgio no Brasil. Relatório Anual 2019. Série Migrações, OBMigra.

DUMONT, Gérard-François. (2019), «Les migrations internationales et l’Afrique: des logiques Sud-Nord ou Sud-Sud ? ». Les analyses de Population & Avenir, pp.1-14.

DUROUX, Rose. (2011), “Imigração. França/Europa”. In: MONTANDON, Alain (dir.). O livro da Hospitalidade: acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. Editora Senac São

Paulo.

FERNANDES, Duval e CASTRO, Mariada Consolação. G. de.(2014). Projeto: Estudos sobre a migração haitiana ao Brasil e diálogo bilateral. Belo Horizonte.

GODOY, Gabriel Gualano de. (2011), “O caso dos haitianos no Brasil e a via da proteção humanitária complementar”. In: RAMOS, André de Carvalho et al. 60 anos de ACNUR,Perspectivas de futuro. São Paulo. p. 45-68.

HANDERSON, Joseph. (2015), Diaspora. As dinâmicas da mobilidade haitiana no Brasil, noSuriname e na Guiana Francesa. Tese de Doutorado.UFRJ/Museu Nacional – Rio de Janeiro.

______________. (2016), “A historicidade da (e)migração internacional haitiana. O Brasil como novo espaço migratório”. A imigração haitiana no Brasil: características sócio-demográficas e laborais na região sul e no Distrito Federal. 1ed. Santiago: OIM/Universidad de Desarrollo (UDD), 2016, v. 1, p. 85-107.

MAMED, Letícia Helena. (2018), “Haitianos no Brasil: a experiência da etnografia multisituada para investigação de itinerários migratórios e laborais sul-sul”. In: BAENINGER, Rosana et al. (org.). Migrações Sul-Sul. Campinas, SP: Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” – Nepo/Unicamp, 2a Ed.

MARCUS, George. (1995), “Ethnography in/of the world system: the emergence of multi-sited ethnography”. Annual Review of Anthropology. 24 (1), 95-117.

Margolis, Maxine. Goodbye Brazil: émigrés from the land of soccer and samba. Wisconsin: The University of Wisconsin Press, 2013.

NOLASCO, Carlos e RIBEIRO, Joana Sousa, (2018), « Entre Sul e Norte: singularidades das migrações na saúde e no desporto em Portugal », e-cadernos CES[Online].

OCDE/INURED. (2017), Paysage de la migration en Haiti. In : Interactions entre politiques publiques, migrations et développement en Haiti. Disponível em: https://www.oecd-ilibrary.org/docserver/9789264278844-6-fr.pdf?expires=1580271266&id=id&accname=guest&checksum=69DE5E73DF0107A15DE57346F1CE06B1.

OLIVEIRA, Antônio Tadeu Ribeiro. (2016), “A inserção dos estrangeiros no mercado de trabalho formal: o que nos diz a RAIS? In: CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Antônio Tadeu R.; ARAUJO, Dina (org.). A inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro. Relatório Anual 2016. Observatório das Migrações Internacionais; Ministério do Trabalho/Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração. Brasília, DF: OBMigra.

OLIVEIRA, Antônio Tadeu Ribeiro. (2018), “Movimentação e registro de migrantes no Brasil: dados do STI e SINCRE”. In: CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Tadeu; MACEDO, Marília (org.). Migrações e mercado de trabalho no Brasil. Relatório Anual 2108. Série Migrações. Observatório das Migrações Internacionais; Ministério do Trabalho/Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração. Brasília, DF: OBMigra.

OLIVEIRA, Márcio; KULAITIS, Fernando. (2017), “Habitus imigrante e capital de mobilidade: a teoria de Pierre Bourdieu aplicada aos estudos migratórios”.Mediações - Revista de Ciências Sociais, v. 22, nº1, p. 15-47.

PATARRA, Neide Lopes. (2012), “Brasil: país de imigração?”. e-metropolis n° 09, pp. 6-18.

PEREDA, Lorena del Pilar. (2019) Migración haitiana en Brasil: una aproximación a partir de las redes migratorias. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília – Brasília.

SANTOS, Boaventura de Sousa. (2002), “Os processos da globalização”. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). A globalização e as ciências sociais. - 2. Ed. – São Paulo. Cortez.

SAYAD, Abdelmalek. (1998). A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo.

______________. (2000), O retorno – elemento constitutivo da condição do imigrante. Volume especial de Travessia – Revista do Migrante, ano XIII, número especial.

SEGUY, Franck. (2014), Catástrofe de janeiro de 2010, a “internacional comunitária” e a recolonização do Haiti. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas - Campinas.

SEYFERTH, Giralda. (2002), “Colonização, imigração e a questão racial no Brasil”. In: Revista USP, São Paulo, no53, março/maio. p. 117-149.

SOLÉ, Carlota., CAVALCANTI, Leonardo ePARELLA, Sona. La inmigración brasileña en la estructura socioeconómica de España. Madrid: Documentos del Observatório permanente de la inmigración de España, Gobierno de España, 2011.

TELEMAQUE, Jenny. (2012), Imigração haitiana na mídia brasileira: entre fatos e representações.Monografia (Graduação em Comunicação Social: Publicidade e Propaganda). Escola de Comunicação ECO/UFRJ.

TONHATI, Tânia; CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, A. Tadeu. (2016),“Os Imigrantes Haitianos no Brasil: Formas de Entrada, Permanência e Registros”. In: A imigração haitiana no Brasil: características sócio-demográficas e laborais na região sul e no Distrito Federal. 1ed.Santiago: OIM/Universidad de Desarrollo (UDD), 2016, v. 1, p. 24-40.

TONHATI, Tânia. The transnational families, migration and Brazilian family practices. 1. ed. Curitiba: CRV, 2019. v. 1. 280p.

THOMAZ, Omar Ribeiro. (2010), O terremoto no Haiti, o mundo dos brancos e o Lougawou. Disponível em: .




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.619

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Brasileira de Sociologia - RBS

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 4.

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 13