Além da forma-movimento: compilações do Movimento dos Pequenos Agricultores

Priscila Delgado de Carvalho

Resumo


Criado em meados da década de 1990, o Movimento dos Pequenos Agricultores foi inicialmente conhecido por suas demandas por crédito e por habitação rural. Ao longo dos anos, o MPA propôs também debates sobre o campesinato no Brasil, formulou ou ressignificou conceitos como alimergia e sistemas camponeses de produção, engajou-se em debates sobre políticas públicas, criou cooperativas e estruturou um Plano Camponês que orienta sua ação. O artigo reúne elementos da trajetória do MPA argumentando que a forma-movimento é sua primeira face visível, mas o MPA também construiu outros modos de compilar. Entre elas, a produção de conceitos em estreito diálogo com a academia e com debates de origem transnacional e a estruturação de projetos produtivos.


Texto completo:

PDF

Referências


ABERS, Rebecca; SERAFIM, Lizandra; TATAGIBA, Luciana (2004), “Repertórios de interação estado-sociedade em um estado heterogêneo: a experiência na Era Lula”. Dados, Rio de Janeiro , v. 57, n. 2, p. 325-357. https://doi.org/10.1590/0011-5258201411.

ALVAREZ, Sonia (2019), "Feminismos en Movimiento, Feminismos en Protesta". Revista Punto Género Nº 11. Junio, p.73-102.

BOLTER, Jairo (2013), “Interfaces e cogestão nas políticas para agricultura familiar: uma análise do Programa Nacional de Habitação Rural.” Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grade do Sul – Porto Alegre.

CADONÁ, Célio. (2004), Movimento dos Pequenos Agricultores-MPA: o novo nasce nas estradas. Dissertação de Mestrado. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí) – Ijuí (RS), 283p.

CAMACHO, Rodrigo (2013), “Soberania alimentar e energética: a proposição camponesa para uma nova relação sociedade/natureza”. Fórum Ambiental da Alta Paulista, v. 9, n. 10, p. 76–91, 2013.

CARLOTO, Andréa.; ATIYEL, Carima (2014) “Políticas sociais no meio rural: a conquista do programa nacional de habitação rural”. In: Anais do 6°. Seminário Nacional Estado e Políticas Públicas. Unioeste, 2014. ISSN: 2358-7563

CARVALHO, Horácio Martins (2005), O Campesinato no Século XXI - Possibilidades e condicionantes para o desenvolvimento do campesinato no Brasil. Petrópolis: Vozes.

CARVALHO, Horácio Martins.; MOTTA, Márcia.; ZARTH, Paulo (Coord.) (2008), “Apresentação à Coleção”. In: NEVES, Delma .P; SILVA, Maria .A. (Orgs.) Processos de constituição e reprodução do campesinato no Brasil, vol.1. São Paulo: Editora UNESP; Brasília: NEAD (Coleção História social do campesinato brasileiro).

CARVALHO, Priscila D. (2018), A produção do transnacional:compilações da agricultura familiar e camponesa na Contag e no MPA. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte.

CAVALETT, Otavio; LEAL, Marcelo.; RYDBERG, Torbjörn (2010), Avaliação emergética de sistema camponês de produção de álcool, alimentos e serviços ambientais. In: LEAL, Marcelo. Agricultura e mudanças climáticas. A contribuição dos sistemas camponeses de produção para uma agricultura sustentável. Palmeira das Missões: MPA.

COSTA, Maria José. (2014), Construção Do Plano Camponês: Experiências de Políticas Públicas de Desenvolvimento Para o Campo Brasileiro. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista (Unesp) - Presidente Prudente.

DESMARAIS, Annete (2013), A Via Campesina. São Paulo: Cultura Acadêmica; Expressão Popular, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix (1995), Mil platôs. Capitalismo e Esquizofrenia, vol.2, São Paulo: Editora 34.

FAVARETO, Arilson (2006), “Agricultores, trabalhadores: os trinta anos do novo sindicalismo rural no Brasil.” Rev. bras. Ci. Soc. [online], vol.21, n.62, pp.27-44. https://doi.org/10.1590/S0102-69092006000300002.

FERNANDES, Bernardo Mançano. (2010), “Formação e territorialização do MST no Brasil”. In: CARTER, Miguel (Ed.). Combatendo a desigualdade social. O MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Ed. Unesp, p. 161– 197.

GÖRGEN, Sergio (1998), A resistência dos Pequenos Gigantes - A luta e a organização dos Pequenos Agricultores. Petrópolis: Vozes.

GUZMÁN, Eduardo. MOLINA, Manuel (2013), Sobre a evolução do conceito de campesinato. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

LAW, John (2004), After Method. Mess in social science research. New York: Routledge.

LATOUR, Bruno (2005). Reassembling the Social. Oxford: Oxford University Press, 2005.

LEAL, Marcelo.; GÖRGEN, Sergio (2015), “Desafios da agricultura camponesa no século XXI”. In: STEFANO, Daniela; MENDONÇA, Maria Luiza. (Org.). Direitos Humanos no Brasil 2006: relatório da rede social de justiça e direitos humanos. São Paulo: Outras Expressões, p. 87–96.

MARTINS, José de Souza (org.) (2003), Travessias. A Vivência da Reforma Agrária nos Assentamentos. Porto Alegre, Editora da UFRGS.

MEDEIROS, Leonilde S. (1989), História dos movimentos sociais no campo. Rio de Janeiro: FASE.

MEDEIROS, Leonilde S. de e LEITE, Sérgio (org.) (1999), A Formação dos Assentamentos Rurais no Brasil. Porto Alegre/Rio de Janeiro, Ed. Universidade UFRGS; CPDA.

MOVIMENTO DOS PEQUENOS AGRICULTORES– MPA (2001), Pauta de lutas para o ano 2001.

MOVIMENTO DOS PEQUENOS AGRICULTORES – MPA (2005), Grupos de base: o alicerce do MPA.

MOVIMENTO DOS PEQUENOS AGRICULTORES – MPA (2013), Plano Camponês: construindo o novo caminho da roça IV. Plano Nacional de Ações para a Soberania Alimentar desde uma Perspectiva de Gênero. Brasília: MPA.

MOVIMENTO DOS PEQUENOS AGRICULTORES – MPA (2015), Caderno de estudos n.1 - I Congresso Nacional do MPA. Brasília: MPA.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA – MST (1996), Pequenos agricultores do Sul lutam por política agrícola. Jornal Sem Terra, Ano XV, n° 155, Janeiro-Fevereiro, p. 13.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA – MST (2001), Somente lutando outro mundo é possível. Jornal Sem Terra, Ano XIX, n° 207, p.11 Fevereiro. Disponível em: http://www.docvirt.com/docreader.net/docreader.aspx?bib=HEMEROLT&PagFis=2985

NAVARRO, Zander. (2005), "Mobilização sem emancipação: as luas socais dos sem-terra no Brasil". In: SANTOS, Boaventura. Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, pp.189-232.

NEVES, Delma. P.; MEDEIROS, Leonilde. S. (Orgs.) (2013), Mulheres Camponesas - trabalho produtivo e engajamentos políticos. Niterói: Alternativa.

NEVES, Delma P. (2005), “Campesinato e reenquadramentos sociais: os agricultores familiares em cena”. Revista NERA, v. 8, n. 7, p. 68–93.

NIEMEYER, Carolina. B. (2014), Movimentos sociais como produtores de conhecimento: a Soberania Alimentar no Movimento de Pequenos Agricultores (MPA). Tese de Doutorado. Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) – Rio de Janeiro.

ODERICH, Edmundo (2014), Desempenho e potencial agroeconômico da produção de etanol em microdestilarias em pequenas propriedades na região nordeste do Rio Grande do Sul. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre.

ORTIZ, Lucia (Coord.) (2007) Despoluindo Incertezas. Impactos locais da expansão das monoculturas energéticas no Brasil e Replicabilidade de Modelos Sustentáveis de Produção e Uso de Biocombustíveis. Relatório. Disponível em: http://www.mp.go.gov.br/nat_sucroalcooleiro/Documentos/documentos_art/06.pdf.

PENNA, Camila. (2018), “Gênese da relação de parceria entre Incra e movimentos sociais como modelo para implementação de políticas de reforma agrária”. Lua Nova [online], n.105, pp.115-148. https://doi.org/10.1590/0102-115148/105.

PICOLOTTO, Everton (2007), “Movimentos sociais rurais no sul do Brasil: novas identidades e novas dinâmicas”. Revista Ideas - Interfaces em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, v. 1, n. 1, p. 60–77, 2007.

PICOLOTTO, Everton (2011), As Mãos que Alimentam a Nação: agricultura familiar, sindicalismo e política. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro- Rio de Janeiro.

ROSA, Marcelo (2010), “Para além do MST: O impacto nos movimentos sociais brasileiros”. In: CARTER, Miguel. (Ed.). Combatendo a desigualdade social. O MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Ed. Unesp, p. 461–447.

ROSA, Marcelo (2011), O engenho dos movimentos sociais. Reforma agrária e significação social na zona canavieira de Pernambuco. Rio de Janeiro: Garamond.

ROSA, Marcelo (2015), “A journey with the Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) across Brazil and on to South Africa”. Études Rurales, v. 196, p. 43–56.

SANTOS, Ricardo M.; CONCEIÇÃO, Alexandrina. L. (2013), O movimento dos pequenos agricultores - MPA e a soberania alimentar: outra perspectiva para o campo sergipano. Anais: NPGEO 30 anos de contribuição à Geografia, Aracaju.

SIGAUD, Lygia (2000), “A forma acampamento. Notas a partir da versão Pernambucana”. Novos estudos CEBRAP, v. 58, p. 73–92.

SIGAUD, Lygia; ERNANDEZ, Marcelo; ROSA, Marcelo (2010). Ocupações e acampamentos. Rio de Janeiro: Garamond.

SILVA, Valter. I (2011). Histórico e Organicidade do MPA - 15 anos de história do Movimento dos Pequenos Agricultores. Mimeo.




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.551

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Brasileira de Sociologia - RBS

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 10