As Paneleiras de Goiabeiras Velha: Uma análise discursiva do processo de construção do Território da Tradição

Marcelo de Souza Marques

Resumo


Objeto de inúmeras pesquisas, a “arte de fazer panela de barro” na região de Goiabeiras, Vitória-ES, é um importante elemento da cultura capixaba. Contudo, algumas questões ainda carecem de maiores problematizações. Nesse sentido, o presente artigo objetiva compreender o processo de construção discursiva do Território da Tradição, isto é, Goiabeiras Velha. A metodologia consistiu em um estudo qualitativo, contando como principal instrumento metodológico a técnica de entrevista em profundidade. Os resultados demonstram que a construção desse território se relaciona a um processo discursivo de esvaziamento do espaço físico da região de Goiabeiras, englobando uma área para além do bairro de Goiabeiras.

Texto completo:

PDF

Referências


AUTOR. (2012),...

AUTOR. (2013),...

AUTOR. (2020 [no prelo]),...

ABREU, C. (2005), “Ofício de paneleira: conhecimento, reconhecimento e permanência”. In: FALCÃO, Andréa. Registro e políticas de salvaguarda para as culturas populares. Rio de Janeiro: IPHAN, CNFCP, pp. 15-23.

ASSOCIAÇÃO DAS PANELEIRAS DE GOIABEIRAS. (1987), Estatuto da Associação das Paneleiras de Goiabeiras. Vitória.

DIAS, C. (2006a), Panela de Barro Preta: a tradição das Paneleiras de Goiabeiras, Vitória – ES. Rio de Janeiro: Mauad X: Facitec.

______. (2006b), “Ser paneleira não é brincadeira – Estratégias de associação política na construção de uma categoria profissional”. Arquivos do Museu Nacional, v. 64, n. 3, pp. 203-213.

DOSSIÊ IPHAN 3. (2006), Ofício das Paneleiras de Goiabeiras. Distrito Federal: IPHAN.

GUARINELLO, N. L. (1994), “Memória Coletiva e História Científica”. Revista Brasileira de História, v. 14, n.28. Revista Brasileira de Historia, pp. 1980-193.

HALBWACHS, M. (1990), A memória coletiva. São Paulo: Edições Vértice.

HOBSBAWM, E. (2008), “Introdução: A invenção das tradições”. In: HOBSBAWM, E.; RANGER, T. (Orgs.). A invenção das tradições. 6.ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp. 9-23.

LACLAU, E. (2000), Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tempo. 2ª Ed. Buenos Aires: Nueva Visión.

______. (2011), Emancipação e Diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. (2015), Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios.

MARQUES, M. de S.; CALOTI, V. de A. (2013), “As Paneleiras de Goiabeiras e a dinâmica da Cultural do Barro”. Sociologia, vol. 26, pp. 163-185.

NORA, P. (1993), “Entre memória e História: a problemática dos lugares”. Proj. História, n. 10, pp. 07-28.

PEROTA, C.; BELING NETO, R.; DOXSEY, J. R. (1997), Paneleiras de Goiabeiras. Vitória: Secretaria Municipal de Cultura.

POLLAK, M. (1992), “Memória e Identidade. Estudos Históricos”, vol. 5, n. 10, pp. 200-2012.

SAINT-HILAIRE, A. (1974), Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce. Belo Horizonte: Itatiaia/USP.

SIMÃO, L. M. (2008). A semântica do intangível: considerações sobre o Registro do ofício das Paneleiras do Espírito Santo. Tese de Doutorado. Universidade Federal Fluminense – Niterói.




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.521

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Brasileira de Sociologia - RBS

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 10