Excesso de prazo no processo penal: a gramática do Supremo Tribunal Federal |Excessive length of time in criminal proceedings: the Supreme Court grammar in use

Ludmila Ribeiro

Resumo


A proposta deste artigo é desvelar os significados da categoria excesso de prazo nos acórdãos de natureza processual penal, resultantes de julgamentos do Supremo Tribunal Federal. Para tanto, foi criada uma base de dados com acórdãos desse tipo, o que nos permite compreender a natureza dos problemas que mobilizam o STF em razão da morosidade da justiça criminal. Em seguida, foi estimado um modelo de regressão logística binomial para identificar quais são os argumentos que estão mais associados ao provimento do pedido na nova ordem constitucional (pós-1988). Os resultados indicam que o excesso de prazo no processo penal se refere à prisão provisória, sendo uma matéria discutida por meio de Habeas Corpus. A gramática mobilizada pelos ministros, inscrita nos acórdãos, parece ser diversa dependendo do desfecho. As menções ao direito à razoável duração do processo e à Emenda Constitucional 45/2004 estão associadas ao provimento do pedido, levando à soltura do preso, enquanto as denegações estiveram associadas aos fundamentos do processo penal, relacionados à garantia da ordem pública e à conveniência da instrução criminal. Logo, a ação do STF tem levado à constituição de uma nova gramática na justiça criminal, que, longe de dizer respeito à morosidade do processo penal, refere-se à legitimidade da prisão provisória com duração indeterminada.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Sérgio; PASINATO, Wânia. (2007), A justiça no tempo, o tempo da justiça. Tempo social, v. 19, n. 2, pp. 131-155.

ARGUELHES, Diego Werneck; RIBEIRO, Leandro Molhano. (2018), MINISTROCRACIA: O Supremo Tribunal individual e o processo democrático brasileiro 1. Novos Estudos, n. 110, pp. 12-32.

ASSIS, Luis Otavio Milagres de. (2012), Efeitos organizacionais da implantação de metas e remuneração variável por desempenho: o caso da segurança pública em Minas Gerais. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas.

AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli; CIFALI, Ana Cláudia. (2015), Política criminal e encarceramento no Brasil nos governos Lula e Dilma: elementos para um balanço de uma experiência de governo pós-neoliberal. Civitas – Revista de Ciências Sociais, v. 15, n. 1, pp. 105-127.

AZEVEDO, Rodrigo; SINHORETTO, Jacqueline. (2018), O sistema de justiça criminal na perspectiva da antropologia e da sociologia. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais - BIB, São Paulo, n. 84, pp. 188-215.

BLUMBERG, Abraham S. (1967), The problem of objectivity in judicial decision-making. Social Forces, v. 46, n. 1, pp. 96-105.

BOLTANSKI, Luc; THÉVENOT, Laurent. (1999), The sociology of critical capacity. European Journal of Social Theory, v. 2, n. 3, pp. 359-377.

BRASIL. (1990), Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990. Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1990. Online. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8072.htm.

BRASIL. (2006), Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2006. Online. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm.

BRASIL. Congresso. Senado. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 12 jun. 2019.

BROWN, Michael. (2017), "A Right to Speedy Sentencing? Not so Fast". Law School Student Scholarship, n. 874. Online. Disponível em: https://scholarship.shu.edu/student_scholarship/874. Acesso em: 12 jun. 2019.

CAMPOS, Marcelo da Silveira. (2015), Pela metade: as principais implicações da nova lei de drogas no sistema de justiça criminal em São Paulo. Tese de Doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). (2019), Justiça criminal, impunidade e prescrição. Brasília: CNJ. Online. Disponível em: https://static.poder360.com.br/2019/02/levantamento-CNJ-justica-pesquisa.pdf. Acesso em: 12 jun. 2019.

DEPEN. (2017), Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (INFOPEN) de 2016. Brasília: Ministério da Justiça.

DIXON, Jo. (1995), The organizational context of criminal sentencing. American Journal of Sociology, v. 100, n. 5, pp. 1157-1198.

DUARTE, Fernanda; IORIO FILHO, Rafael Mario. (2014), A lógica dos precedentes judiciais das súmulas vinculantes do Supremo Tribunal Federal. In: IX Encontro ABCP, 2014, Brasília, DF. Anais... Online. Disponível em: https://www.academia.edu/14302166/A_LÓGICA_DOS_PRECEDENTES_JUDICIAIS_DAS_SÚMULAS_VINCULANTES_DO_SUPREMO_TRIBUNAL_FEDERAL. Acesso em: 10 set. 2018.

FEELEY, Malcolm M. (2017), Two models of the criminal justice system: An organizational perspective. In: ______. Crime, Law and Society. Londres: Routledge. pp. 119-137.

GOMES, Conceição. (2016), Os atrasos da justiça. 1 ed. Coimbra: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

HAGAN, John; HEWITT, John D.; ALWIN, Duane F. (1979), Ceremonial justice: Crime and punishment in a loosely coupled system. Social Forces, v. 58, n. 2, pp. 506-527.

JESUS, Maria Gorete Marques de. (2016), ‘O que está no mundo não está nos autos’: a construção da verdade jurídica nos processos criminais de tráfico de drogas. Tese de Doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo.

KLAFKE, Guilherme Forma; PRETZEL, Bruna Romano. (2014), Processo decisório no Supremo Tribunal Federal: aprofundando o diagnóstico das onze ilhas. Revista de Estudos Empíricos em Direito, v. 1, n. 1, pp. 89-104.

LIMA, Renato Sérgio de; SINHORETTO, Jacqueline; BUENO, Samira. (2015), A gestão da vida e da segurança pública no Brasil. Sociedade e Estado, v. 30, n. 1, pp. 123-144.

MACHADO, Bruno Amaral; SANTOS, Rafael Seixas. (2018), Constituição, STF e a Política Penitenciária no Brasil: uma abordagem agnóstica da execução das penas. Revista Brasileira de Políticas Públicas, v. 8, n. 1, pp. 89-104

MENDES, Conrado Hübner. (2012), O projeto de uma corte deliberativa. Jurisdição Constitucional no Brasil. 1 ed. São Paulo: Malheiros.

MOLOGNI, Celina Kazuko Fujioka; PIEROTTI, Sara Mendes. (2010), Do Direito à Razoável Duração do Processo: necessidade de se equacionar o processo célere com as garantias de defesas mínimas. Revista do Direito Privado, v. 3, n. 1, pp.1-19.

OLIVEIRA, Fabiana Luci. (2017), Quando a corte se divide: coalizões majoritárias mínimas no Supremo Tribunal Federal. Revista Direito e Práxis, v. 8, n. 3, pp. 1863-1908.

OLIVEIRA, Fabiana Luci. (2018), Processo decisório no Supremo Tribunal Federal: como votam os ministros?. In: MARONA, Marjorie Correa; DEL RIO; Andrés (org.). Justiça no Brasil: às margens da democracia – vol. 1. 1 ed. Belo Horizonte: Arraes Editores. pp. 251-274.

RAUPP, Mariana. (2015), As pesquisas sobre o ‘sentencing’: disparidade, punição e vocabulários de motivos. Revista de Estudos Empíricos em Direito, v. 2, n. 2, pp. 174-191.

REIS, Cássio Pinho. (2013), Simulação de fatores que afetam as predições obtidas por Krigagem Ordinárias. Dissertação de Mestrado em Estatística Aplicada e Biometria. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa.

RIBEIRO, Ludmila Mendonça Lopes et al. (2014), O tempo do processo de homicídio doloso em cinco capitais. Brasília: Ministério da Justiça.

RIBEIRO, Ludmila; DUARTE, Thais. (2009), O tempo dos Tribunais do Júri no Rio de Janeiro: os padrões de seleção e filtragem para homicídios dolosos julgados entre 2000 e 2007. Dilemas – Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 2, n. 3, pp. 11-37.

RIBEIRO, Ludmila; MACHADO, Igor; SILVA, Klarissa. (2012), Tempo na ou da justiça criminal brasileira: uma discussão metodológica. Opinião Pública, v. 18, n. 2, p. 355-382.

RODRIGUES, Lêda Boechat. (1991), História do Supremo Tribunal Federal. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora Record.

SANTOS, Rogério Dultra dos et al. (2015), Excesso de prisão provisória no Brasil: um estudo empírico sobre a duração da prisão nos crimes de furto, roubo e tráfico (Bahia e Santa Catarina, 2008-2012). Série Pensando o Direito, n. 54, pp. 1-105.

SAPORI, Luis Flávio. (1995), A administração da justiça criminal numa área metropolitana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 10, n. 29, pp. 143-157.

SINHORETTO, Jacqueline; LIMA, Renato Sérgio. (2015), Narrativa autoritária e pressões democráticas na segurança pública e no controle do crime. Revista Semestral do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar, v. 5, n. 1, p. 119-139.

SUDNOW, David. (1965), Normal crimes: Sociological features of the penal code in a public defender office. Social problems, v. 12, n. 3, pp. 255-276.

TRACZ, Eliot T. (2019), Revisiting the Right to a Speedy Trial: Reconciling the Sixth Amendment with the Speedy Trial Act. Capital Law Review, v. 47, issue 1.

UNODC. (2019), Global report on Homicide. Boolet 2 - Homicide: extent, patterns, trends and criminal justice respons. Viena: United Nations Office on Drugs and Crime. Online. Disponível em: https://www.unodc.org/documents/data-and-analysis/gsh/Booklet2.pdf.

VARGAS, Joana Domingues. (2014), Fluxo do sistema de justiça criminal. Crime, polícia e justiça no Brasil – vol. 1. São Paulo: Contexto. pp. 412-423.

YANG, Crystal S. (2016), Resource constraints and the criminal justice system: Evidence from judicial vacancies. American Economic Journal: Economic Policy, v. 8, n. 4, pp. 289-332.




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.498

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 7  /  h5-median 13