Os embolamentos do tráfico de drogas em Porto Alegre pela ótica do interacionismo radical |Gangs of drug traffic in Porto Alegre from a radically-interctionist point of view

Betina Warmling Barros

Resumo


O trabalho busca compreender as possibilidades de utilizar a abordagem teórica do “interacionismo radical”para o estudo da temática dos chamados coletivos criminais do tráfico de drogas do Brasil. Assim, retoma-se a constituição do interacionismo simbólico, traçam-se as principais distinções da sua versão radical e articula-se a produção sociológica sobre os coletivos criminais do tráfico de drogas no Brasil contemporâneo. Após, utiliza-se de produção empírica sobre a temática do tráfico de drogas realizada com adolescentes internados, para propor a possibilidade de utilização do interacionismo radical na abordagem do tema, o que pode se constituir: a) pelos processos de dominação dos agentes mais velhos que fazem parte do tráfico; b) pela observação das operações veladas de dominação; c) pela centralidade que o status social adquire na constituição do fenômeno da violência. 


Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Jania P. D.; HIRATA, Daniel. (2018), Inserções etnográficas ao universo do crime: algumas considerações sobre pesquisas realizadas no Brasil entre 2000 e 2017. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, n. 84, pp. 107-147.

ARAUJO, Marcella. (2019), A ideia de cotidiano na produção sociológica de Luiz Antonio Machado da Silva sobre a criminalidade violenta. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 12, n. 1, pp. 6–23.

ATHENS, Lonnie H. (2013), Radical Interactionism on the rise. Studies in Symbolic Interaction. Vol. 41. Bingley: Emerald Group Publishing.

AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli; CIFALI, Ana Claudia. (2017), Public security, criminal policy and sentencing in Brazil during the Lula and Dilma Governments, 2003-2014: Changes and continuities. International Journal for Crime, Justice and Social Democracy, v. 6, n. 1, pp. 146–163.

AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli; CIPRIANI, Marcelli. (2015), Um estudo comparativo entre facções: o cenário de Porto Alegre e o de São Paulo. Sistema Penal & Violência, v. 7, n. 2, pp. 160–174.

BARDIN, Laurence. (2010), Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70.

BECKER, Howard S. (2008 [1963]), Outsiders: estudos da sociologia do desvio. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar.

BERGER, Peter. (2001), Perspectivas sociológicas: uma visão humanística. 23. ed. Petrópolis: Vozes.

BIONDI, Karina. (2014), Etnografia no movimento: território, hierarquia e lei no PCC. Tese de Doutorado em Ciências Humanas. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos.

BLUMER, Herbert. (1986), Symbolic Interactionism: Perspective and Method. Berkley; Los Angeles; London: California Press.

CARVALHO, Virgínia D. de, BORGES, Lívia de O.; RÊGO, Denise P. (2010), Interacionismo simbólico: origens, pressupostos e contribuições aos estudos em psicologia social. Psicologia, Ciência e Profissão, v. 30, n. 1, pp. 146-161.

CIPRIANI, Marcelli. (2019), Os coletivos criminais de Porto Alegre entre a “paz” na prisão e a guerra na rua. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. Porto Algre: PUCRS.

COELHO, Edmundo Campos. (1978), A criminalização da marginalidade e a marginalização da criminalidade. Revista de Administração Pública, v. 12, n. 2, pp. 139–161.

CORREA, Amélia S. (2017), Interacionismo simbólico: raízes, críticas e perspectivas atuais. Revista Brasileira de História e Ciências Sociais, v. 9, n. 17, pp. 176-200.

DAUDELIN, Jean; RATTON, José L. (2017), Mercados de drogas, guerra e paz no Recife. Tempo Social, v. 29, n. 2, pp. 115-132.

FELTRAN, Gabriel. (2008a), Fronteiras de tensão: um estudo sobre política e violência nas periferias de São Paulo. Tese de Doutorado em Sociologia. Campinas: UNICAMP.

FELTRAN, Gabriel (2018), Irmãos: Uma história do PCC. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras.

FELTRAN, Gabriel. (2014), O valor dos pobres: a aposta no dinheiro como mediação para o conflito social contemporâneo. Cadernos CRH, v. 27, n. 72, pp. 495-512.

FELTRAN, Gabriel. (2008b), O legítimo em disputa: as fronteiras do “mundo do crime” nas periferias de São Paulo. Dilemas, v. 1, n. 1, pp. 93–126. Disponível em:

https://revistas.ufrj.br/index.php/dilemas/article/view/7136/5717. Acesso em: 17 set. 2019.

GOFFMAN, Erving. (1963), Stigma; notes on the management of spoiled identity. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall.

GRILLO, Carolina. (2013), Coisas da vida no crime: tráfico e roubo em favelas cariocas. Tese de Doutorado em Ciências Humanas. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

HIRATA, Daniel V. (2010), Sobreviver na adversidade: entre o mercado e a vida. Tese de Doutorado em Sociologia. São Paulo: Universidade de São Paulo.

HIRATA, Daniel V; GRILLO, Carolina C. (2017), Sintonia e amizade entre patrões e donos de morro: Perspectivas comparativas entre o comércio varejista de drogas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 29, n. 2, pp. 75–98.

KUNZE, Nádia C. (2009), Resenha de: GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. 7 edição. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001. Revista HISTEDBR On-line, n. 33, pp. 289-294.

LYRA, Diogo. (2013), A República dos Meninos: juventude, tráfico e virtude. 1. ed. Rio de Janeiro: Mauad X; FAPERJ.

MARQUES, Adalton. (2018), Humanizar e Expandir: uma genealogia da segurança pública em São Paulo. 1. ed. São Paulo: IBCCRIM.

MATSUEDA, Ross L.; HEIMER, Karen. (1997), A Symbolic Interactionist Theory of Role-Transitions, Role-Commitments and Deliquency. In: THORNBERRY, Terence P. (ed.). A Developmental theories of crime and delinquency. New Brunswick/NJ: Transaction. pp. 163-213.

MISSE, Michel. (2010), Crime, Sujeito e Sujeição Criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, v. 79, pp. 15–38.

MISSE, Michel. (1999), Malandros, marginais e vagabundos: a acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Tese de Doutorado em Sociologia. Rio de Janeiro: Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro.

OLIVEIRA, Pedro P. (2008), Sobre a adesão juvenil às redes de criminalidade em favelas. In: SILVA, Luiz A. M. (org.). Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. pp. 77-98.

PARK, Robert. (1952), Dominance. In: HUGHES, Everett (ed.). Human communities. New York: The Free Press. pp. 159–164.

RIBEIRO, Ludmilla; TEIXEIRA, Alex N. (2018), O calcanhar de Aquiles dos estudos sobre crime, violência e dinâmica criminal. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, n. 84, pp. 13-80.

SILVA, Luiz A. M. (org.). (2008), Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. 1 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

SOARES, Luiz Eduardo. (2000), Meu casaco de general: quinhentos dias no front da segurança pública do Rio de Janeiro. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras.

TEIXEIRA, Alex N. (2009), A produção televisiva do crime violento na modernidade tardia. Tese de Doutorado em Sociologia. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

VELHO, Gilberto (org.). (1985 [1974]), Desvio e Divergência: uma crítica da patologia social. 5. ed. Rio de Janeiro: Zahar.

VELHO, Gilberto. (2002), Becker, Goffman e a antropologia no Brasil. Sociologia, Problemas e Práticas, v. 38, pp. 9–17.

ZALUAR, Alba. (1994), Condomínio do diabo. 1. ed. Rio de Janeiro: Revan; Ed. UERJ.

ZILLI, Luís F. (2015), O mundo do crime e a lei da favela: aspectos simbólicos da violência de gangues na região metropolitana de Belo Horizonte. Etnográfica, v. 19, n. 3, pp. 463-487.




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.495

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 7  /  h5-median 13