Da ação coletiva ao crime: repertórios de movimentos sociais e facções prisionais | From collective action to crime: repertoires of social movements and prison factions

Simone Gomes

Resumo


O trabalho discute a organização prisional em facções a partir de paralelos com ações coletivas, com teorias dos movimentos sociais para lançar luz às práticas das facções prisionais. Dessa forma, baseado em um trabalho de inspiração etnográfica em prisões masculinas e femininas no Rio de Janeiro, Manaus e Fortaleza, abordaremos convergências e diferenças entre o modus operandi das facções prisionais do país, Primeiro Comando da Capital (PCC), Comando Vermelho (CV), Facção do Norte (FDN) e Guardiões do Estado (GDE) e movimentos sociais. Desde 2006, aumentaram significativamente as rebeliões, queima de veículos e transferência de presos, como instrumentos de barganha, aqui entendidas como repertórios. A pesquisa aponta para um funcionamento das facções que, por ser empiricamente orientado, traz elementos inovadores para pensar os limites e as possibilidades das teorias da ação coletiva.


Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, Robert. (1994), Prison Riots in Britain and the United States. London: Macmillan Press.

ALONSO, Angela et al. (2009), As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova: Revista de cultura e política, n. 76, p. 49-86.

ALONSO, Angela. (2012), Repertório segundo Charles Tilly: História de um conceito. Sociol. Antropol., Rio de Janeiro , v. 2, n. 3, p. 21-41, June.

AMORIM, Carlos. (1993), Comando Vermelho. Rio de Janeiro: Editora Record.

AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli e CIPRIANI, Marcelli. (2016), Um estudo comparativo entre facções: O cenário de Porto Alegre e o de São Paulo. Sistema penal & violência, vol. 7, no 2, p. 161-174.

BIONDI, Karina. (2017), As Rebeliões do PCC. Revista de@ ntropologia da UFSCar 9, 1, 2017.

BIONDI, Karina e MARQUES, Adalton. (2010). Memória e historicidade em dois" comandos" prisionais. Lua Nova, (79), 39-70.

BRANDÃO, Thadeu de Souza. (2013), Organizações Criminosas no Brasil: uma Análise a partir da teoria das Elites e da Teoria da Ação Coletiva. Revista Inter-Legere, n. 3.

BUTLER, Michelle; SLADE, Gavin; DIAS, Camila Nunes. (2018), Self-governing prisons: Prison gangs in an international perspective. Trends in Organized Crime, p. 1-16.

CAMPOS, Marcelo (2017), A atual política de drogas no Brasil: Um copo cheio de prisão. In: MALLART, Fabio e GODOI, Rafael (Orgs). BR 111 – A Rota das prisões brasileiras – São Paulo: Veneta.

CANDOTTI, Fabio, CUNHA, Flavia e SIQUEIRA, Italo. (2017), A grande narrativa do Norte: Considerações na fronteira entre crime e Estado. In: MALLART, Fabio e GODOI, Rafael (Orgs). BR 111 – A Rota das prisões brasileiras – São Paulo: Veneta.

CROZERA, Francisco. (2017), Onde começam os massacres? In: MALLART, Fabio e GODOI, Rafael (Orgs). BR 111 – A Rota das prisões brasileiras – São Paulo: Veneta.

DE MELO NASCIMENTO, Francisco Elionardo. (2017), " Por bem menos se interdita um zoológico”: apontamentos da condição histórica das prisões cearenses que culminou na crise penitenciária. ARACÊ–Direitos Humanos em Revista, v. 4, n. 5, p. 136-159.

DIAS, Camila Caldeira Nunes (2011a). Estado e PCC em meio às tramas do poder arbitrário nas prisões. Tempo Social, v. 23, n. 2, p. 213-233.

DIAS, Camila Nunes. (2011b), Da pulverização ao monopólio da violência: expansão e consolidação do Primeiro Comando da Capital (PCC) no sistema carcerário paulista. São Paulo : Universidade de São Paulo, 2011. (Tese de Doutorado).

FOUCAULT, Michel. (1977), Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis, Vozes.

ICPR (2018a) Brazil –World Prison Brief Data. Disponível em http://www.prisonstudies.org/country/brazil. Acesso em 19 de março de 2018

LESSING, Benjamin. (2010), The danger of dungeons: Prison gangs and incarcerated militant groups. Small Arms Survey, v. 6, p. 157-183.

LESSING, Benjamin. (2016), Inside Out: The Challenge of Prison-Based Criminal Organizations. Washington, DC: The Brookings Institution.

LESSING, Benjamin. (2017), Counterproductive punishment: How prison gangs undermine state authority. Ration Society. 29(3):257–297.

LOURENÇO, Luiz Cláudio; ROCHA, Gerder Luiz. (2013), Prisões e punição no Brasil contemporâneo. SciELO-EDUFBA.

MALLART, Fabio e GODOI, Rafael, (2017). BR 111 – A rota das prisões brasileiras. São Paulo: Veneta.

PAIVA, Luiz Fabio (2019). “Aqui não tem gangue, tem facção”: as transformações sociais do crime em Fortaleza, Brasil. Caderno CRH, 32(85), 165-184.

SALLA, Fernando. (2006), As rebeliões nas prisões: novos significados a partir da experiência brasileira. Sociologias, vol. 8, núm. 16, julio-diciembre, pp. 274-307.

SIQUEIRA, Italo. (2017), Rebeliões, Fugas, Motins e Massacres: Crises no Sistema Penitenciário do Amazonas. 3º Seminário Internacional de Pesquisa em Prisão 27 a 29 de setembro de 2017 Recife - PE UFPE

SKARBEK David. (2014), The Social Order of the Underworld: How Prison Gangs Govern the American Penal System. Oxford University Press, Oxford.

SUPERINTERESSANTE. (2017). Dossiê Facções, Editora Abril. Edição 374-A - Maio.

TARROW, Sidney. (1995), ‘Cycles of Collective Action: Between Moments of Madness and the Repertoire of Contention’ in M. Traugott (ed.) Repertoires and Cycles of Collective Action. Duke University Press: Durham, 89–116,.

TILLY, Charles. (1978), From Mobilization to Revolution. New York: McGraw-Hill.

TILLY, Charles. (2000). Spaces of Contention. Mobilization 5:135-60.




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.465

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Sociologia - RBS

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 7  /  h5-median 13