Os valores da auditoria no Estado: um estudo de caso de uma Controladoria Geral do Estado

Ana Karolina Ramalho de Araújo Rosas

Resumo


Práticas de auditoria e valores como transparência e accountability tornam-se cada vez mais centrais nos processos de governança. Alguns teóricos das ciências sociais atribuem isto à chamada governamentalidade neoliberal, em que uma “cultura de auditoria” passa a gerenciar não somente as formas de governo como também a conduta humana. Nosso objetivo é propor um diálogo crítico entre essa perspectiva e a concepção bourdieusiana de campos de poder, com o objetivo de compreender os valores da auditoria a partir do cotidiano dos atores envolvidos. Neste artigo, analisamos um caso empírico de experiência local de auditoria, em uma Controladoria Geral do Estado. Defendemos que é necessário analisar as formas de tecnologias de governo a partir do cotidiano das burocracias e das disputas entre os diversos campos de poder, tensionando os ideais técnicos e os valores morais e políticos. 


Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. (1998), Modernidade e Holocausto. 4 ed. Rio de Janeiro: Zahar.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève (2009), O Novo Espírito do Capitalismo. 1 ed. São Paulo: Martins Fontes.

BOURDIEU, Pierre. (2011), Razões Práticas: Sobre a Teoria da Ação. Campinas: Papirus.

BOURDIEU, Pierre. (2014), Sobre o Estado: Cursos no Collège de France (1989-1992). 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras.

BRITO, Simone M.; SCHUCH, Patrice. (2017), “Práticas de auditoria, sistemas de avaliação e valores”. Revista de Ciências Sociais - Política & Trabalho, n. 46, pp. 15-21.

BRITO, Simone. (2017), “A burocracia virtuosa: construção da transparência e desinteresse nas práticas de auditoria pública”. In: 41° ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, GT 10: Elites e formas de dominação, 2017, Caxambu - MG. Anais... pp. 1-28. Disponível em:

BRITO, Simone. (2018), “‘Estados imaginados’ e novas virtudes: Notas sobre a construção das políticas de transparência e combate à corrupção”. Horizontes Antropológicos, n. 50, pp. 25-52.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. (2016), A Nova Razão do Mundo: Ensaio Sobre a Sociedade Neoliberal. 1 ed. São Paulo: Boitempo.

FASSIN, Didier. (2015), “Governing precarity”. In: FASSIN, Didier (org.). At the heart of States. The moral world of institutions. London: Pluto Press. pp. 1-11.

FOUCAULT, Michael. (2006), Microfísica do poder. 22 ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Paz e Terra.

GUPTA, Akhil. (2012), Red tape: bureaucracy, structural violence, and poverty in India. 1 ed. Durham: Duke University Press.

HERZFELD, Michael. (2016), A Produção Social da Indiferença: Explorando as Raízes Simbólicas da Burocracia. 1 ed. Rio de Janeiro: Vozes.

KIPNIS, Andrew B. (2008), “Audit cultures: Neoliberal governmentality, socialist legacy, or technologies of governing?”. American Ethnologist, v. 35, n. 2, pp. 275–289.

POWER, Michael. (1994), The Audit Explosion. 1 ed. London: Demos, n. 7.

SHORE, Cris. (2009), “Cultura de auditoria e governança iliberal: Universidades e a política da responsabilização”. Mediações, v. 14, n. 1, pp. 24-53.

SHORE, Cris; WRIGHT, Susan. (2015), “Governing by numbers: audit culture, rankings and the new world order”. Social Anthropology/Anthropologie Sociale, v. 23 n. 1, pp. 22–28.

STRATHERN, Marilyn. (2000), Audit Cultures: Anthropological Studies in Accountability, Ethics, and the Academy. 1 ed. London: Routledge.

WEBER, Max. (2004), A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras.




DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.442

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 7  /  h5-median 13