A Construção de uma Agenda de Investigação Comum em um Oceano de Discordâncias

Renan Springer de Freitas, Gustavo de Castro Patricio de Alencar

Resumo


Este artigo conta  a história de como um corpo  de conhecimento que sequer se preten- de “científico”, a Teologia  do Novo Testamento, conseguiu estabelecer uma agenda de investigação comum de uma  forma que dificilmente pode  ser vista (se é que o pode!) no pensamento sociológico. Usualmente se diz que o conhecimento sociológico ten- de a se fragmentar em razão  de não  poder contar com  um  núcleo duro  de generali- zações  empíricas e de concepções aceitas de forma  consensual. Pois na Teologia  do Novo Testamento falta tanto  uma  coisa  quanto a outra  e, não obstante, essa discipli- na não  se fragmenta em “escolas  de pensamento” ou “paradigmas” que  mal  tomam conhecimento da existência uns  dos  outros, como  ocorre  na teoria  sociológica, nas abordagens sociológicas sobre  a modernidade, na sociologia do conhecimento e em muitas outras áreas  do conhecimento sociológico.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.429

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Sociologia - RBS

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 4.

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 13