Governo, gestão de populações e subjetividades: balanço e perspectivas analíticas

Edson Miagusko, Fabiana A. A. Jardim, Mariana Côrtes

Resumo


Apresentamos um  balanço do debate acadêmico sobre  governo  das  populações nas  periferias. Nacionalmente, argumentamos com  base  nas  apostas analíticas e políticas: a promessa de in- tegração das  populações marginais pela  mediação dos direitos sociais  dos 1980;  o desmanche neoliberal e o fim da hipótese superadora dos 1990; nos 2000, a compreensão de que a governa- mentalidade neoliberal opera  pela  multiplicação de regimes de governos. Internacionalmente, exploramos três  eixos  teórico-conceituais: a teoria  da  marginalidade; o conceito de  governa- mentalidade e as antropologias do Estado.  Destacamos, nos avanços, a atenção à complexidade de configurações históricas e a superação de fronteiras disciplinares rígidas, o que  permite re- compor perspectivas menos particulares e a constituição de novas  ferramentas de análise para pensar a experiência brasileira.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.242

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Sociologia - RBS

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 4.

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 13