Cultura, crítica e democratização: o estado da arte dos Estudos Culturais

Adelia Miglievich-Ribeiro, Eliane Veras Soares, Paulo Gajanigo, Glauber Rabelo Matias

Resumo


Renato  Ortiz  (2004) alerta  para  o fato de que os Estudos Culturais no Brasil e fora dele  têm  características muito diferentes. Avalia  que,  na  academia bra- sileira, sua  penetração ainda hoje  se faz pelas  bordas. Contrariando parcial- mente este  diagnóstico, o GT Cultura, Crítica  e Democratização (SBS), tenta reposicionar, no campo de conhecimento, os Estudos Culturais que,  de uma presença mais sutil  e dispersa em variados grupos, conquista um espaço onde a sua  perspectiva epistemológico-política é central para  a sua  identificação. Ao relacionar cultura e poder, os Estudos Culturais atraem investigações em  torno das identidades, identificações e lutas  por reconhecimento, da hegemonia e da con- tra-hegemonia, da crítica ao capitalismo, das  vozes  subalternas, das  histórias silen- ciadas e das resistências, dos mass  media na democratização da sociedade, do fenô- meno  da polifonia e da interculturalidade, das tensões entre  modernidade e tradição, da tradução, do hibridismo e do devir  que promovem as modernidades entrelaçadas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.224

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Sociologia - RBS

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 4.

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 13