Em defesa da sociologia : o economicismo e a invisibilidade das classes sociais

Jessé Souza

Resumo


O texto discute e critica algumas das versões mais importantes da leitura das classes sociais brasileiras contemporâneas segundo um viés “economicista”. Por economicista entende-se a leitura da realidade social quer parte do postulado, seja implícito seja explícito, de que apenas a consideração dos estímulos econômicos já explica o comportamento social em sua totalidade. Tomam-se os trabalhos de Marcio Pochmann e de Marcelo Nerí como exemplos de leitura economicista, na sua versão marxista e liberal respectivamente e critica-se a unilateralidade e superficialidade deste tipo de perspectiva. Na segunda parte do trabalho, contrapõem-se resultados de pesquisas empíricas nacionais com as classes populares brasileiras de modo a se mostrar as vantagens de um entendimento alternativo. A riqueza da herança teórica e empírica da sociologia crítica é o fio condutor para uma percepção mais rica e multifacetada da realidade social.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.27

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Sociologia - RBS

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 4.

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 13