Uma hermenêutica das conversações interiores: a noção de sujeito em Margaret Archer e em Hans-George Gadamer

Cynthia Lins Hamlin

Resumo


O presente trabalho consiste em  uma  reflexão sobre  a ontolo- gia do sujeito implícita à teoria  da agência de Margaret Archer. Com base  nas  vertentes mais individualistas do pragmatismo, Archer apropria-se da  noção  de  conversações interiores a fim de destacar o caráter reflexivo e privado do self, revelando uma concepção de  sujeito hiperreflexivo e autocentrado. A herme- nêutica de Gadamer é apresentada como uma  alternativa a esta ontologia. Argumento que  sua  teoria da  interpretação repousa sobre  uma  concepção dialógica de  sujeito cujas  conversações interiores sublinham a centralidade das práticas na construção da  subjetividade. Ao estabelecer que  a (auto)compreensão de- pende de um encontro com a diferença e a alteridade, Gadamer, ao mesmo tempo que nega a autotransparência e o fechamento do sujeito, abre  a possibilidade  de (auto)consciência e reflexi- vidade na agência humana.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.76

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Sociologia - RBS

ISSN Impresso: 2317-8507

ISSN Eletrônico: 2318-0544


Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 4.

Indexado por:

 Hispanic American Periodicals Index

INDEX h5 

h5-index 8  /  h5-median 13